Pesquise no Leitora Viciada

20 de janeiro de 2013

Meus Melhores Rascunhos, Christine M., Underworld

Meus Melhores Rascunhos
Christine M. - Editora Underworld
120 páginas - Ano: 2012 - de R$25,00 por R$20,00

Sinopse:
"As primeiras publicações de Christine M. foram feitas pela internet e, após quase dez anos de escrita, seus melhores textos foram selecionados e transformados em livro. 
Meus Melhores Rascunhos traz uma coleção de crônicas, contos, versos e aforismos retirados de seu antigo blog e também inéditos. A maior característica da obra é o tom intimista, quase pessoal, pois, nesse caso, poderemos apreciar as linhas despretensiosas da autora que sempre viu na escrita, antes de qualquer coisa, um modo de florescer e de se conhecer melhor.
Espere textos com romance, sensibilidade e transparência. Um apanhado de pensamentos e sensações da jovem autora que se transformou em um livro encantador. "

Links: Skoob | Comprar

Resenha:
Este é um dos livros mais agradáveis que já li.
São quarenta textos preciosos selecionados entre os escritos da Christine durante dez anos como escritora. Embora ela tenha três livros publicados em tão pouco tempo, ela já era "escrevedora" (como a própria autora se define) muito antes de Sob a Luz dos seus Olhos. Sempre fez parte dela, isso está estampado nos pensamentos, contos, crônicas e poemas de Meus Melhores Rascunhos. É notável que a Christine é mais que escrevedora, é uma escritora de alma e coração.

A capa representa exatamente o que o livro é: simples, porém recheado de lirismo e romancismo. São textos pincelados de delicadeza e sensibilidade raras de serem encontradas. É na pureza e simplicidade dessa capa que encontramos a doçura íntima da escritora, que embora já seja mãe, mantém a inocência de uma criança. Ela tem a capacidade de sonhar e enxergar em detalhes a beleza das dores e amores do mundo.

Uma autora que possui o dom de transformar os mais singelos atos e simples situações em verdadeiros momentos fantásticos. Ela encontra no comum a beleza secreta e aparentemente indecifrável. Ela expõe a poesia presente no cotidiano que nem sempre estamos prontos para encontra-la e degustá-la.
Através de textos muito variados encontramos amores, dúvidas, anseios e os sentimentos mais íntimos de qualquer ser humano. Christine destaca a alma feminina com muita graciosidade, mas não é um livro apenas para mulheres, porque os textos são sobre a vida.
Qualquer cena comum do dia-a-dia ou cenário cinza pode ser transportado pela autora para linhas de texto e se transformar em uma linda e admirável crônica. Uma mistura de Clarice Lispector com Marina Colasanti. Christine M. parece uma fada com varinha de condão abrilhantando e iluminando os sentimentos de cada palavra.

Mas não se deixe enganar com a simplicidade e a fofura de seus rascunhos. Existe uma força e intensidade entranhadas em cada linha capaz de fazer o leitor sorrir, soltar lágrimas ou refletir. Um leitor de verdade não lê esse livro nem o devora vorazmente; na verdade, se delicia e saboreia cada texto, para, reflete, imagina e sonha junto às letras. Textos para serem lidos, admirados e interpretados não apenas com o raciocínio lógico, mas também com o coração.
Eu me emocionei claramente com alguns textos e fui surpreendida pela leitura. Minhas expectativas eram que eu teria um passatempo agradável em mãos e que o livro seria bom. Porém, a leitura me fez viajar nas memórias, pensamentos e sonhos próprios. Eu flutuei em vários textos e me perdi em lembranças e desejos meus. Retornei ao passado e imaginei o meu futuro. Como isso aconteceu com Meus Melhores Rascunhos? Eu não sei. Apenas sei que foi uma delícia.

O livro possui um sumário com os títulos dos textos, porque é o tipo de livro que você lê e guarda na estante para folhear de vez em quando e reler algo ao acaso ou de acordo com o momento.
No começo do livro existe a parte de agradecimentos. A autora colocou o nome de todos os leitores que curtem sua página no Facebook como uma representação de todos, uma forma de agradecimento especial e diferente. Como se isso já não bastasse e já não fosse lindo o suficiente (tem meu nome ali!) o último texto do livro é Carta ao Leitor.
Um charme do livro são pensamentos surpresa destacados entre um texto e outro em páginas com estrelas, trazendo mais pausas reflexivas como, por exemplo: "Fingir ser feliz dá mais trabalho do que ser triste." Essa frase me marcou e eu fiquei ali parada, relendo-a com as estrelinhas embaixo.

Embora os textos sejam cheios de harmonia e delicadeza a dura realidade da vida se faz presente, como os amores que terminam e os momentos que não voltam mais. Mesmo sendo um livro gracioso, existe uma realidade palpável e explícita.
Em outros textos percebe-se o quanto eles são íntimos e pessoais, não apenas na personalidade da escrita da autora, mas sim na observação de que são coisas vindas de suas próprias experiências, vindas de seu coração.

Só pra Mari é uma carta que emociona; Dias de Mãe me fez chorar com saudades da minha; Invisível me fez reparar como tenho um sentimento inquieto dentro de mim; Feliz de quê? é um apelo para não nos deixarmos abater sob a tristeza; Falemos de Amor é um desabafo que eu apoio; Desencontro é um tipo de relação que muitas pessoas encontram; Qual o Peso da Saudade? me fez chorar; O Tempo, O que te Define e Um Teto Todo Seu foram os que mais me fizeram refletir; em Eu Não Escrevo Poemas e Não é Dia de Escrever encontramos confissões de escritora; Arteira é definitivamente o meu texto preferido do livro, como o adorei! Eu deveria lê-lo todos os dias ao sair da cama. E ainda existem outros vinte e seis textos no livro.

O livro possui textos pessoais, que comovem e trazem reflexões e bem-estar a qualquer pessoa. Outros são segredos da autora, outros da mãe, outros da mulher. Todos os textos são belos, alguns são românticos, outros nostálgicos e existem ainda os revolucionários, as confissões e até homenagens.
Você encontra tudo neste livro, se souber enxergar as entrelinhas.
Uma leitura que prova que mulheres podem ser fortes, independentes e feministas; e ainda sim continuar a serem delicadas, sentimentais e femininas.
Reflexão disfarçada de diversão. Diversão que leva à reflexão.

Trechos:
"Eu queria que você me olhasse com aquela expressão infantil de quem espera por bolo de chocolate ou por um passeio no parque." - Só pra Mari.
"A parte cruel é saber que em alguns momentos ela terá que cruzar pontes vacilantes sem mim, sem segurar a minha mão e que eu terei que deixá-la só para que saiba de sua própria capacidade." - Dias de Mãe.
"A vida segue, as indagações permanecem e não haverá respostas." - Invisível. 
"As histórias de amor costumam ser chamadas de "livros de mulherzinha" e, por esse motivo, não têm o respeito da maioria dos homens. Infelizmente, nem o sexo feminino apoia o gênero: as mulheres intelectuais querem distância e as moderninhas dizem não se interessar por esse tipo de literatura." - Falemos de Amor.
"Saudade dos tempos de escola e dos tempos em que eu acreditava ter absoluta certeza de quem eu era. O mundo era pequeno e eu é que impulsionava o seu girar." - Qual o Peso da Saudade?
"O tempo me fez aprender a ser mais calma, mas não mais mansa. O tempo me ensinou a falar menos e acabei pensando demais." - O Tempo.
"Ai que vontade de fazer uma arte! Invadir um sonho, virar o balde, espalhar purpurina, derramar alegrias e revirar gargalhadas." - Arteira.

A autora:
Ericka Christine Ferreira de Melo, ou simplesmente Christine M. nasceu em 04 de agosto de 1981.
Atualmente, leciona Língua Portuguesa e redige novos artigos científicos.
Além de professora, é mãe e escritora. É formada em Secretariado Executivo, Letras e especialista em Língua Portuguesa, Leis trabalhistas e está concluindo a especialização em Literatura.
Em departamentos de pesquisa, desenvolveu estudos sobre a autora Clarice Lispector e, a partir de temas inéditos, publicou artigos científicos e participou de jornadas acadêmicas e congressos nacionais e internacionais.
Escreveu crônicas e contos em blogs por seis anos.
Ela por ela mesma: "Sou todas as histórias que conto."
Cresceu numa casa repleta de livros e foi influenciada por sua mãe, uma leitora voraz, que sempre a estimulou a compartilhar suas impressões sobre cada livro lido. Além disso, Christine sempre ganhava diários de presente e por isso, a escrita sempre esteve presente em sua vida.
Publicou em 2012 pela Editora Underworld seu primeiro romance Sob A Luz dos Seus Olhos, que vem tendo uma enorme aceitação por parte dos leitores. Depois lançou Meus Melhores Rascunhos com contos, pensamentos e crônicas selecionados.
Seu novo romance é uma história futurista repleta de conspirações políticas e paixões: O que Não Diz a Lenda.
Mesmo tendo uma vida muita agitada dividida entre a maternidade, os estudos e o trabalho.

Links: Website | Twitter da autora | Skoob de autora | Contato.

Instagram @leitoraviciada

Skoob

Online

Siga por e-mail