Pesquise no Leitora Viciada

4 de maio de 2015

Kate Daniels, volume 1: Sangue Mágico, Ilona Andrews e Saída de Emergência Brasil

Sangue Mágico (Magic Bites)
Kate Daniels - livro 1
Ilona Andrews - Saída de Emergência Brasil
Tradução: Flávia de Lavor
256 páginas - 2015 - R$39,90
Comprar: Submarino | Saraiva | Amazon | Cultura
SORTEIO (de 11/05 a 29/05/2015)

Sinopse:
"Se não fosse pela magia, Atlanta seria uma boa cidade para se morar... A magia chega como uma onda e tudo para de funcionar: os carros não ligam, as armas se tornam inofensivas.
No momento seguinte, a energia já se dissipou e a tecnologia reassume o controle, fazendo com que feitiços de proteção já não sejam capazes de defender a sua casa da ameaça de monstros.
Nesse mundo, arranha-céus são derrubados por ataques violentos da magia; homens-lobo e homens-hiena vagam pelas ruas em ruínas; e os Mestres dos Mortos, necromantes levados pela sede de poder, controlam vampiros com o poder da mente.
Nesse cenário vive Kate Daniels, uma menina impulsiva e destemida que não leva desaforo para casa. Seu sangue a torna um alvo e, por isso, ela passou boa parte da vida escondida em meio à multidão. Mas quando seu guardião é assassinado, Kate precisa fazer uma escolha: deve continuar na segurança do anonimato ou perseguir o assassino e vingar a morte dos inocentes?"

Resenha:
Sangue Mágico (Magic Bites) é o volume inaugural da série Kate Daniels. Publicado nos Estados Unidos em 2007, o livro chegou aqui em março de 2015 pela Saída de Emergência Brasil. A editora promete aos fãs de literatura fantástica a melhor coleção, com grandes autores e obras valiosas. Livros para fugir da rotina, da Coleção Bang! Sangue Mágico é mais uma preciosidade da ficção fantástica. Essencial aos leitores que adoram fugir do realismo.
Após publicar nomes como Raymond E. Feist (Mago), Stephen Hunt (A Corte do Ar), Guy Gavriel Kay (Tigana), Terry Brooks (A Espada de Shannara), Diana Gabaldon (Outlander) e Anne Bishop (Joias Negras), é a vez de Ilona Andrews estrear no Brasil. É o pseudônimo de uma dupla de escritores. Mais precisamente, esposa e marido: Ilona e Andrew Gordon.
Kate Daniels já possui oito livros principais (Magic Bites, Magic Burns, Magic Strikes, Magic Bleeds, Magic Slays, Magic Rises, Magic Breaks e Magic Shifts), um livro spin-off (Gunmetal Magic) e publicações de contos e extras. Se os demais seguem o padrão de Sangue Mágico, a série tem tudo para se tornar uma das minhas preferidas, porque a protagonista já me ganhou. Kate é uma das melhores heroínas de ficção fantástica; tão peculiar que ao ler qualquer outra coisa depois, você correrá o risco de achar as personagens femininas fracas, em vários sentidos.
A capa está com uma bela e poderosa imagem de Kate, com jaqueta de couro e sua espada inseparável, a Matadora. Brilho e magia emanando da lâmina e da própria Kate, um visual intenso, quente.

Conforme anunciado pela editora, Sangue Mágico é fantasia urbana adulta. Basicamente, para uma obra receber essa classificação, que é um subgênero da ficção especulativa, precisa apresentar narrativa e elementos fantásticos em um cenário urbano. A cidade e seu aspecto sobrenatural precisam prevalecer no enredo.
Geralmente encontramos publicações no Brasil voltadas para um público mais jovem, como Os Instrumentos Mortais de Cassandra Clare; Harry Potter de J. K. Howling, é fantasia urbana young adult. No entanto, Sangue Mágico possui maturidade, violência, narrativa e desenvolvimento de enredo direcionados ao público adulto. Além disso, é um livro que foca no lado mais sinistro da cidade e suas personagens desde o princípio. A introdução já é sombria e natural.
O romance sobrenatural muitas vezes é confundido com fantasia urbana. Descobri recentemente uma forma direta de distingui-los. O romance sobrenatural, mesmo tendo uma cidade e diversos conflitos, se centra em uma relação romântica, enquanto que a fantasia urbana não possui história amorosa como a essência da trama.
Jeaniene Frost (Night Huntress), J. R. Ward (Irmandade da Adaga Negra), Richelle Mead (Academia de Vampiros), Patricia Briggs (Alfa e Ômega) e Anne Rice (As Crônicas Vampirescas) são autoras de fantasia urbana adulta que aparecem em quase todas as listas de melhores livros do tipo. O intrigante é que Kate Daniels é uma série que ocupa posição de destaque nestes rankings internacionais, porém somente agora chega ao Brasil. Estou bem interessada em ler mais literatura assim, especialmente porque as protagonistas costumam ser mulheres independentes. Meu contato com esse tipo de ficção se deu mesmo em histórias em quadrinhos (Witchblade, Hellblazer), mas acho que a primeira que conheci foi o seriado televisivo Buffy, a Caça-Vampiros.
Estou habituada a ler fantasia, portanto não tenho dificuldade na criação de mitologias e mundos diferentes do real. Sangue Mágico, ainda que apresente um cenário urbano e uma época contemporânea (pode ser um pouco mais futurística ou uma realidade paralela), ou seja, embora aparentemente se aproxime de uma cidade qualquer, a Atlanta da trama é outra e o leitor novato neste subgênero pode ter um pouco de dificuldade inicial.

A narrativa é em primeira pessoa e da protagonista. Ela vai direto ao ponto e é extremamente sarcástica e muito inteligente. Essas características se refletem na narrativa. Corajosa, insistente e confiante, Kate pode sentir dor ou medo, mas nada a impede de prosseguir em suas missões - desde que o pagamento seja bom (ou sua vida esteja em risco).
É uma mercenária que encara qualquer problema que envolva magia e seres perigosos. Qualquer problema mesmo.
Ela está com a conta bancária entrando no vermelho, 25 anos e se dedicando exclusivamente ao trabalho, que prefere realizar sozinha.
Seu Guardião é assassinado. Ele possuía uma profissão semelhante à sua, porém integrava a Ordem dos Cavaleiros da Ajuda Misericordiosa, uma organização com regras bem diferentes do modo de trabalhar de Kate - e hierarquia a ser respeitada, outra coisa que Kate não gosta. Ela quer descobrir quem matou seu Guardião, porém necessita se envolver com a Ordem, pois o primeiro passo é descobrir em que caso o Cavaleiro-Místico estava trabalhando. Logo constata que a morte dele está relacionada com dezenas de assassinatos, tanto de metamorfos como de vampiros.
Portanto, além da Ordem o leitor conhece a Matilha e a Nação, adentrando em um mundo fantástico, rico, denso e cheio de detalhes incríveis. Humanos-animais, com várias formas variantes e mutáveis, foram os que mais gostei. Dentre eles, a personagem mais interessante (depois de Kate!) certamente é Curran, o líder da Matilha, meio humano, meio leão gigante. Este serve de exemplo para mostrar como a criação da dupla de autores é impressionante. Não acha criativo? E que tal um zumbi-dragão? Necromantes que controlam vampiros?
Se Kate é a protagonista arrebatadora, as demais personagens, incluindo seus adversários (todos os presentes na trama?), são igualmente bem construídos e interessantes. São personagens completas, até mesmo os figurantes.

O mundo de Kate funciona do seguinte modo: A magia surge e desaparece em fluxos cada vez mais intensos e duradouros. Quando ela aparece, se sobrepõe a tecnologia. Como se as leis da física existissem em duas realidades diferentes, quase opostas, e que acima de tudo, parecem brigar entre si. A impressão é que a magia está vencendo a tecnologia e, portanto, mudando o mundo permanentemente. Feitiços atingem o ápice da força quando a eletricidade se vai, mas se enfraquecem ou falham quando o contrário acontece.
E as palavras possuem poder, especialmente quando entoadas do modo correto. Quem possui e conhece magia pode proteger, controlar, destruir e matar. Kate não fica para trás. Além de explosiva e independente, ela é, literalmente, poderosa. Seu sangue possui poder. Seu sangue é mágico. E o porquê é um mistério empolgante. Os autores criam esse suspense a respeito de seu sangue e paralelamente a questão da origem da protagonista segue e intriga.
Certamente esta condição a transforma em uma superhumana e talvez seja um fator decisivo para deixa-la ainda mais autoconfiante, ao ponto das pessoas ao redor (que desconhecem sua condição) a verem como arrogante. Kate pode parecer exageradamente forte, mas os autores justificam a habilidades dela: sangue mágico, força de vontade, treinamento, experiência e excelente condição física formam o conjunto. Mas ela não é invencível, possui muitos pontos fracos, além de se sentir às vezes solitária e cometer inúmeros erros e falhas. Kate não gostaria de ouvir isso, mas ela é uma heroína!

O livro me agradou completamente, não possuo nenhuma reclamação. Gosto do gênero e apreciei muito a leitura. O clímax é intenso e o desfecho, espetacular. Além de suspense e seres sobrenaturais, a trama apresenta muita ação, incluindo cenas sanguinárias. Os autores me surpreenderam, pois achei que o cenário não seria interessante, por ser urbano e com vampiros. E estava receosa, visto que vampiros saturaram o mercado atual. Minhas expectativas eram altas, especialmente pelas classificações excelentes que vi em sites e blogs estrangeiros. Estava ciente da protagonista badass, mas tinha medo dela não ser convincente. Concluindo, tinha medo de me decepcionar e simultaneamente estava louca para iniciar a leitura. Então guardei o livro com um sentimento indefinido que misturava ansiedade, empolgação e receio.
Sangue Mágico foi além das minhas expectativas, me impressionou mesmo; Kate me conquistou e certamente o segundo volume está entre os livros por mim mais aguardados. Li o anexo que o exemplar traz, com o comecinho do livro dois e adorei.
Estou curiosa sobre a capa, enredo, tudo! Espero que a Saída de Emergência Brasil publique a série seguindo o mesmo padrão de qualidade gráfico e editorial que seus livros possuem e que o intervalo entre um volume e outro seja o ideal, como ocorre com as outras séries da editora, visto que Kate Daniels no original está bem adiantada.
Recomendo este livro para quem gosta de fantasia urbana surpreendente, mas busca por uma trama adulta. E para leitores que admiram mulheres independentes.

Os autores:
Ilona Andrews é o pseudônimo para uma dupla de escritores, formada por marido e mulher.
Ilona nasceu na Rússia e Gordon é ex-sargento de comunicações do exército americano. Ao contrário da crença popular, Gordon nunca foi oficial da inteligência com licença para matar e nem Ilona a misteriosa espiã russa que o seduziu. Eles se conheceram na faculdade, na aula de Introdução à Redação.
Atualmente moram no Oregon, com dois filhos, três cães e um gato.
Eles dividem a coautoria de duas séries, a fantasia urbana best-seller de Kate Daniels e a fantasia urbana romântica The Edge.
Site | Facebook | Twitter 

Sorteio (de 11/05 a 29/05/2015):





Instagram @leitoraviciada

Skoob

Online

Siga por e-mail