Pesquise no Leitora Viciada

20 de setembro de 2017

Fraude Legítima, de E. Lockhart e Seguinte (Grupo Companhia das Letras)

Fraude Legítima (Genuine Fraud)
E. Lockhart - Seguinte / Grupo Companhia das Letras
Tradução: Flávia Souto Maior
280 páginas - R$ 34,90 (impresso) e R$ 23,90 (e-Book) - trecho
Comprar: Amazon | Cultura | Saraiva
Lançamento: 29 de setembro de 2017.

Sinopse:
"Jule West Williams é uma garota capaz de se adaptar a qualquer lugar ou situação. Imogen Sokoloff é uma herdeira milionária fugindo de suas responsabilidades. Além do fato de serem órfãs, as duas garotas têm pouco em comum, mas isso não as impede de desenvolver uma amizade intensa quando se reencontram anos depois de terem se conhecido no colégio. Elas passam os dias em meio a luxo e privilégios, até que uma série de eventos estranhos começa a tomar curso, culminando no trágico suicídio de Imogen e forçando Jule a descobrir como viver sem sua melhor amiga. Mas, talvez, as histórias das duas garotas tenham se unido de maneira inexorável — e seja tarde demais para voltar atrás."

Resenha:

A Editora Seguinte traz o novo livro de E. Lockhart, autora de Mentirosos (2014) e O Histórico Infame de Frankie Landau-Banks (2013): Fraude Legítima, lançamento de setembro de 2017. As obras da autora já foram traduzidas para mais de quinze idiomas e têm se destacado cada vez mais na literatura young adult. Neste livro ela se inspirou em histórias vitorianas, noir ou de super-heróis, com órfãos, anti-heróis ou trapaceiros, e homenageia escritores como Patricia Highsmith, Mark Seal e Charles Dickens. São incontáveis referências na construção da trama, personagens e ações.
Fraude Legítima traz personagens um pouco mais velhas que os livros da categoria costumam ter, além de apresentar camadas profundas na personalidade, caráter duvidoso e complexidade narrativa. E. Lockhart apresenta duas protagonistas femininas surpreendentes em uma trama sombria e labiríntica, onde muitas reviravoltas acontecem. É um suspense em formato de thriller para deixar o leitor mais que curioso: confuso, mas em um sentido positivo! É uma leitura rápida e movimentada, porque a autora tem uma escrita excelente, que mantém a fluidez e a jovialidade em equilíbrio com a complexidade do enredo e da estrutura textual. É uma trama inteligente que usa a cronologia reversa para surpreender.
Você se pergunta sobre como a história chegou àquele ponto, sobre as origens das protagonistas, como se conheceram e que acontecimentos desencadearam para toda a situação. E quando você acha que descobriu tudo, percebe que se enganou; e que mesmo nas últimas páginas, ainda existem surpresas.

Casa em Martha's Vineyard, Estados Unidos.
Portanto, a narrativa em terceira pessoa ocorre ao contrário, ou seja, o livro começa no final da história e ruma ao princípio. É uma boa experiência, pois o grande ápice ocorre no fim do livro, que na verdade é o começo de todo o conflito. Você provavelmente terá opiniões mutáveis sobre as personagens e os eventos e precisará organizar e realinhar tudo conforme descobre informações.
O ponto de vista é o de Jule West Williams, mas ela divide o protagonismo com Imogen Sokoloff.
Jule e Imogen são órfãs e muito amigas. Imogen foi adotada e se acostumou a ter uma vida de riquezas, até se suicidar. Jule pode parecer inofensiva, mas é uma sobrevivente. Agora, sem Imogen, precisa mais do que nunca dar a volta por cima. Ela está sempre se reinventando, mas até quando?
Então voltamos no tempo para saber o que verdadeiramente aconteceu com elas e encontramos crimes, fugas, mentiras, assassinatos. Descobrimos como Jule e Imogen se conheceram e se tornaram amigas. Mas o relacionamento delas não é simples, é misterioso e cheio de nuances. Há ainda outras pessoas envolvidas, amizades e interesses amorosos, uma fortuna e uma teia instigante.
Um dos anéis de Imogen.
Elas são inteligentes e não devem ser subestimadas; são anti-heroínas e eu adoro anti-heróis! São moralmente suspeitos e, dependendo do ponto de vista  ou interpretação, podem ser até mesmo vilões. Muitas vezes decepções ou tragédias os corrompem. A motivação pode variar, mas eles têm falhas comuns do ser humano. Me sinto próxima dos anti-heróis e foi isso o que ocorreu: me mantive interessada em Jule e Imogen. Principalmente porque são duas personagens femininas, visto que quase sempre na ficção o anti-heroísmo é masculino. E o melhor: é um livro feminista, que critica explicitamente esse protagonismo quase sempre masculino (e branco, heterossexual e cisgênero) na ficção de ação, deixando papéis menos interessantes para as mulheres (e minorias). Então se você gosta de personagens como Jessica Jones e Viúva-Negra da Marvel e Lorraine Broughton de Atômica, vai adorar Jule.
Ela conta sua história como se estivesse em um filme de ação ou em uma história em quadrinhos de super-heróis e se orgulhosa de seu talento para se disfarçar e imitar sotaques, de sua força e capacidade de luta.
Em certos momentos surgem várias dúvidas a respeito das identidades personagens principais. Jule finge ser Imogen? Ou é Imogen que finge ser Jule fingindo ser Imogen? Jule e Imogen poderiam ser a mesma pessoa? Elas são amigas de verdade? Foram inúmeras sensações, não é simples confiar nas informações. Não é fácil confiar nas protagonistas.

Culebra, Porto Rico
Parece confuso? É simplesmente genial. Um livro que faz o leitor pensar em hipóteses loucas deve ser respeitado. É uma leitura para fazer a mente viajar num quebra-cabeças intrigante, ambíguo e atraente.
A viagem não é apenas psicológica, pois os cenários variam bastante e transcorrem por alguns países: México, Inglaterra, Estados Unidos e Porto Rico. A maioria dos locais é luxuosa, burguesa, cosmopolita e também paradisíaca. Imogen e Jule vivem um momento de glamour estilo Gossip Girl (Cecily von Ziegesar).
Unido a toda essa viagem, os capítulos são curtos e viciantes, então a leitura é rápida.
Fraude Legítima é um juvenil contemporâneo para leitores em busca de um suspense bem escrito, em ritmo frenético e compreensível, porém curioso e com personagens psicologicamente complexos.
Será que uma pessoa é tão ruim quanto suas piores ações? É uma história sobre ética e moral, e afirmação de identidade e gênero, recheada de crimes e trapaças.
Se você procura uma leitura ao estilo de A Garota no Trem (Paula Hakins), Garota Exemplar (Gillian Flynn), ou Desaparecidas (Lauren Oliver), porém mais leve, vai gostar de Fraude Legítima. Recomendado aos leitores que adoram personagens de índole duvidosa e bom suspense.

Londres, Inglaterra.
Recebi a prova antecipada do livro ainda em fase de revisão. Esta postagem será atualizada futuramente com fotos do exemplar final.

Imagens extraídas do Pinterest da autora.

É o Seguinte: vídeo da editora com 5 motivos para ler Fraude Legítima:


A autora:
Nasceu em Nova York e fez doutorado em literatura inglesa na Universidade Columbia. Deu aulas de redação, literatura e escrita ativa. Seus livros já foram traduzidos para mais de dez idiomas. É autora de Dramarama, The Boyfriend List e Fly on the wall, e coautora de How to Be Bad, com Lauren Myracle e Sarah Mlynowski.
Site | Facebook | Twitter | Instagram

Instagram @leitoraviciada

Skoob

Online

Siga por e-mail