publicidade

Resenha: Depois do Sim, de Taylor Jenkins Reid e Paralela (Grupo Companhia das Letras)

Depois do Sim (After I Do)
Taylor Jenkins Reid - Editora Paralela (Grupo Companhia das Letras)
Tradução: Alexandre Boide
383 páginas - R$ 49,90 (impresso) e R$ 29,90 (ebook) - ler/baixar um trecho

Sinopse:
"Depois do Sim é uma leitura leve, divertida e ao mesmo tempo tocante e profunda sobre a complexidade dos relacionamentos que dão sentido às nossas vidas.
Após onze anos de casamento, Lauren e Ryan chegam à triste conclusão de que não estão felizes juntos.
Esse poderia ser o fim, mas para os dois é só o começo. Eles vão passar por um ano diferente de tudo aquilo que já viveram, no qual aprenderão muito mais sobre si mesmos do que seriam capazes de imaginar.
Depois do Sim é uma história sobre o que acontece quando a paixão parece não estar mais lá. Sobre as várias facetas do amor. Sobre aprender a mantê-lo, perdê-lo, redescobri-lo e aceitá-lo como ele é. Acima de tudo, é a história de um casal preso nas armadilhas de seus hábitos e manias, mas disposto a buscar um novo e inusitado caminho para fazer dar certo."

Resenha:
Taylor Jenkins Reid já havia sido publicada no Brasil com Em Outra Vida, Talvez?, mas foi com os livros Daisy Jones & The Six e Os Sete Maridos de Evelyn Hugo, ambos pela Editora Paralela, do Grupo Companhia das Letras, que a autora se tornou uma das mais queridas pelo público brasileiro fã de literatura pop. O sucesso é também internacional, tanto que ambos tiveram seus direitos de adaptação para TV e cinema adquiridos, o que atrai ainda mais o interesse. Também da escritora, a Paralela publicou Amor(es) Verdadeiro(s) e Depois do Sim, e já prometeu trazer em 2021 seu novo romance, Malibu Rising, com data de lançamento no idioma original prevista para final de maio.
São tramas envolventes, bem escritas e impossíveis de largar, com temas sociais e cotidianos, porém relevantes e muito atuais, como sexualidade, relacionamentos e feminismo. As narrativas da autora conquistam com protagonistas fortes e trazem reflexão, divertindo e emocionando ao mesmo tempo em que te tiram da zona de conforto. Encontrei tudo isso em Depois do Sim, meu primeiro contato com o trabalho de Reid. Realmente a escrita dela vale mesmo toda a atenção e elogios que vem recebendo da crítica e do público. O que mais apreciei, além do texto bastante envolvente e agradável, foi a facilidade com que me identifiquei com as personagens e seus sentimentos, conflitos, atitudes e pensamentos, especialmente em relação às dúvidas sobre relacionamentos em geral, não apenas o romântico. Me identifiquei, me apeguei e pensei bastante sobre os assuntos abordados. Tanto que já acrescentei todas as obras da autora à minha wishlist.


Enquanto a maioria das histórias românticas contemporâneas é sobre como o casal vai enfim se entender e ficar junto, conforme o título já dá spoiler, Depois do Sim é sobre o que acontece após o "felizes para sempre". A trama já começa com uma cena rotineira demonstrando como o casal protagonista, Lauren e Ryan, após onze anos juntos, sendo seis destes casados oficialmente, está se desentendendo. Não se sabe como ou quando as brigas começaram, e também aparentemente não existe um problema grave atrapalhando a relação, como infidelidade ou estresse externo, porém é perceptível que o relacionamento está muito desgastado e prestes a desmoronar.
Eles se conheceram ainda na faculdade, namoraram, se formaram, conseguiram bons empregos, foram morar juntos, se casaram e adotaram um cachorro muito simpático, o Thumper. Ainda não têm filhos e estão na dúvida se terão e quando seria o momento oportuno. O desenvolvimento do relacionamento é mostrado em capítulos flashback, porém nada além do necessário. Eles realmente se apaixonaram muito e intensamente, tiveram um romance admirável, do tipo que muitas pessoas adorariam ter. Mas este não é um livro sobre se apaixonar loucamente quando se é jovem e iniciar a construção de uma vida em casal. É sobre como manter o relacionamento após alguns anos de rotina, quando aparentemente um já descobriu tudo o que há no outro, tanto a parte mais atraente, interessante e agradável, como também a mais irritante, entediante e feia. Lauren e Ryan quase se divorciam, portanto, decidem permanecer um ano separados e incomunicáveis.


A narrativa ocorre em primeira pessoa pela protagonista Lauren, por isso Ryan é o co-protagonista. É pelo ponto de vista dela que conhecemos a história do casal. Achei a escolha de apenas um narrador e não ambos bastante acertada, construindo uma trama menos óbvia, porque cria um pouco de suspense sobre o que Ryan pensa e sente. Com acesso apenas a Lauren, não se sabe o que Ryan está fazendo. Não se sabe se ele está vivendo bem sem a esposa (ou talvez futura ex-esposa?). Se está gostando da vida provisória de solteiro (talvez futuro divorciado?). Lauren, com todas as desculpas aceitáveis, se perde em infindáveis "e se". E se tivesse feito isso ou aquilo, agido de tal ou tal forma, falado o que precisava... E se realmente se tornar uma divorciada, quais as opções? E se tentarem uma segunda vez, como será? E se Ryan não quiser a mesma coisa que ela, ou do mesmo modo?
Acompanhando a protagonista, além do cachorro, temos um núcleo familiar interessante. A mãe, que criou três filhos sozinha, parece ter encontrado um namorado sério. O irmão traz novidades que afetarão toda a família. A irmã (e melhor amiga) se torna o apoio essencial de Lauren nesta fase, assim como uma colega de trabalho e, aos poucos, toda a família, até a avó bastante idosa apresenta boas intenções e conselhos. As personagens apresentam suas próprias tramas menores e paralelas, mas que são muito importantes, pois estes relacionamentos e pessoas influenciaram e continuam a influenciar Lauren e, até mesmo, Ryan, pois ele se dá tão bem com a família da esposa que é como se os irmãos dela fossem dele também.


Depois do Sim foca não apenas no relacionamento de Lauren e Ryan, mas na forma como Lauren vê a si mesma e interage com todos ao redor. Por isso, além de interessantes arcos coadjuvantes, a obra traz pequenos exemplos de como os relacionamentos não são todos iguais e que, consequentemente, não existe um manual para que estes deem certo.
O livro traz aquele clichê sempre válido de buscar amar a si mesma antes de poder amar os outros, de estar sempre trabalhando o autoconhecimento para ser feliz. Não é apenas sobre as dificuldades de se manter um relacionamento amoroso e uma vida conjunta, mas também sobre como estar em paz com seu interior para assim encontrar o equilíbrio de dizer "não quero", "não gosto" ou "não posso", e, ainda assim, a perceber quando é o momento de ceder e se sacrificar para fazer o outro feliz, desde que ele também faça a mesma coisa. Uma lição sobre como deveríamos valorizar as companhias que amamos com todas as forças, sempre, ininterruptamente. Sobre como deveríamos ter gratidão pelas pessoas presentes em nossas vidas, incluindo as que escolhemos, e relevar defeitos e conflitos cotidianos dispensáveis. Estar num relacionamento amoroso é querer estar, não precisar estar. E se há respeito, e o desejo de se estar com alguém, por que perder tempo com banalidades? "Finais felizes", para mim, não existem; enquanto há vida, o que existe é uma (tentativa de) manutenção constante da felicidade.
Foi uma leitura fluida que me envolveu por completo e me tirou de uma ressaca literária. Me identifiquei com as personagens em variados momentos. Foi uma experiência que me entreteve muito positivamente, foi reflexiva sem forçar e emocionante sem exagerar. O desfecho é tão realista e verdadeiro quanto todo o desenvolvimento de enredo. Agora planejo ler tudo de Taylor Jenkins Reid!

"Só porque dá pra levar a vida sem uma pessoa não significa que a gente queira isso."

Este livro foi uma cortesia enviada pela Companhia das Letras para resenha. O exemplar possui orelhas, folhas amareladas, ótimas revisão e diagramação e tradução de Alexandre Boide.

A autora:
Taylor Jenkins Reid é autora de Os sete maridos de Evelyn Hugo, Daisy Jones & The Six, Amor(es) Verdadeiro(s), Depois do sim, Em outra vida, talvez?, e Forever, Interrupted. Os dois primeiros livros da lista tiveram seus direitos de adaptação para TV e cinema adquiridos.
Ela mora em Los Angeles com o marido, a filha e um cachorro.

Nenhum comentário

Os comentários são moderados, portanto, aguarde aprovação.
Comentários considerados spams, agressivos ou preconceituosos não serão publicados, assim como os que contenham pirataria.
Caso tenha um blog, retribuirei seu comentário assim que possível.

Parcerias