Pesquise no Leitora Viciada

12 de maio de 2013

Garota Exemplar, Gillian Flynn, Editora Intrínseca

Garota Exemplar (Gone Girl)
Gillian Flynn - Editora Intrínseca
Tradução: Alexandre Martins
448 páginas - Ano: 2013 - R$39,90

Sinopse:
"Em Garota exemplar, a narrativa não linear de Gillian Flynn se alterna entre duas perspectivas opostas e conflitantes, construindo uma atmosfera dúbia, capaz de fazer o leitor mudar de opinião a cada capítulo. Com um humor perspicaz, o thriller expõe as consequências psicológicas da deterioração de um relacionamento íntimo. Se para muitos o problema está em acordar e perceber que não se conhece muito bem a pessoa com quem se divide a cama, Flynn alerta: o inferno pode ser conhecê-la bem demais.
Na manhã do quinto aniversário de casamento, Amy desaparece da nova casa, às margens do Rio Mississipi. Tudo indica se tratar de um sequestro, e Nick imediatamente chama a polícia, mas logo as suspeitas recaem sobre ele. Exibindo uma estranha calma e contando uma história bem diferente da relatada por Amy em seu diário, ele parece cada dia mais culpado, embora continue a alegar inocência. À medida que as revelações sobre o caso se desenrolam, porém, fica claro que a verdade não é o forte do casal."

Links: Intrínseca | Skoob

Resenha:
Garota Exemplar é um livro perfeito em todos os requisitos (trabalho gráfico, editorial, premissa, desenvolvimento do enredo, narrativa, personagens, clímax, final, mensagens). Está na minha prateleira de preferidos e livros psicologicamente desafiadores, chocantes e provocantes.
A complexidade do livro atinge variados níveis e se desdobra em diversas ramificações. Não é uma leitura difícil, mas sua quantidade de mensagens e interpretações atingem várias camadas do raciocínio do leitor, se ele se deixar levar pelo livro.

A capa possui um fundo negro com as letras em cor forte e fluorescente (muito mais viva em mãos que pelas imagens na internet), mostrando unicamente pontas dos fios de cabelo de uma mulher loira. Gostei mais do título em português que no original, é mais fiel.
Temo que minha resenha não chegue perto de mostrar meus pensamentos em relação à história, então creio que este texto seja apenas uma tentativa, um mero rascunho. Não consigo analisar Garota Exemplar, sei apenas que é um dos melhores livros que li na vida.

É um thriller psicológico, sem dúvida. Existe ação, confronto físico e cenas pesadas. Porém o embate central é completamente psicológico e sentimental. A pressão mental, os pensamentos jogados na narrativa, a forma como tudo é exposto, contado e recontado traz perturbação e choque ao leitor. É uma leitura pesada disfarçada de simples.
Existem dois pontos de vista antagonistas no livro:
Amy, a Garota Exemplar, psicóloga e totalmente perfeita. Linda, filha única, de família rica e bem estruturada, Amy inspirou (e popularizou e enriqueceu) os pais por toda a sua vida. Eles são escritores famosos pela série infantil Amy Exemplar, claramente baseada na filha - ou na filha que eles acham ter.
Amy não é apenas uma mulher linda, ela é excessivamente inteligente e possui um raciocínio e sarcasmo fora do comum. Ela é a típica nova-iorquina, gosta de badalação, variedade, cultura e vida agitada;
Nick, o garoto sortudo, porque se casou com a Garota Exemplar. Até mesmo ele ganha uma projeção nos livros infantis sobre Amy, embora os sogros não sejam explícitos. O Capaz. Porque Amy é exemplar e seu marido, apenas Capaz.
Jornalista e, embora bonito e de bom nível cultural, um homem comum, comparando-se à esposa. Possui uma irmã gêmea incomum e uma família dividida, pois os pais se divorciaram. Tanto seu pai como sua mãe estão doentes.
Sua vida em nada se assemelha à perfeição da vida de Amy, nem dinheiro ele tem, enquanto Amy é rica. E diferentemente de Amy, Nick não é excepcional nem gênio, só um cara que gosta de escrever.
Amy parece estudar tudo e todos, abordar qualquer assunto e manter toda conversa filosófica e profunda. Nick é conhecedor de filmes e cultura pop, afinal, é sobre isso que ele escreve. Nick não é de Nova Iorque. Ele vem do interior do Missouri.

A narrativa é típica de um thriller psicológico; possui uma estrutura bem definida e caprichada, porém não linear. O livro é dividido em três partes, e basicamente as interpretei da seguinte forma: A primeira possui Nick como vilão em potencial e Amy como vítima cativante; na segunda parte, embora os leitores possam se dividir em relação à Amy ou Nick, é notável a ideia da autora de inverter bruscamente os papéis, deixando Nick como injustiçado e Amy como a vingativa; na terceira, última e breve parte, o conflito final - ao iniciarmos essa parte da leitura, não sabemos mais que papéis cada um exerce. Não é claro nem sutil. Nesse momento eu já havia roído minhas unhas (hábito que nem possuo) e enlouquecido com essa história.
É o embate final de esposa versus marido; vilão(ã) versus herói(ína).
O leitor precisa se decidir: Qual lado você apoia? Como eles passam de casal feliz e apaixonado para inimigos mortais?

Cada capítulo é narrado por um deles. Começamos com Nick e o ponto de partida é o desaparecimento assustador de sua querida Amy. A mulher Exemplar parece ter sido arrancada de dentro do lar do casal.
Quando chega a vez da narrativa de Amy, percebemos que é em forma de diário. E voltamos no tempo, porque se inicia contando como Amy e Nick se conheceram, se apaixonaram e se casaram.
A alternância entre diário dela explicando todo o relacionamento do casal e a narrativa atual dele culmina na decadência do casamento.
O sumiço misterioso de Amy ocorre justamente na manhã do quinto aniversário de casamento. Ninguém viu nada, ninguém sabe de nada, porém Amy deixa indiretamente pistas através de bilhetinhos em comemoração à data.
Nick é o principal suspeito e também sofredor. Afinal, ele é um marido injustiçado e perdido sem sua esposa ou um psicopata que a fez desaparecer? Amy está em cativeiro, fugiu ou está morta?
O leitor chega a um ponto da história em que os diferentes pontos de vista e versões diferentes dos mesmos acontecimentos trazem um chocante e verdadeiro fato: Nenhum dos dois narradores é confiável. Os acontecimentos não batem, as histórias não se encaixam; percebe-se mentiras e detalhes ocultados em ambas as narrações. Apesar das justificativas, os dois mentem, enganam e parece existir uma guerra por poder e superioridade. Não a comum "guerra de sexos", mas uma guerra de egos, uma disputa por quem está certo.

O ponto forte do livro, além da narrativa original e arrebatadora é o desenvolvimento do enredo. Na segunda parte Nick continua a narrar. Ele tenta se focar no presente e através dele sabemos as reações das personagens envolvidas na historia, como os pais de Amy, os moradores locais, conhecidos de Amy (inimigos, amigos, ex-namorados), detetives do caso e sua irmã gêmea. No entanto, o retorno ao passado e a tentativa de desvendar os últimos rastros de Amy são inevitáveis e trazem à trama momentos arrepiantes e muito movimentados.
Amy narra fatos, incluindo alguns mesmos narrados por Nick. Portanto o leitor se sente dividido. Percebe que deseja escolher um lado - mesmo que seja o lado errado ou antiético.

A autora provoca o leitor de tal forma que ele se sente enganado e incapaz de desvendar todo o mistério. Diversas soluções são imaginadas, porém quanto mais o desfecho se aproxima, mais a autora sacode a história, empolgando e enlouquecendo o leitor.
Entre a dúvida de quem mente e quem conta a verdade, as páginas são dissecadas e aos poucos começamos a compreender os dois lados. Com certeza todo leitor terá sua preferência (Amy ou Nick), mas também não escapará do clímax escandalosamente doloroso.
Julgamos, condenamos, descobrimos e perdoamos personagens - independentemente da verdade ou da inocência deles. São personagens profundas, de caráter duvidoso, de instinto cruel, de máscaras aparentemente perfeitas e de ego inflado.

Quantas pessoas vivem em relacionamentos em disputa constante e subconsciente? Não apenas relacionamentos amorosos, como o tema central do livro (casamento), mas qualquer relacionamento humano. Quantas pessoas vivem disputando com outras sem ninguém desncofiar? Sejam amigos, irmãos, pais e filhos, colegas de trabalho. Uma batalha subconsciente sobre quem é melhor, quem domina o outro, quem manda na relação.
Não uma competição descarada como colegas de trabalho desejando uma vaga superior ou de estudantes querendo ser o primeiro colocando na turma, mas uma disputa mais sutil, envergonhada ou despercebida como um irmão ansiando ter mais a atenção dos pais que o outro ou amigos inseparáveis que até se admiram, sem perceberem, no entanto, que se invejam.
A autora toca em um assunto tabu e surpreendente: Disputa de poderes em um relacionamento humano. Íntimo, difícil de ser percebido, assumido e controlado. Utilizando um casal que se ama, mas que usa o outro para se sentir superior, a autora traz uma história inteligente de extremos com um final chocante. Chega ao cúmulo de um relacionamento competitivo.

Linhas repletas de interpretações duvidosas, que nos fazem mudar de opinião constantemente. Itens presentes na história mais poderosos que um quebra-cabeça, simbolicamente misteriosos. Um exemplo assustadoramente real. Com certeza uma pessoa com o mínimo de nível intelectual perceberá que é um livro marcante para toda a vida.
Cada leitor interpretará os acontecimentos e atitudes de uma forma particular e sentirá seu íntimo pesando, mesmo as pessoas com o mais puro coração. Seus relacionamentos nunca mais serão os mesmos - pelo menos alguns. Personagens que possuem suas justificativas próprias e que disputam o veredicto positivo do leitor.
Um livro sobre escândalos secretos, relacionamentos doentios e neuróticos. Um livro que merece toda a crítica positiva que tem recebido; adulto, desafiador e perturbador. Que faz pensar, refletir e se desesperar pelo final.
Esta resenha não consegue expressar nem um terço do que senti e pensei ao ler Garota Exemplar, porém não posso comentar mais sem atrapalhar com spoilers.
Descubra você, quem é a Garota Exemplar e todas as garotas existentes em uma só. Você não vai se arrepender em ler esta complexa história.

Críticas:
"Contundente, ardiloso, arrebatador. Um livro inteligente, cheio de camadas e com personagens extremamente bem construídos." - The New York Times 
"O retrato de um casamento tão aterrorizante que vai fazer você passar um bom tempo pensando em quem realmente é a pessoa que está ao seu lado na cama." - Time
"Um thriller arrebatador, o retrato magistral do desenrolar de um casamento." - The New Yorker 
Comprar:
Americanas | FNAC | Submarino | Leitura | Martins Fontes | Saraiva | Siciliano | Livraria da Travessa

A autora:

Gillian Flynn é jornalista e, antes de se dedicar integralmente à carreira de escritora, trabalhou por dez anos como crítica de cinema e TV para a Entertainment Weekly. Nascida na cidade de Kansas, no Missouri, e formada em jornalismo e inglês pela Universidade do Kansas, Gillian escreveu durante dois anos para uma revista de negócios na Califórnia e concluiu um mestrado em jornalismo na Northwestern University, em Chicago.
Além de Garota exemplar, é autora dos premiados Sharp Objects e Dark Places. Seus livros foram publicados em vinte e oito países e tiveram os direitos de adaptação cinematográfica vendidos. Atualmente, Gillian mora em Chicago com o marido e o filho.

Sorteio:
De 04/06 até 25/06/2013 está rolando sorteio de um exemplar de Garota Exemplar cedido pela Editora Intrínseca. Participem!!





Instagram @leitoraviciada

Skoob

Online

Siga por e-mail