Aproveite: 3 meses por R$ 1,99 para novos assinantes

publicidade

A evolução do visual da Mulher-Maravilha

Estou lendo o lançamento da Editora Arqueiro Mulher-Maravilha: Sementes da Guerra, escrito por Leigh Bardugo. É o primeiro volume da coleção Lendas da DC. Portanto preparei esta postagem divertida com curiosidades da evolução do visual da Mulher-Maravilha.
Ela é mais que uma super-heroína: é um ícone da cultura pop e do movimento feminista. Diana Prince sempre busca a verdade, a igualdade e a justiça para todos, sem distinção, e é por isso que é tão amada.


Sua primeira aventura foi em 08 de dezembro de 1941 na publicação All Star Comics #08. No ano seguinte a amazona de Themyscira ganhou sua própria história em quadrinhos e foi transferida para a DC Comics, onde faz parte da Trindade da DC (com Superman e Batman) e integra a Liga da Justiça.
O visual sofreu tantas mudanças quanto a personagem. São setenta e cinco anos de histórias, além de séries de televisão e de animação, games, livros e filmes.
Saiba mais sobre a evolução da roupa icônica que será novamente usada pela Gal Gadot no filme da Liga da Justiça, que estreia em 16 de novembro de 2017.
Kate Willaert.
O traje da Mulher-Maravilha foi desenhado por H. G. Peter com a contribuição do escritor William Moulton Marston e do editor M. C. Gaines em 1941. Os super-heróis patrióticos eram uma grande tendência na época, por isso tem estrelas e cores da bandeira dos Estados Unidos e a águia americana. Seu shorts foi considerado escandaloso no princípio. Suas botas também encurtaram até se parecer com sandálias.
Algumas mudanças aconteceram entre 1950 e 1970, assim como com a sociedade estadunidense. Suas botas altas retornaram, Diana até perdeu seus poderes e foi civil por um tempo. No entanto, nos anos 1970 o feminismo foi renovado e surgiu a base do visual que seria mantido nos próximos anos, incluindo nos produtos infantis como a animação Superamigos (1973 a 1985) produzida pela Hanna-Barbera: shorts curtos, cabelos nos ombros, cinto dourado.
A Mulher-Maravilha se tornou uma estrela de TV nos anos 1970. Os trajes de Lynda Carter na telessérie da ABC e CBS, de 1975 a 1979, são tão importantes que praticamente se tornaram sinônimos de uniforme clássico da super-heroína, deixando os anteriores de lado. Antes da série, foram produzidos dois pilotos posteriormente descartados: em 1967 com Linda Harrison e em 1974 com Cathy Lee Crosby.

Cathy Le Crosby, Linda Carter e Superamigos.
Nas décadas de 1980 e 1990, a Mulher-Maravilha esteve sob responsabilidade de ícones dos quadrinhos como George Pérez e Mike Deodato Jr. Seu logotipo da águia genérica foi modificado para o WW (de Wonder Woman), suas botas tornaram-se mais práticas ao perderem os saltos e seu penteado ganhou volume acompanhando a moda da época. No entanto, nos anos 1990 seu shorts diminuiu tanto até ficar cavado como um biquíni, para aumentar as vendas.
Em meados de 1990 a DC Comics modificou seus heróis radicalmente. Diana perdeu sua realeza e ganhou novos olhares, até ir para as mãos de artistas aclamados como John Byrne e Adam Hughes, que tentaram resgatar o visual clássico.
Já na metade dos anos 2000, a maioria dos re-designs foi descartada. A década foi confusa e vários super-heróis da DC tendiam ao retorno de uniformes clássicos ou visuais que causavam controvérsia como a Mulher-Maravilha de calça comprida e jaqueta, em 2010. Em 2009 a proposta de um filme da Liga da Justiça chegou a surgir, com Megan Gale como Mulher-Maravilha, mas o projeto foi cancelado. Ela usaria saia.
Quadrinhos de 1987, 1995 e 2015.
Na década seguinte, com os Novos 52, as coisas se tornaram mais estáveis e foi alcançado um equilíbrio, misturando clássico ao moderno, tradicional ao ousado.
Com a meta de ampliar a diversidade no mercado de super-heróis, tentativas de reinventar o visual da Mulher-Maravilha surgiram, incluindo a preocupação de não hiperssexualizá-la. Em 2011 mais uma tentativa de nova série de TV foi feita, com Adrianne Palicki. O piloto nunca foi ao ar e houve discussões sobre o visual, sobre mostrar ou não as pernas. Muitos fãs antigos da DC não aprovam calças, pois acham que descaracteriza a aparência da personagem. Não gosto do shorts cavado, não me parece plausível que Diana usaria, nem é confortável. Não me importo se ela usa saia, shorts ou calça, desde que não haja apelo sexual (nem seja cavado).
O visual mais atual surgiu nas HQs em 2016, durante o Renascimento DC. É muito semelhante ao look da Gal Gadot no cinema. Este obteve enorme aceitação, porque conseguiu manter as características originais como cores, botas, braceletes, tiara, pernas à mostra sem vulgarizá-la. E o mais legal: Diana se parece mais do que nunca com uma guerreira amazona!

Novos 52, DC Superhero Girls e Gal Gadot.
No vídeo abaixo você confere as versões de carne e osso da Mulher-Maravilha que foram filmadas: Linda Harrison, Cathy Lee Crosby, Linda Carter, Adrianne Palicki e Gal Gadot. (Megan Gale foi fotografada, não chegou a filmar.)


É possível ver os trajes e acessórios das atrizes, especialmente Linda Carter, que vestiu traje de mergulho, máscara, capa, usou skate, moto...


Fontes: HalloweenCostumes.com, ComicBook.com, Wikipedia.org, CBR.com, DCComics.com, Newsarama.com, DenofGeek.com, A História Secreta da Mulher-Maravilha (Jill Lepore e BestSeller).

Nenhum comentário

Os comentários são moderados, portanto, aguarde aprovação.
Comentários considerados spams, agressivos ou preconceituosos não serão publicados, assim como os que contenham pirataria.
Caso tenha um blog, retribuirei seu comentário assim que possível.

Pesquise no blog

Parcerias