Aproveite: 3 meses por R$ 1,99 para novos assinantes

publicidade

[Resenha] A Pequena Guerreira, de Giuseppe Catozzella e Editora Record (Grupo Editorial Record)

A Pequena Guerreira (Non Dirmi Che Hai Paura)
Giuseppe Catozzella - Editora Record / Grupo Editorial Record
Tradução: Aline Leal
224 páginas - 2016 - R$29,90
Comprar: Amazon | Americanas | Livraria Cultura | Livraria Saraiva | Submarino

Sinopse:
"A Pequena Guerreira é um romance baseado na vida de Samia Omar, a menina determinada a ser uma atleta de sucesso que cresceu numa Somália devastada pela guerra.
Samia dormia com a foto do campeão olímpico Mo Farah ao seu lado, treinava arduamente apesar da violência e do preconceito que a rodeavam, e conseguiu, contra todas as expectativas, integrar a seleção somali de atletismo, além de participar das Olimpíadas de 2008 em Pequim.
Um dia, com a família sob risco de ser irremediavelmente afetada pela guerra, sua irmã se vê forçada a fazer a perigosa viagem de barco para a Europa, como refugiada. Pouco tempo depois, Samia, temendo por sua segurança e por seus sonhos, resolve seguir os passos da irmã, e com isso coloca a própria vida nas mãos de traficantes de pessoas, demonstrando até onde alguém é capaz de ir por um sonho. A Pequena Guerreira é uma história inspiradora e tocante de guerra, família e esperança."

Resenha:
A Pequena Guerreira é um romance muito emocionante baseado na história real da atleta somali Samia Yusuf Omar. Leitura perfeita para quem gosta de histórias de vida interessantes, fortes e comoventes, mas nem sempre se sente a vontade com os textos encontrados em biografias tradicionais. No entanto, mantém a seriedade necessária quando se trata de uma história real e, pelo que parece, o autor se preocupou muito em ser fiel aos fatos verídicos.
O italiano Giuseppe Catozzella é o escritor responsável por este belo best-seller, originalmente publicado em 2014 como Non Dirmi Che Hai Paura (em inglês, Don't Tell Me You're Afraid - Nunca diga que tem medo - ou Little Warrior).
A obra venceu o Prêmio Strega Giovani 2014 na Itália, foi publicada em mais de dez idiomas e está sendo adaptada para o cinema e para um documentário de televisão. O autor, além de jornalista, é Embaixador da Boa Vontade do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados. Ele contou com o apoio e ajuda da irmã de Samia, Hodan, para escrever a história.
A Editora Record, do Grupo Editorial Record, é a responsável por trazer a obra ao Brasil em exemplar com orelhas, papel amarelado, capa delicada e tradução de Aline Leal.


É uma história delicada com um tema forte e atual: o boom de refugiados em rota para a Europa, arriscando suas vidas em viagens de barcos perigosas e nas mãos de quadrilhas desumanas. O que leva tantas pessoas de nacionalidades diversas a fugirem de seus países, deixando tudo para trás? O livro mostra um pouco da política e da situação socioeconômica enfrentada por uma menina da Somália em plena guerra civil. É contado de forma leve, focando no cotidiano da protagonista e sua família, ainda assim é um bom material cultural, principalmente por tratar com cuidado da parte sentimental.
Todo refugiado com certeza tem uma história no mínimo interessante para contar. A Pequena Guerreira participou das Olimpíadas 2008 em Pequim e seu sonho sempre foi correr e vencer todas as competições, até chegar aos Jogos Olímpicos e alcançar o primeiro lugar. Movida por esse sonho, Samia Omar planejou fugir do horror da guerra e treinar na Europa. O livro começa com Samia em seus primeiros treinos caseiros, quando tinha apenas 8 anos de idade.
Ela nasceu no interior da Somália em 1991 e treinou de forma amadora, com o apoio moral dos pais e a ajuda do melhor amigo Alí, que morava na mesma casa. Seus pais eram amigos e, mesmo de etnias diferentes, conviviam como se fossem da mesma família. Samia e Alí tinham a guerra como irmã mais velha, que chegou à Somália um pouco antes deles nascerem.
Samia corria porque gostava e se sentia livre. Logo criança começou a se destacar e a vencer competições locais. Mesmo sem nenhuma estrutura, Samia se dedicava sem jamais desistir, correndo pelas ruas da capital Mogadíscio. Além das precariedades que qualquer somali enfrentava, Samia lutou contra o machismo, pois provocou a ira de militantes extremistas que acreditavam que mulheres não deveriam praticar esportes. Samia enfrentou a guerra, a fome, a violência, o medo. Nunca deixou o sonho de lado, dedicando-se com afinco. Outra figura importante é sua irmã mais velha, Hodan, que adorava cantar e também sonhava com uma vida sem censura, guerras e terrorismo. Mas ela foi proibida de cantar. Não se podia correr, cantar... mas Samia e Hodan sonhavam.


O livro é classificado como literatura italiana ficcional baseada em história real. Há equilíbrio na forma como Giuseppe planejou contar a história de Samia. Giuseppe narra em primeira pessoa como se fosse a própria. O que poderia soar falso ou ser arriscado, é na verdade convincente, lindo, inspirador e triste. O tom dado a Samia é simples e encantador e a evolução da protagonista é notável. As batalhas interiores de Samia são expostas. Ela quer se manter fiel à sua terra natal, mas isso a segura na tentativa de lutar por seu maior sonho. Ela gostaria de vencer uma Olimpíada como mulher, como somali e como muçulmana, mas ela está sendo impedida. Ela não perde a esperança, sem saber se fica ou se vai. Se vai em busca de sua Viagem - quase todo somali em algum momento da vida ou tenta procurar por melhores condições e oportunidades em outro lugar ou sonha em partir.
Ao iniciar a leitura, pensei que seriam momentos leves apenas. Começa singela, mas aos poucos a obra cresce, se desenvolve e eu fui completamente agarrada por ela. Sério, eu comecei a leitura curiosa e logo pensei se não seria uma leitura meio técnica ou superficial comum de muitas biografias, ou se não se aprofundaria o suficiente para me emocionar, já que o livro não foi escrito pela protagonista. Engano total. A leitura se torna intensa de modo arrebatador. Como o autor conseguiu dar voz a Samia de forma tão bonita e realista? É espetacular.
Mesmo já sabendo a base da história eu chorei com o final. Chorei de verdade, tentei segurar as lágrimas, mas não foi possível. Eu já sabia o que aconteceria e acho que quem acompanha os fatos recentes do atletismo ou acompanhou os Jogos Olímpicos de 2008 também sabe. A internet traz muitas matérias sobre Samia e o final está resumido na orelha do exemplar. Mesmo assim, fiquei bastante emocionada com a leitura.

Os caminhos que Samia, Hodan e Alí seguem me emocionaram muito, cada um à sua maneira. Livros me fazem viajar e conhecer pessoas, locais e épocas variadas. Muitos provocam em mim pensamentos e emoções intensos, como se eu estivesse vivenciando o conteúdo. Esse é um livro especial, ainda mais por ser baseado em uma história verdadeira e por representar milhares de outras.
A Pequena Guerreira é para quem gosta de histórias bonitas que misturam alegria e tristeza e têm protagonistas guiadas por sonhos poderosos; para quem ainda está com o espírito Olímpico no coração; para quem se preocupa com a situação dos refugiados.
Muitas histórias precisam ser contadas e a de Samia Yusuf Omar é essencial. É arrebatadora e poderosa, uma história para jamais ser esquecida.
Recomendado pela Editora Record para leitores que gostaram de O Caçador de Pipas (Khaled Hosseini), Persépolis (Marjane Satrapi) e Pequena Abelha (Chris Cleave). Acrescento à lista O Pomar das Almas Perdidas (Nadifa Mohamed).


Pesquisando sobre Samia encontrei uma história em quadrinhos sobre ela, de Reinhard Kleist: An Olympic Dream: The Story of Samia Yusuf Omar. É uma graphic novel de abril de 2016 e a publicação no Brasil seria bacana.
Abaixo deixo dois registros em vídeo de Samia: o primeiro na abertura das Olimpíadas 2008 e o segundo, sua participação nos 200 metros.



O autor:
O jornalista italiano Giuseppe Catozzella escreve para La Repubblica, L’Espresso, Vanity Fair e para a edição italiana do Financial Times. É Embaixador da Boa Vontade do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados.
Site | Facebook | Twitter | Instagram

Nenhum comentário

Os comentários são moderados, portanto, aguarde aprovação.
Comentários considerados spams, agressivos ou preconceituosos não serão publicados, assim como os que contenham pirataria.
Caso tenha um blog, retribuirei seu comentário assim que possível.

Pesquise no blog

Parcerias