Pesquise no Leitora Viciada

17 de outubro de 2012

O Rebelde, volume 1 da saga Corações Valentes de Jack Whyte, Fantasy - Casa da Palavra


O Rebelde (The Forest Laird ou Rebel)
Série Corações Valente (The Bravehearts Chronicles ou The Guardians Trilogy) - livro 1
Jack Whyte - Fantasy - Casa da Palavra
Tradução: Alexandre Martins
Ilustração de capa: Rafael Sarmento
400 páginas - Ano: 2012 - R$39,90

Sinopse:
"1305. Londres. Um homem à espera da execução.
Seu nome é Willian Wallace.
E sua história merece ser ouvida da maneira como realmente aconteceu.
Algumas horas antes do amanhecer do dia 24 de agosto de 1305, na prisão Smithfield em Londres, o fora da lei William Wallace, se prepara para uma execução ao raiar do dia. É diante desse cenário que recebe a visita de um padre escocês para ouvir suas últimas confissões.
A história de Wallace nos leva a conhecer as suas várias faces – como um fora da lei e um fugitivo, um herói e patriota, um rebelde e uma lenda.
Ele foi a primeira figura heroica das guerras da Independência da Escócia e traz vida para a trilogia de Jack Whyte, seguido por dois compatriotas: Robert Bruce – o rei dos escoceses e o verdadeiro Coração Valente, e Sir James Douglas, que carregou o coração de Bruce em um recipiente de chumbo em direção à Terra Santa.
O comportamento desses três guerreiros, suas atitudes lendárias e narrativas de fuga, empenho, honra e selvageria medieval formam a alma e o conteúdo de uma novela épica sobre homens dispostos a tudo para colocar novamente de pé um país ajoelhado."

Links: Skoob | Website da Fantasy - Casa da Palavra | Facebook da Fantasy | Twitter da Fantasy

Atualização de 17/11/2012: Novidade exclusiva sobre a série!

Resenha:
Até agora este é, sem dúvidas, o melhor livro lido por mim em 2012. E o que me surpreende é que conforme a narrativa avança melhor e mais envolvente a história se torna e este é apenas o primeiro volume de uma trilogia. Aviso que a resenha não está nem próxima de expressar o quanto eu adorei o livro. Não consegui realizar esse trabalho. O livro é magnífico.
Nesse primeiro volume, o autor nos mostra sua versão para a vida de William Wallace. No segundo volume, será a vez de Robert Bruce e no terceiro a de James Douglas - todos heróis escoceses. Uma brilhante trilogia, se os seguintes volumes forem tão bons quanto o primeiro. Porém acho que este primeiro, para mim, será sempre especial, por ser Wiliam Wallace.

Sou fã de épicos e romances históricos, gosto de autores como Steven Pressfield (Portões de Fogo, A Última Guerreira), Bernard Cornwell (As Crônicas de Artur, Stonehenge) e Colleen McCullough (A Canção de Tróia, série Senhores de roma) e pretendo ler em breve a série O Imperador de Conn Iggulden. Simplesmente adoro esse tipo de livro.
Não conhecia Jack Whyte e estou completamente cativada, empolgada e apaixonada por O Rebelde. Aquele livro que você o termina, o fecha e se sente órfã. Sente saudade da leitura, quer ler ansiosamente sua continuação.
Um livro que não faz você apenas vibrar, torcer, refletir... faz você tremer. Percebi que tremia no final do livro, ao virar as últimas páginas. Tremia com uma mistura de sentimentos, o coração parecia querer saltar pela boca. Foi assim que terminei O Rebelde e não sei o que fazer até esperar pelo segundo volume e não consigo para de pensar: "Nossa, esse é apenas o primeiro livro de uma trilogia!" Que história, que autor!

Gosto muito de filmes épicos, que possuem boa estrutura histórica, batalhas, intrigas, e até coleciono filmes. Em 1995 foi lançado Coração Valente, ou Braveheart e lembro que eu tinha onze ou doze anos de idade quando assisti ao filme, na época em que minha mãe alugava filmes em VHS e era preciso reservar determinado filme e foi o que ela fez com Coração Valente. Assisti com ela, que era fã do Mel Gibson e descobri um mundo maravilhoso e nunca mais consegui sair dele. Tornou-se o meu tipo de história preferida. Depois me apaixonei por Gladiador com Russel Crowe, por exemplo, e daí em diante. Não importa o livro ou filme histórico, eu corro e leio/assisto logo que posso.

Quando a Fantasy - Casa da Palavra anunciou uma trilogia baseada na história da Escócia e do gênero histórico e que o primeiro volume seria sobre o herói escocês William Wallace, eu vibrei e ao pesquisar sobre o autor Jack Whyte criei enormes expectativas. Pensei em quantas vezes já havia assistido ao filme de Mel Gibson e quantas vezes já pesquisara sobre William Wallace.
Ele, Rei Artur, Boudica, Robin Hood, Ulisses, Aquiles, Thor, Espártaco e até mesmo Jesus Cristo e muitos outros heróis, sejam lendários, mitológicos, verdadeiros, santos ou um pouco de cada, sempre me causam curiosidade e enorme admiração e respeito em diferentes níveis.
No caso de Will (olha a intimidade) ele é a representação pura e total do nacionalismo, liberdade, justiça e proteção de um povo massacrado, sofrido e que luta para não ser censurado e dizimado, nem que para isso sejam necessárias táticas cruéis, antiéticas e violentas.
Quantos povos já não passaram por isso, tendo cada um seus heróis? Quantos heróis que lutaram e defenderam seu povo, cultura e princípios com toda a força e emoção morreram e seus nomes foram esquecidos ou desonrados?
Wallace é um símbolo de força, rebeldia e bravura. Ele simboliza não apenas os escoceses, mas todos os povos que lutaram ou ainda lutam por sua liberdade.
Por vezes o tratam como selvagem inculto; em outras vezes como fora da lei e ladrão; ou como assassino impiedoso que não seguiu ética nem as regras medievais dos cavaleiros. Em O Rebelde, o autor nos apresenta uma versão nua, crua e realista. Totalmente crível, embora seja um livro de ficção.

A capa do livro é maravilhosa, mostrando o Wallace arqueiro, guerreiro, rebelde. Perfeita! O título possui um efeito de bronze que se estende por dentro, na parte detrás da capa e da contracapa. As orelhas são grandes e com muitas informações. O trabalho gráfico está maravilhoso e convidativo aos amantes do gênero.
Aviso que o livro é denso, com a fonte um pouco menor que o comum, então suas 400 páginas parecem muito mais que simples 400 páginas. Uma leitura que não é feita da noite para o dia e nem deve ser! Cada página e cada um de seus dezenove capítulos e extras devem ser degustados e refletidos. Foi um livro que não me fez correr com a leitura, mesmo quando tentei. É tão maravilhoso que você se agarra a cada parágrafo.
Existem pausas entre um acontecimento e outro dentro de cada capítulo, pois são longos.

O vocabulário do autor é vasto e muito expressivo, inteligente e imponente. Dificilmente encontramos uma escrita tão excelente assim, o que acho essencial para tornar um livro histórico bom. Nesse caso, fantástico. Acredito que parte disso também se deva a tradução, que imagino ser excelente.
Não é um livro para qualquer um. Um leitor iniciante pode até começar a leitura, mas se ele ao menos não gostar de História, filmes ou seriados épicos, terá certa dificuldade. Recomendo este livro para os adoradores desse gênero, mas uma pessoa que tem o costume de ler apenas livros românticos ou chick-lits poderá ter dificuldade no começo do livro. Não estou sendo preconceituosa, apenas sincera em dizer que não é uma leitura fácil. Nada que no decorrer das páginas não possa ser superado, claro. Agora quem já é fã desse estilo e está acostumado amará, adorará a leitura do início ao fim!

A narrativa é um dos maiores acertos do autor. O fator principal se deve à escolha do narrador. Não é o próprio William Wallace quem conta a história. Nem um narrador de fora ou onipresente. É James, o primo mais que amigo, na verdade, quase um irmão para Wallace.
E por que digo que isso é um ponto positivo? Se o livro fosse narrado pelo próprio herói, perderia esse ar misterioso, lendário e secreto. O íntimo dele é parcialmente mostrado, a outra parte permanece uma incógnita esplêndida que deve ficar a cargo do leitor interpretá-lo. Ao mesmo tempo, por James ser importantíssimo na vida de William Wallace e quase sempre presente e ativo nos acontecimentos, vemos o lado mais pessoal do arqueiro escocês.
Ou seja, William Wallace nos é apresentado de forma íntima, direta, porém não completamente. A magia de desbravar quem realmente ele é, como se sente ou pensa sobre algo em seu interior, fica a critério da interpretação do leitor. James nos mostra seu primo e depois o líder guerreiro e acompanhamos a transformação do menino em herói através do seu mais próximo amigo. Por isso a narrativa é especial.
O autor fez uma excelente escolha. Em alguns acontecimentos, James não estava lá pessoalmente, e ficamos sabendo quando William ou outra pessoa o conta e o choque do leitor acompanha o de James.
Mas não se preocupem: Não perdemos detalhe algum, nada importante, porém essa estratégia de como contar a história mantém William Wallace como mistério em certos pontos, e em outros como uma alma revelada aos poucos.
Outra peça chave de James ser o narrador é o fato dele estar em locais onde William não está e assim a história é sempre montada e remontada.

Acompanhamos a História da Escócia medieval e da região do que chamamos hoje de Grã-Bretanha, e a de William e James Wallace. Intrigas políticas, muitas informações históricas estão presentes, então o leitor precisa estar atento a tantos nomes e sobrenomes, parentescos, propriedades, títulos, hierarquias e reviravoltas envolvendo isso tudo junto ao povo.
Paralelamente, acompanhamos a história de William e James Wallace, primos e crianças, logo no começo do livro, numa sequência frenética que já pula para a entrada de personagens essenciais. Desde o começo da leitura muitos fatos vão modificando a vida dos meninos e o tempo vai passando, mais aventura e ação vão tornando o enredo cada vez mais interessante. Não dá para largar o livro.

O que mais gostei sobre a infância e adolescência de William Wallace nessa versão foi que ele não é um selvagem ignorante que segue apenas o coração como muitas pessoas pensam. Ele é culto, fala, lê e escreve em diversos idiomas, apesar de não ser nenhum gênio e possui um nível alto de cultura  e educação para a época. E seus traumas de infância (e de toda a vida) são muito dramáticos e profundos. O autor consegue manter uma elegância e naturalidade ao mostrar determinadas situações chocantes sem apelação alguma, a não ser para palavras bem utilizadas e estrutura do texto bem tecida.
E os meninos tornam-se rapazes e rapidamente são obrigados a serem homens. E nesse momento, aproximadamente na metade do livro, a leitura que estava boa, torna-se estonteante.
Will torna-se cada vez mais experiente, fisicamente, culturalmente e em estratégia e comando.

São tantas reviravoltas, tanta informação, tantas lutas, ciladas, personagens e acontecimentos que a cada parte o leitor se envolve cada vez mais e se compadece do povo escocês. A cada página, você admira cada vez mais William Wallace e seus seguidores, mesmo quando ele age violentamente ou de forma considerada militarmente inapropriada para a época.
São diversas as facetas mostradas do herói. Observamos sua mudança e evolução, seja ela física, intelectual ou psicológica. Mas seus princípios e ideias são sempre firmes e fortes. Acompanhamos como um menino assustado, traumatizado e fechado torna-se um líder natural, mesmo sem querer. Como ele torna-se um arqueiro, guerreiro, lutador, vingador, rebelde e procurado pela Inglaterra. é muito empolgante, cativante!
Ele é humano, simples, apaixonante e ao mesmo tempo feroz, implacável, perigoso e o mais interessante: respeitoso a Deus, mesmo quando ele percebe todo o envolvimento da Igreja Católica na política, seja para o bem ou mal - outro ponto bom do livro. Ele crê em Deus e em Jesus, e em alguns momentos se pergunta se está fazendo mesmo o correto pelo povo, se não é um pecador.
Seu ódio imortal pelos ingleses possui uma ampla base fundada pelo autor, tornando seu exagero totalmente plausível.

O clímax do livro é de tirar o fôlego e faz a história terminar de forma inesquecível. Me deixou por horas imaginando como será o segundo volume. Estou ansiosa e empolgada para saber como será tudo escrito pela mente e mãos do Jack Whyte.

A história é realista, convincente, envolvente e um pouco violenta. Em algumas partes, como anteriormente já alertei, chocantes. Mas em momento algum você deixa de admirar e querer conhecer cada vez mais essa figura lendária, esse mito considerado por alguns um bandido e por outros um herói.
Após um pouco de pesquisa sobre a História da Escócia e William Wallace (longe de mim ser especialista) ouso dizer que o livro me parece muito mais fiel à verdadeira história, apesar das inúmeras lacunas existentes na vida de Wallace. O filme do Mel Gibson marcou uma geração e fez retornar ao pódio de Hollywood os filmes épicos e é excelente até mesmo hoje, quase vinte anos depois. Um dos meus filmes preferidos e que sempre recomendo a quem ainda não o assistiu.
Comparando a versão cinematográfica de Mel Gibson à versão literária de Jack Whyte, me perdoem os fãs do filme, escolho O Rebelde. São diferentes versões de uma mesma lenda, diferentes mídias e em diferentes épocas. Ambas fantásticas e inesquecíveis. Existem semelhanças e diferenças gritantes, e embora o filme de Mel Gibson seja um dos melhores que já vi, apenas achei a versão literária O Rebelde mais realista, sanguinária e estruturada - menos romântica e idealista que a do filme. Meu simples ponto de vista, e que em nada me fez gostar menos do filme Coração Valente.

Além de escocês, e apesar de ser morador do Canadá há um tempo, o autor retornou à Escócia e fez uma incansável pesquisa sobre William Wallace, se preocupando com quem ele foi na realidade, dentro do possível. Ele encontrou-se com os maiores especialistas e leu manuscritos raros para compor a sua versão de romancista histórico. Sua maior dificuldade foi imaginar uma Escócia virgem e repleta de florestas e todo o cenário medieval que não mais existe, porém acredito que sua obra pode até não estar perfeita, e seria muito difícil alguém atingir esse nível, mas eu bato palmas para o livro. E de pé.

Só faltou no livro um mapa com a Grã-Bretanha daquela época, final de 1200 e início de 1300 para acompanharmos com mais atenção, mas também não é uma falta essencial.

Recomendo esse livro para os amantes de épicos, História, batalhas, Geopolítica, estratégia militar, gênero histórico rico em informações e intrigas políticas. Para quem deseja um livro de primeira qualidade, que possua uma leitura densa, pesada, marcante, violenta, dramática, verdadeira, ousada, chocante e emocionante. O livro vale o investimento, pois você não será mais o mesmo após terminá-lo. Um livro especial feito sob medida para quem possui a mente curiosa, a alma inquieta e o coração valente!
Um livro que está na minha prateleira de favoritos.

Preciso ler os próximos dois volumes da Trilogia Corações Valentes. Mas, de qualquer forma, O Rebelde já está na minha lista de livros preferidos.

Ps.: O filme Coração Valente de Mel Gibson (Braveheart, 1995) citado nesta resenha não é uma adaptação do livro O Rebelde de Jack Whyte (The Forest Laird, 2010) e vice-versa. Apenas citei o filme, porque ele é a versão mais famosa de uma história sobre William Wallace.

Trechos:
"Para mim é doloroso ouvir as pessoas dizerem que William Wallace morreu um rebelde, um patriota com um grito de liberdade nos lábios, porque isso é mentira."
"– Você precisa aprender uma verdade, William Wallace, então aprenda agora. Em luta corpo a corpo não pode haver posição ou títulos envolvidos. Se você um dia terçar lâminas com qualquer homem seriamente, não importa quem, só pode haver um resultado. Ou você o mata, ou ele o matará."
"Mas um homem, um rebelde desafiador, continuou a chamá-lo de rei e defender sua causa, para grande dor de Eduardo, da Inglaterra e da maioria dos magnatas ingleses.
Esse homem foi William Wallace."
"Naquele primeiro dia eu descobri que o número de seguidores de meu primo era muito maior, e sua autoridade tinha muito mais alcance do que imaginara."
"– Meu nome é William Wallace, da Escócia, e não me importo com quem sabe disso, então malditos sejam todos. Digam a eles para, ao partir, espalhar a notícia do que aconteceu aqui, a vergonha e a desgraça. Digam a eles que a Escócia tem uma voz entre as árvores da floresta de Selkirk"
"– Estaremos declarando guerra à Inglaterra. Que fique bem claro. Não será guerra aberta, e não será uma guerra de cavalheiros, mas será guerra: sangrenta, brutal, implacável, por todo o tempo que Pernas Longas desejar."
"– Pense nisso antes de adormecer esta noite, se conseguir dormir: William Wallace, vox populi, a voz de um povo."
"– Mostre-me um líder que mereça ser seguido e uma guerra pela qual valha morrer e eu lutarei. Isso eu juro."



O autor:
Jack Whyte nasceu (em 1940) e cresceu na Escócia, e vive hoje em British Columbia, no Canadá.
Assim como seus personagens, Whyte possuí várias facetas e ao longo da vida já foi ator, orador, cantor e poeta.
Recebeu um prêmio honorário de doutorado por sua contribuição para a ficção popular canadense.
Whyte é autor de séries best-sellers internacionais como a Dream of Eagles e a trilogia Templar.
Website | Facebook

Comprar online: Submarino | Saraiva | Fnac | Leitura | Travessa | Extra | Ponto Frio | Livraria da Folha



Bônus:
Quem nunca assistiu ao filme Coração Valente (Braveheart, 1995) e gosta de épicos históricos, nem imagina a boa história que está perdendo. O filme possui quase três horas de duração e ganhou em 1996 cinco Oscars (melhor filme, diretor, fotografia, maquiagem e edição de som) além de ter sido indicado a outras cinco categorias.
O filme possui inúmeras qualidades, além da trilha sonora, como por exemplo as cenas de batalha grandiosas e organizadas, com milhares de figurantes; membros da família Wallace na vida real participaram das filmagens como figurantes, e Mel Gibson aprendeu mais sobre sua história.
Existem alguns erros no filme, como por exemplo a trilha sonora ter sido feita com gaitas irlandesas e não escocesas; o fato de ser errado Wallace ter conhecido a Princesa Isabelle, já que ela entrou para a família real apenas em 1308, sendo que Wallace foi morto em 1305; e outros.
Quem é fã do filme precisa ler O Rebelde!
Fonte: Wikipedia.

Trailer do filme (não encontrei legendado no Youtube):

Instagram @leitoraviciada

Skoob

Online

Siga por e-mail