Pesquise no Leitora Viciada

5 de novembro de 2012

O Um Anel de O Senhor dos Anéis

Informações, história e características do Um Anel de Sauron, também conhecido como Anel do Poder ou simplesmente como "Precioso" nas obras de J. R. R. Tolkien, principalmente em O Senhor dos Anéis e O Hobbit.

Contém spoilers (muitos)!
Este texto é de minha autoria, escrito após pesquisar sobre o Um Anel em sites em inglês e relembrar fatos lidos. Não sou especialista - então estejam todos convidados a corrigirem e debateram o assunto.
O motivo (além de informação) é o sorteio especial que vai até 01/12/2012. O prêmio é uma belíssima réplica do Um Anel + um livro Tolkien.



A criação:
O Um Anel foi forjado por Sauron, o "Senhor das Trevas" durante a Segunda Era, a fim de ganhar domínio sobre os povos livres da Terra-Média. Disfarçado como Annatar, ele ajudou os ferreiros élficos de Eregion e seu líder Celebrimbor (filho de Curufin, neto de Fëanor, vassalo da Rainha Galadriel e do Rei Celeborn) na fabricação dos Anéis de Poder.
Celebrimbor colocou nos três Aneis dos elfos toda a sua genialidade e a sua vontade de curar os erros do mundo. Os Três Anéis élficos criados por ele eram os seguintes:
Narya: Pertenceu a Círdan dos Portos, mas, sabendo de onde Gandalf ou Mithrandir vinha e para onde retornaria, entregou o Anel a ele. O Anel que Gandalf guardava era Narya, o Grande, o Anel de Fogo, capaz de acender o coração dos povos da Terra-média. O Anel ostentava um rubi;
Nenya: Pertencia a Galadriel, e feito de Mithril com um brilhante diamante, o Anel da Água tinha o poder de manter belos os jardins de Lothlórien, o reino da Senhora Galadriel, e de retardar o envelhecimento do mundo.
Vilya: Pertencia a Gil-Galad, mas antes de morrer entregou-o a Elrond. O Anel do Ar era o mais poderoso dos Três e ostentava uma Safira. Era usado também para proteger Valfenda, e foi com sua ajuda que Elrond fez a inundação do rio e salvou Frodo dos Nazgûl.

Sauron forjou ele próprio o Um Anel no fogo da Montanha da Perdição.
Ele pretendia que fosse o mais poderoso de todos os Anéis, capaz de governar e controlar aqueles que usavam os outros. Uma vez que os outros Anéis tornaram-se poderosos, Sauron foi obrigado a colocar muito mais de seu próprio poder maligno no Um Anel para alcançar seu objetivo.

Criar o Um Anel fez Sauron se enfraquecer e se fortalecer ao mesmo tempo. Com o Um Anel colocado no dedo, Sauron podia controlar o poder de todos os outros Anéis, e assim ele tornou-se significativamente mais poderoso que todos. No entanto, ao colocar uma grande porção de seu próprio poder no Um Anel a existência de Sauron é uma extensão da própria existência do Um Anel.
Ou seja: enquanto o Anel existisse, Sauron também sobreviveria. Por outro lado, ligando o seu poder ao Anel, Sauron tornou-se dependente dele - sem o artefato o poder de Sauron diminuí gradativamente.

A aparência:
O Anel parecia simplesmente ser feito de ouro, mas era impermeável aos danos causado por fogo. Ele poderia ser destruído apenas no fogo da Montanha da Perdição onde fora originalmente forjado.
Ao contrário de outros Anéis, o Um Anel não era suscetível ao fogo de dragão. Também diferente dos demais Anéis de Poder, sua superfície era lisa, sem qualquer joia como adorno.
Sua identidade poderia ser determinada por um teste simples: quando colocado em um fogo, ele mostrava uma inscrição na Língua Negra de Mordor, escrita em caracteres de Tengwar com duas das linhas (abaixo, em negrito) de uma rima da tradição descrevendo dos Anéis:

"Três Anéis para os Reis-Elfos sob este céu,
Sete para os Senhores-Anões em seus rochosos corredores,
Nove para Homens Mortais, fadados ao eterno sono,
Um para o Senhor do Escuro em seu escuro trono.
Na Terra de Mordor onde as Sombras se deitam.
Um Anel para a todos governar, Um Anel para encontrá-los,
Um Anel para a todos trazer e na escuridão aprisioná-los
Na Terra de Mordor onde as Sombras se deitam."



Evidentemente as inscrições fazem parte da magia poderosa fincada no Um Anel, as palavras foram proferidas por Sauron ao forjá-lo.

Uma pessoa usando o Anel iria entrar em um mundo sombrio revelando um aspecto diferente, e da qual os objetos físicos eram mais difíceis de serem vistos. O usuário era quase invisível aos seres comuns, como os homens, mas altamente visíveis para os Nazgûl (os nove os grandes e poderosos reis homens que detinham Anéis de Poder e se tornaram os mais terríveis servos e escravos da vontade de Sauron, os Espectros do Anel).
O Anel esmaece a visão do utilizador, enquanto, ao mesmo tempo, amplia os outros sentidos.
Lentamente, mas inevitavelmente corrompia seu portador, independentemente da intenção inicial da pessoa. Se este efeito foi projetado especificamente na magia do Anel ou simplesmente uma conseqüência de suas origens do mal, a razão é desconhecida.
O enigmático Tom Bombadil parecia não ser afetado pelo Anel e ter algum poder sobre ele. Quando Bombadil usava o Anel, não o tornava invisível, e Frodo não poderia tornar-se invisível para ele ao usar o Anel.

Por isso, Gandalf, Elrond e Galadriel, se recusaram a utilizá-lo e determinaram sua destruição.
O poder corruptor do Anel era aparentemente mais forte em indivíduos mais inclinados para o mal e egoísmo: ele pegou imediatamente o ganancioso Sméagol assim que ele o viu, e corrompeu Boromir depois de alguns meses de proximidade, enquanto que os seus efeitos só foram começando a serem vistos no nobre Bilbo depois de sessenta anos sob sua posse.
Este poder corruptor também parece se fortalecer quanto mais perto o Anel fica de seu lugar de origem, A Montanha da Perdição em Mordor. Por isso Frodo sofre tanto em carregá-lo por Mordor.

O Anel tinha a habilidade de mudar de tamanho, se adaptando aos dedos do usuário, de Sauron a Frodo.

As inscrições:




As inscrições do Anel são pronunciadas na Língua Negra, uma linguagem criada por Sauron e utilizada em Mordor. É escrito em Tengwar. Elas encarnam o poder do Um Anel para controlar os outros Anéis. As letras são élficas, mas adaptadas para a Língua Negra.

Quando o homem Isildur (filho de Elendil, o Grande Rei de Gondor e Arnor) cortou o Um Anel da mão de Sauron, ele estava quente, as letras eram legíveis, e Isildur foi capaz de transcrever as inscrições antes que elas desaparecessem com o Anel resfriado - nas mãos de Sauron, o Anel estava sempre quente, aceso e com as inscrições legíveis. Esta transcrição sobreviveu em um documento de Isildur deixado para trás em Gondor antes dele marchar para o norte para os Campos de Lis, onde ele foi morto e o Anel perdido.


Gandalf primeiramente aprendeu a inscrição do Anel quando leu esse documento de Isildur. Quando posteriormente aqueceu o Anel que Bilbo tinha deixado a Frodo, a inscrição reapareceu. Ele não teve dúvidas de que o anel de Frodo era o Um Anel.
Quando Gandalf recitou a inscrição em Língua Negra no Conselho de Elrond, todos tremeram: A mudança na voz do mago foi surpreendente. De repente, ela se tornou ameaçadora, poderosa, dura como pedra. Uma sombra pareceu passar sobre o sol alto, e o alpendre por um momento ficou escuro. Todos tremeram, e os elfos taparam os ouvidos.

Portadores do Anel:
O termo Portador do Anel é usado para descrever uma pessoa que tem a posse do Um Anel. O termo também é usado para se referir a portadores de outros Anéis de Poder.
Em O Senhor dos Anéis, Frodo Bolseiro foi nomeado Portador do Anel pelo Conselho de Elrond em Valfenda. Sua tarefa era levar o Um Anel de Valfenda para a Mordor e destruí-lo antes que Sauron ou seus servos o recuperassem. Durante esta viagem, o companheiro de Frodo, Samwise também levou o Anel brevemente enquanto Frodo foi mantido em cativeiro. Perto do início desta jornada o Anel foi segurado também por Tom Bombadil, sobre quem o anel não teve efeito aparente e, por Gandalf, que lançou-o na lareira de Frodo para verificar se ele era o Um Anel.

No romance anterior, O Hobbit, Bilbo encontrou o Anel nas cavernas sob as Montanhas Sombrias. Ele havia sido perdido nas cavernas por Gollum, um hobbit anteriormente conhecido como Sméagol, que manteve o Anel consigo por centenas de anos.
Ele havia assassinado seu primo Déagol para pegar o Anel logo após Déagol tê-lo encontrado no rio Anduin.
Muitos séculos antes Isildur, fugindo de orcs, perdeu o Anel lá, e ao tornar-se visível, foi morto por orcs.

Sauron era verdadeiro Mestre do Anel, e o ser único que podia dobrá-lo completamente à sua vontade.

Embora Déagol e Gandalf tenham segurado o Anel, os únicos indivíduos que realmente o utilizaram foram Sauron, Isildur, Gollum, Bilbo, Frodo, Bombadil, e Samwise.
Somente Bilbo, Frodo e Samwise são realmente chamados de Portadores do Anel nas obras de Tolkien. Como Portadores do Anel, eles receberam passagem para as Terras Imortais, embora Sam tenha vivido no Condado por muitos anos após a partida de Bilbo e Frodo antes de fazer a viagem sozinho.

A história:
Após Sauron forjar o Um Anel travara a Guerra dos Elfos. Voltou-se contra os elfos e todos os que se opunham a ele. Invadiu e destruiu Eregion e matou Celebrimbor, o fabricante dos Três Anéis dos Elfos. Mas o Rei Tar-Minastir de Númenor enviou uma grande frota à Terra-Média, e com a ajuda de Gil-galad destruiu o exército de Sauron, forçado a voltar a Mordor.

Ar-Pharazôn, o último rei (e mais poderoso e arrogante) de Númenor, desembarcou em Umbar com um imenso exército para a batalha contra Sauron. O tamanho e a força do exército númenoreano foi suficiente para forçar o exército de Sauron a fugir. Sauron se rendeu e foi levado de volta para Númenor como prisioneiro. Tolkien, em uma carta escrita em 1958 disse que a rendição era um tanto "voluntária e astuciosa" para que ele pudesse ter acesso a Númenor. Sauron foi capaz de usar o medo da morte dos númenorianos e a inveja que possuíam dos imortais como uma forma de encoraja-los contra os Valar e os elfos.

Embora o corpo de Sauron tenha sido destruído na queda de Númenor, o seu espírito foi capaz de viajar de volta para a Terra-Média e empunhar o Um Anel em sua guerra renovada contra a Última Aliança de Elfos e Homens. Tolkien enfatizou que Sauron usou seu Anel em Númenor para ganhar controle completo sobre o seu povo.

Sauron foi morto novamente por Gil-galad e Elendil no final da Última Aliança. O Anel foi cortado da mão de Sauron por Isildur. Embora aconselhado a destruir o Anel, ele foi influenciado por seu poder e manteve-o consigo. Alguns anos mais tarde, Isildur foi emboscado por orcs pelo Rio Anduin perto dos Campos de Lis. Ao colocar o Anel para escapar, este escorregou de seu dedo enquanto ele nadava pelo rio. Ao ficar visível foi morto pelos orcs.

O Anel permaneceu escondido no leito do rio por quase dois milênios e meio, até que foi descoberto em uma viagem de pesca por um hobbit chamado Déagol. Seu primo Sméagol foi imediatamente seduzido pelo poder do Anel e exigiu que Déagol o desse a ele como um "presente de aniversário". Quando Déagol recusou, Sméagol o estrangulou e pegou o Anel.

O Anel corrompeu o seu corpo e mente, transformando-o em uma criatura conhecida como Gollum. Se escondeu em uma caverna sob as Montanhas Sombrias perto Floresta das Trevas.
Sauron estava começando a ressurgir e manipulava as vontades de Gollum que permaneceu por quase 500 anos nessas cavernas. Até que o Anel cansado dele caiu de seu dedo enquanto Gollum estava caçando um orc.

Bilbo encontrou o Anel pouco depois, enquanto estava perdido nos túneis perto do covil de Gollum. Este entregou o Anel para Bilbo como uma recompensa por ganhar um jogo.
Tolkien ao escrever O Hobbit ainda não havia criado a corrupção incontrolável e dominadora causada pelo Anel ao usuário e após revisar este detalhe da história (quando escrevia O Senhor dos Anéis) percebeu seu próprio erro: Gollum nunca desistiria do Anel dessa forma simples. Tolkien, portanto, corrigiu a segunda edição de O Hobbit; depois de perder o Anel a Bilbo, Gollum foi buscar seu "Precioso" (como ele sempre nomeou o Anel) para que ele pudesse matar e comer Bilbo, mas ficou furioso quando não o encontrou. Gollum perseguiu Bilbo através das cavernas, não percebendo que o hobbit tinha descoberto os poderes de invisibilidade e estava seguindo para a saída da caverna.
Bilbo escapou de Gollum, permanecendo invisível, mas quando ele voltou a encontrar Gandalf e os anões que estavam viajando com ele, ele decidiu não contar-lhes que o Anel o tinha feito invisível. Na verdade, ele contou aos companheiros uma história semelhante a da primeira edição de O Hobbit: Gollum lhe tinha dado o Anel e lhe mostrou o caminho para fora. Gandalf não se convenceu.

Gollum finalmente deixou as Montanhas Sombrias para rastrear e recuperar o Anel. Ele vagou por décadas, e embora tenha sido capturado brevemente por Gandalf e Aragorn, ele logo escapou, apenas para ser novamente capturado e interrogado por Sauron, a quem revelou a existência de Bilbo e do Condado.

O Anel estava começando a pesar para Bilbo e então ele decidiu deixar o Condado, com a intenção de deixar o Anel para seu herdeiro Frodo. Ele brevemente cedeu ao poder do Anel, inclusive chamando-o de "meu precioso"; alarmado, Gandalf falou asperamente a seu velho amigo para convencê-lo a desistir dele, o que Bilbo finalmente o fez, tornando-se o primeiro a Portador do Anel a renunciar o cargo voluntariamente.

Sauron tinha recuperado muito de seu poder em Mordor.
A fim de impedir Sauron de recuperar seu Anel, Frodo e outros oito companheiros (a Sociedade do Anel) partiram de Valfenda para Mordor em uma tentativa de destruir o Anel no fogo da Montanha da Perdição.
Durante a jornada, Frodo tornou-se gradualmente mais e mais suscetível ao poder do Anel, e temia que ele o estivesse corrompendo-o. Quando ele e seu fiel companheiro Samwise encontraram Gollum em sua fuga e os orientando para Mordor, Frodo começou a sentir uma ligação estranha com a criatura miserável e traiçoeira, enquanto Gollum aquecido pela bondade de Frodo esforçou-se um pouco para manter sua promessa.

Gollum finalmente cedeu à tentação do Anel e os levou diretamente para uma emboscada. Os levou para a aranha Laracna. Acreditando que Frodo estava morto, Sam carregou o Anel por um curto período de tempo e experimentou a tentação, ele o usou brevemente por duas vezes, mas nunca sucumbiu a ela.
Sam resgatou Frodo de um bando de orcs.
Os hobbits, seguidos por Gollum, finalmente chegaram a Montanha da Perdição, onde Frodo foi superado pelo poder do Anel e o reivindicou para si mesmo. Naquele momento, no entanto, Gollum o atacou e mordeu seu dedo, tomando de volta o Anel. Gollum estava muito perto da borda: como ele regozijou-se sobre o seu prêmio, caiu nas chamas da Montanha da Perdição, tendo o Anel com ele, e assim destruindo o poder de Sauron.

Os poderes:
A energia primária do Anel era o controle dos outros Anéis de Poder, incluindo o domínio das vontades de seus usuários. Por extensão, o Anel também conferia o poder de dominar as vontades dos outros seres se eles estivessem usando Anéis ou não. No entanto, este é o seu poder menos acessível, uma vez que esta capacidade é concedida em proporção à capacidade natural do usuário. Da mesma forma, é amplificado qualquer poder inerente seu dono possuía.
Um mortal usando o Anel era feito efetivamente invisível, exceto aqueles capazes de perceber o mundo não-físico.

O Anel também estendia a vida de um possuidor mortal por tempo indeterminado, prevenindo o envelhecimento natural. No entanto, o Anel não pode proteger seu portador de morte imediata ou ferimentos. Não torna o portador invulnerável.

Sauron era o único que poderia realmente controlar todo o poder do Anel.
Como os Nove Anéis, o Um Anel também tem o efeito de transformar mortais corruptíveis que o usam por longos períodos em fantasmas. Hobbits eram um pouco resistentes a este processo, como provado por Gollum.

Poderia dar também ao seu portador a capacidade de ler mentes, como Galadriel sugeriu a Frodo quando ele perguntou se ele poderia aprender a se comunicar telepaticamente como ela fez.

Dentro da terra de Mordor, onde fora forjado, os poderes do Anel aumentavam de maneira tão tangível que, mesmo sem usá-lo, os seus detentores poderiam recorrer a seus poderes. Aparentemente, o Anel, na verdade, de alguma forma inspirava seus detentores a utilizarem seu poder.

Quando Sam encontrou um orc na Torre de Cirith Ungol e segurou o Anel, ele apareceu para o orc como um poderoso guerreiro envolto em sombra. O orc estava tão aterrorizado com essa visão de Sam - uma ilusão criada pelo próprio Sam.

Da mesma forma na Montanha da Perdição, quando Frodo e Sam foram atacados por Gollum, Frodo pegou o Anel e utilizou uma voz de comando ao ameaçar que se Gollum pegasse o Anel novamente, ele seria lançado às chamas da Perdição.
E sua ordem foi cumprida, embora não como imaginou. Embora o Anel certamente tenha invocado esta afirmação, não está claro se Frodo estava profetizando o destino de Gollum (Frodo anteriormente tinha visões sinistras desde que carregava o Anel), se Frodo estava jogando uma maldição sobre Gollum ou se foi coincidência.

O Anel continha uma grande parte do poder nativo de Sauron, que era dotado de uma sensibilidade malévola. Embora separado de Sauron, o Anel iria se esforçar a voltar para ele através da manipulação de seu Portador de reivindicar a propriedade do mesmo, em seguida, impulsionando-o ceder o Anel à Sauron ou seus servos, ou abandonar o Portador em um momento chave.
Por exemplo, ele escorregou do dedo de Isildur durante a emboscada em Campos de Lis, deixando seu paradeiro desconhecido para os inimigos de Sauron. Ele também saiu do dedo de Gollum, quando era o momento certo para ser trazido de volta ao mundo em geral. Frodo carregou o Anel, depois de ter sido advertido por Bilbo de sua tendência a trair seu Portador.

Para dominar completamente todas as capacidades do Anel, um Portador do Anel deveria possuir uma mente extremamente disciplinada e bem treinada, uma vontade forte, e um alto grau de desenvolvimento espiritual. Aqueles com mentes mais fracas, como hobbits e homens menores, teriam extraído muito pouco benefício do Anel. Mesmo para alguém com os pré-requisitos necessários, deveria ainda possuir bastante tempo para dominar os poderes do Anel até o ponto de ser forte o suficiente para derrubar Sauron.
Por isso, ironicamente, ninguém provavelmente seria capaz de utilizar o Anel para derrotar Sauron diretamente. Até porque o tempo era muito curto. Então sua destruição era a melhor saída para exterminar o mal.

Apesar de suas qualidades poderosas, o Anel não era onipotente, nem foi o seu poder sobre os outros totalmente absoluto. Três vezes Sauron sofreu uma derrota militar com ele em seu poder.

O destino dos Portadores do Anel:
Dos vários portadores do Um Anel, três ainda estavam vivos após a destruição dele: Bilbo, Frodo e Samwise. Bilbo, depois de ter assumido o Anel por um período muito mais longo que os outros dois, tinha alcançado uma idade muito avançada para um hobbit. Frodo sofreu cicatrizes físicas e psicológicas em sua jornada extenuante para destruir o Anel. Samwise, por tê-lo possuído apenas por um curto momento foi pouco afetado e pôde continuar uma vida normal após a destruição do Anel.

Em consideração ao sofrimento sofrido pelos Portadores, um presente especial lhes foi concedido pelos elfos para viajar para as Terras Imortais, onde esperava-se que eles poderiam encontrar descanso e cura. No final de O Senhor dos Anéis, Bilbo e Frodo embarcam para a viagem para o Oeste, juntamente com Galadriel, Elrond, e muitos de seu povo, bem como Gandalf.
Perto do fim de sua vida, Samwise é também levado para as Terras Imortais, depois de viver no Condado por muitos anos e criar uma família.

Tolkien enfatizou que a permanência de restauração dos Portadores do Anel em Terras Imortais não teria sido permanente. Como mortais acabariam por morrer e deixar o mundo, embora encontrassem a cura dos males sofridos enquanto lá permanecessem.

Esta é a réplica do sorteio:


SORTEIO!

Mais informações básicas sobre Tolkien e O Senhor dos Anéis? Clique aqui.

Fonte: vários sites em inglês sobre Tolkien. Texto de minha autoria, por favor, não copie: crie um link para esta postagem.


ATENÇÃO: Não reproduzam este texto, ele contém direitos autorais.
Blogueiros podem utilizar textos de terceiros, citando nome e fonte com link, porém se o autor deixa claro que não deseja ter o texto reproduzido, não se pode copiá-lo, mesmo citando a origem.
O texto está na internet, mas pertence ao autor. Então já peço que se quiser utilizar este texto, apenas recomende-o e redirecione para meu blogue.

Instagram @leitoraviciada

Skoob

Online

Siga por e-mail