Splintered 1: O Lado Mais Sombrio, de A. G. Howard e Novo Conceito

O Lado Mais Sombrio (Splintered)
Bem-vindo ao verdadeiro País das Maravilhas.
Splintered - livro 1
A. G. Howard - Novo Conceito
Tradução: Camila José dos Santos
368 páginas - Ano: 2014 - R$29,90

Sinopse:
"Alyssa Gardner ouve os pensamentos das plantas e animais. Por enquanto ela consegue esconder as alucinações, mas já conhece o seu destino: terminará num sanatório como sua mãe. A insanidade faz parte da família desde que a sua tataravó, Alice Liddell, falava a Lewis Carroll sobre os seus estranhos sonhos, inspirando-o a escrever o clássico Alice no País das Maravilhas.
Mas talvez ela não seja louca. E talvez as histórias de Carroll não sejam tão fantasiosas quanto possam parecer.
Para quebrar a maldição da loucura na família, Alyssa precisa entrar na toca do coelho e consertar alguns erros cometidos no País das Maravilhas, um lugar repleto de seres estranhos com intenções não reveladas. Alyssa leva consigo o seu amigo da vida real – o superprotetor Jeb –, mas, assim que a jornada começa, ela se vê dividida entre a sensatez deste e a magia perigosa e encantadora de Morfeu, o seu guia no País das Maravilhas.
Ninguém é o que parece no País das Maravilhas. Nem mesmo Alyssa..."

Links: Novo Conceito | Skoob | degustação | comprar | entrevista com Alyssa

Resenha:
Sempre gostei da obra de Lewis Carroll. A cada etapa de minha vida eu interpretei o clássico O País das Maravilhas / Alice No País do Espelho de uma nova forma, sob um novo olhar. No entanto, apenas muito tempo depois pesquisei sobre a vida de Carroll e as origens de sua inspiração. Foi um choque descobrir que Alice Liddell realmente existiu. Inicialmente o livro fora intitulado Alice Embaixo da Terra - bem de acordo com a versão em O Lado Mais Sombrio onde o País das Maravilhas é povoado de seres intraterrenos psicodélicos.
Quando criança eu assistia a versão do longa animado da Disney. Me empolguei bastante com o filme do Tim Burton e novamente visitei esta terra fantástica. Gosto de cada uma dessas versões por motivos diferentes.
Então quando li a sinopse de O Lado Mais Sombrio, o primeiro volume da série Splintered da autora A. G. Howard a chegar no Brasil em abril pela Novo Conceito, instintivamente me animei muito!

O título é instigante (fiquei muito animada com a ideia de ler uma versão sombria do País das Maravilhas) ainda mais com o slogan "Bem-vindo ao verdadeiro País das Maravilhas." - como não imaginar o visual exótico do filme de Tim Burton aliado a esta premissa? É esse o clima tecido pela autora.
Criei enormes expectativas em relação ao livro, tentando imaginar os caminhos a serem seguidos... Imaginei uma versão mais adulta e moderna e, óbvio, sombria.
A capa é linda, eu adorei Alyssa se fundindo às plantas e insetos, com um olhar discretamente insano em um rosto jovem. Foi essa a ideia que tive ao ver a capa.
A diagramação do livro está muito bonita. A cada início de capítulo uma página parcialmente desenhada, com detalhes que combinam com a malha de plantas emaranhadas da capa. Em todas as páginas há um desenho pequeno na marcação numérica das páginas.

A narrativa é em primeira pessoa, feita pela protagonista Alyssa. A princípio me encantou o fato de Alyssa ser uma adolescente com características marcantes: Ela possui um estilo alternativo; um visual gótico e grunge, é skatista e trabalha em uma loja / brechó com roupas e acessórios diferentes. Ela possui um visual incomum, prendendo apliques coloridos ao cabelo platinado (o pai não deixa que o pinte), maquiagem pesada e roupas um tanto chamativas. É uma artista plástica, criando painéis bizarros com cenários estranhos. Cenas montadas com material artístico mesclado à insetos e plantas mortos. É mórbido, mas bonito. São cenas extraídas de seu subconsciente / sonhos.
Pensei que Alyssa seria uma moça curiosa e rebelde, mesmo sendo melancólica devido ao problema familiar. Na sinopse diz que "ela ouve os pensamentos de animais e plantas", mas na verdade o correto é "insetos e plantas". Esse dom ou maldição está presente em todas as descendentes diretas de Alice (sempre do sexo feminino). Ela é a tataraneta de Alice e sua mãe, Alison, está internada em um sanatório.
Achei meio sem sentido a família manter os nomes semelhantes ao de Alice, já que consideram esse dom uma maldição terrível (Alice - Alicia - Alison - Alyssa). Por que manter o padrão de nomes se elas não se orgulham dessa loucura?
Como Alyssa decide por conta própria buscar a Toca do Coelho, mesmo sem alternativa, pensei que assim seria a protagonista: Cheia de atitude. Para salvar a mãe da insanidade total (e a si mesma, já que ela prevê que sua vida será igual), ela procura a entrada para o País das Maravilhas baseada em frágeis pistas dadas pela mãe.
Ela é uma protagonista manipulável, submissa e passiva. Se deixa levar pelos acontecimentos e todos ao seu redor. É salva constantemente pelo amigo. Não é firme nas decisões e não me conquistou, mesmo tendo uma atitude nobre.
Pois até isso é questionável: Ela quer quebrar a maldição pela mãe ou somente por temer seu futuro? Fiquei em dúvida sobre sua real postura.

A autora desenvolve a parte visual e gráfica da ambientação, figurino e personagens de modo magnífico, mas não é tão forte no desenvolvimento da personalidade. A. G. Howard não mantém o perfil criado para cada personagem.
Os figurantes e personagens secundárias no mundo real só existem porque precisam estar lá; já as do outro mundo são bem mais interessantes, porém mais por seu visual que por si próprias. Ou seja: São interessantes porque são exóticas em seu aspecto físico.
Jeb, o melhor amigo de Alyssa é a personagem mais desinteressante do livro. O livro melhora incrivelmente quando ele sai de cena. Todo o tempo sem o rapaz permitiu um desenvolvimento mais amplo e agradável da história.
Ele é inconstante e insuportavelmente superprotetor, chegando a sufocar o destaque que Alyssa merecia ter como protagonista. Se eu fosse a autora nunca o teria levado junto de Alyssa ao mundo intraterreno. Por que achar que a heroína precisa de um romance? Por que seguir esse padrão Young Adult? Em O Lado Mais Sombrio isso seria dispensável.
Até porque temos Morfeu, nativo do País das Maravilhas que sempre esteve presente nos sonhos de Alyssa, treinando-a para sua missão. Uma personagem enigmática. Não se sabe se ele é herói ou vilão. Talvez um meio-termo? Me interessei instantaneamente por ele e torci para ser um ponto forte do livro. Até certo ponto, ele é. Sedutor, atraente, exótico, misterioso e até mesmo sinistro.
Mas a autora peca ao transformá-lo em uma caricatura. Eu o imaginava mais firme e perigoso.

Outro erro é a perda de tempo com um triângulo amoroso descartável, enquanto a história já possui uma premissa fabulosa.
Os cenários são incríveis. A ideia de maldição passada de geração para geração também. A missão a ser cumprida por Alyssa é supercriativa. Por que perder tempo com um triângulo amoroso clichê e previsível se a autora tem uma história por si só tão fantástica? Por que cair na mesmice quando se tem a mágica do inusitado e diferente em mãos?

O ponto positivo do livro: A escrita da autora. Ela possui uma qualidade poderosa: Consegue descrever ambientes e seres como poucos autores conseguem. A riqueza nos detalhes é incomum, maravilhosa. A criatividade dela parece ilimitada! O visual das personagens, principalmente dos habitantes do País das Maravilhas é um tesouro literário. É uma reinvenção desse mundo bizarro que parecia defasado.
A autora consegue recriar tudo e manter-se fiel a ideia sombria. Sim, ela repagina personagens clássicas, acrescenta outras muito interessantes visualmente e cria os melhores cenários que o País das Maravilhas sombrio poderia ter. Ela mostra que esse reino pode ser assustador e belo ao mesmo tempo. É povoado por monstros e seres deformados encantadores. A loucura é marcante, desde "o tempo que corre para trás" assim como os banquetes insanos onde o prato principal quer ser devorado!
A autora tem o dom natural de passar para o papel o que sua magnífica imaginação cria. Precisa apenas arriscar mais. Ela pode ser mais ousada e espero que tenha feito na continuação (Unhinged).
Alyssa melhora como protagonista na parte final do livro e eu torço para que a autora a tenha mantido assim no segundo volume. E Morfeu é uma personagem que pode acrescentar muito a trama.
A autora é criativa e ousada no visual e ideias, porém parece ter se prendido ao comum na hora do desenvolvimento. "Comum" é uma palavra que não deve existir no País das Maravilhas.
O destaque fica para a reviravolta sobre o motivo da maldição de Alice - Alyssa e o histórico familiar. É chocante descobrir a verdade. Esse mistério sinistro é o clima que eu tanto esperava encontrar na história.

O Lado Mais Sombrio traz uma ambientação ousada, diferente e muito bem executada pela autora de escrita supercriativa. É uma Fantasia Urbana surreal e gótica, recheada de cenários de tirar o fôlego. Uma reinvenção de um clássico muito utilizado em incontáveis versões. Uma inovadora e fresca recriação do País das Maravilhas com descrições ricas. No entanto, a autora não traz personagens fortes e não aproveita o poder que sua ideia original e premissa carregam. Ela desenvolve o enredo em uma sequência de erros e acertos que no fim deixa a balança equilibrada.

Booktrailer:



A autora:
O Lado Mais Sombrio é seu primeiro livro. O escreveu enquanto trabalhava em uma biblioteca escolar. Sua intenção é que seu tributo intrigante e psicodélico a Lewis Carroll inspire os leitores a se interessarem pelas histórias que ela aprendeu a amar na infância.
Anita é casada e mãe de dois adolescentes. Reside em Amarillo, Texas, Estados Unidos. Quando não está escrevendo, gosta de patinação, esquiar na neve, andar de bicicleta, de jardinagem e de estar em férias com a família.
Site | Twitter | Facebook

A série:
Unhinged é o segundo livro da série. Antes dele existe um e-Book (The Moth in the Mirror), que é o volume 1.5. O terceiro livro (ainda inédito em língua inglesa) possui o título Ensnared.





6 comentários

  1. Discordo concordando. Acredito que a ingenuidade da Alyssa foi proposital e não um personagem mal construído. O Jeb é descartável na história sim, mas ao mesmo tempo é interessante ela ter essa duvida tanto de personalidade quanto amorosa entre os dois mundos. Uma boa história sempre tem um bom romance. Gostei bastante, estou com uma boa expectativa para o próximo livro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Alessandra! Muito obrigada por deixar o seu ponto de vista aqui :) Sempre fico no aguardo por comentários como o seu. É através dessa troca de opiniões que nossos pensamentos sobre um livro se ampliam. Beijos.

      Excluir
  2. Adorei o blog. Parabéns!! Vou acompanhar sempre que possível! Beijos!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Alessandra!! Seja sempre bem-vinda, é uma honra :) Beijos.

      Excluir
  3. Perfeita suas impressões sobre o livro, também falei dele no blog mas não magistralmente como vc fez. Adoro ler boas resenhas assim! Parabéns! Achei algumas partes chatas e com soluções simplistas, parecendo um livro que pretendia "prender" um público mais adolescente, sabe? E também com um pseudo triângulo amoroso irritante.....kkkkkk.....Mas as outras partes como tributo a Carroll, a facilidade de descrever as "bizarrices" e toda a fantasia que envolve a escrita me deixaram fascinada com a premissa do livro. E achei isso positivo, quero ler os outros. Quando ia lendo pensava seriamente que seria bom que tivesse na forma ilustrada, ia ser fantástico!
    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Renata! Aposto que falou muito bem do livro, vejo só pelo seu comentário. Vou conferir seu blog. Achei sua ideia genial! Uma história em quadrinhos então? Ficaria o máximo, não acha? Beijos.

      Excluir

Antes da publicação, os comentários passam por moderação, então aguarde, por favor.
Comentários considerados spams, agressivos ou preconceituosos, não serão publicados, assim como pedidos de e-Books ilegais.
Sua opinião é muito importante! Através dos comentários é que posso tentar fazer um blog mais interessante.
Se você tem um blog, retribuirei seu comentário assim que possível.
Obrigada por participar.

Editoras parceiras