publicidade

Contos para uma Noite Fria, de Bruno Anselmi Matangrano e Llyr Editorial (Editora Vermelho Marinho)

Contos para um Noite Fria
Bruno Anselmi Matagrano - Llyr Editorial / Editora Vermelho Marinho
Ilustração: Dandi
120 páginas - 201 - R$26,00 - comprar

Sinopse:
"Ao abrir "Contos para uma Noite Fria", prepare-se para entrar em um universo de histórias fantásticas, de sobrenatural, absurdo e distopia, onde sonhos se tornam pesadelos e cenários misteriosos viram delírios apocalípticos.
A inquietação e o medo (do estranho ou de nós mesmos), então, ganham vida, com vários estilos e temáticas. E, apesar da diversidade – que vai da melancolia do artista a possíveis futuros e devaneios em torno de si –, um tipo específico de linha costura todas as narrativas: uma grande perturbação. E, em vez de querer escapar, você se verá envolvido por este universo tão louco quanto um mundo de cabeça para baixo."

Resenha:
Contos para uma Noite Fria é uma publicação nacional da Editora Vermelho Marinho sob seu selo Llyr Editorial. Lançado em final de 2014, a obra reúne doze contos do autor Bruno Anselmi Matangrano. Ele já publicou histórias em diversas coletâneas e também participou da organização de outras. Entretanto, este foi meu primeiro contato com o trabalho do Bruno e foi uma surpresa muito agradável.
A Vermelho Marinho está de parabéns por todo o projeto do livro, realmente é um exemplar caprichado. A parte gráfica é bela, começando pela capa maravilhosa e lúdica ilustrada por Dandi, também responsável pelas ilustrações internas. Cada conto possui um desenho que o representa. O miolo possui páginas amareladas e o papel é leve e de boa qualidade. Algumas páginas têm cores invertidas, com fundo preto e fonte branca; o efeito funcionou nas páginas que contêm as ilustrações, além de combinar bem com a proposta do livro. O exemplar possui orelhas, capa fosca e a revisão e diagramação estão perfeitas, não encontrei erros.



A ideia principal é fazer o leitor se sentir como na capa: Reflexivo em um mundo de cabeça para baixo, aparentemente sem regras e, ainda assim, observar a beleza e a melancolia da vida com tranquilidade. A obra mistura e provoca embates, especialmente entre sanidade e loucura, realidade e imaginação.
São contos curtos, sem desperdício de páginas, mas que cumprem dois objetivos: Entretêm e causam reflexões; dependerá da experiência e subjetividade de cada leitor. São histórias em prosa escritas com notável talento. Você percebe o cuidado do autor ao escolher as palavras, deixando o texto coeso, mesmo quando trata do absurdo. Bruno apresenta o equilíbrio raro de texto fluído e dinâmico com um vocabulário rico e admirável, mas sem floreios. É uma leitura prazerosa e admirável, mantendo beleza artística e simplicidade no acesso do leitor às situações e sensações.
Costumo gostar de contos, porém muitos leitores fogem do formato por falta de apego; afirmam que quando se adaptam ao enredo e se acostumam com a(s) personagem(ens) a história termina. Provavelmente isso costuma ocorrer porque ou autor não conseguiu surpreender / comover ou, simplesmente, o leitor não está habituado. Portanto, recomendo Contos para uma Noite Fria, pois os contos, embora breves, são repletos de provocações, sentimentos e considerações - será uma boa forma do leitor ingressar na apreciação de contos. Para os que já gostam, o livro será maravilhoso.
Importante: Possui variados gêneros fantásticos. Se você gosta de contos com personagens comuns e situações habituais, talvez esta não seja uma leitura para você. Mas se você quer sair da sua zona de conforto, esta é a oportunidade ideal. Já fãs de ficção especulativa com pegada psicológica vão adorar todos ou quase todos os contos.
Aqui o leitor encontrará o sobrenatural e a fantasia em formatos distópicos e apocalípticos, viagens no tempo e espaço, suspense, mistério e a insanidade que todo ser humano carrega escondida. Não é uma leitura para pessoas que têm preguiça ou não gostam de buscar interpretar e sentir além das palavras. São contos simples, porém o leitor não pode ficar preso ao sentido literal do conteúdo. É para viajar, imaginar e criar, tentar observar as situações com seu próprio ponto de vista, tentar mergulhar na visão psicológica que cada pequena história pode trazer. Dependerá de você, pois o autor deixa as ferramentas. Se observar bem encontrará críticas sociais e questionamentos existenciais!


Conto a conto, sem spoilers, porém mostrando um pouco do livro: Minha experiência foi ótima. É leitura rápida, mas de degustação mais lenta. Raramente pauso para fazer algumas observações sobre o que leio, mas compus um pequeno histórico. Além disso, entrei no clima, lendo durante uma madrugada (relativamente) fria.
Duas observações: Todo conto traz uma epígrafe para fazer o leitor tentar imaginar o que vem em seguida. Estão ligadas ao texto, mas o leitor não é obrigado a conhecer as referências. A segunda observação é que todos os contos são em primeira pessoa (exceto o segundo conto que mistura primeira e terceira pessoas).
Após uma abertura rápida com Prefácio e Introdução, vem o primeiro e surpreendente conto, O Viajante. O leitor se sente tão perdido como o protagonista. É rápido e sagaz como um bom thriller e possui excelente e inesperado desfecho.
 O segundo conto, senti afeição por ele logo na epígrafe, por ser um trecho de uma música que adoro (Unwell, Matchbox Twenty). O Germe da Imaginação é formidável, pois mescla fantasia e distopia. Apresenta uma mensagem avassaladora envolvendo censura e a necessidade psicológica e espiritual que o ser humano tem de fantasiar e imaginar. A narrativa central é em terceira pessoa, mas é intercalada com vários trechos em primeira, porque o protagonista compõe um diário.
Em Estátuas conhecemos uma casa mal assombrada e a agonia do protagonista em um conto curto, mas complexo. É uma combinação que aprecio sempre e me passou a mensagem de que às vezes é inevitável deixarmos coisas para trás na vida, mesmo importantes, mesmo pessoas. Pode ter o sentido de que separações são necessárias; não devemos parar de viver intensamente, mesmo que seja assustador e nostálgico.

O quarto conto foi mais uma surpresa positiva. Apresenta descrições perfeitas e por ser a imagem da capa, me impressionou! Acredito que Gravidade às Avessas possa ser interpretado de variados modos. Visualizei um literal e um figurado. A situação bizarra pode ser levada ao pé da letra, como um acontecimento de ficção científica; ou pode representar o sentimento de se sentir deslocado do mundo, invertido, diferente, e ainda assim, encarar com neutralidade e tranquilidade.
O quinto conto é de arrepiar, todo mundo tem uma experiência estranha enquanto dorme ou tenta dormir... especialmente quando não sabemos se estamos ou não acordados. Sonho e realidade se misturam em A Dama de Branco, que creio eu ter sido inspirado em uma lenda urbana argentina, especialmente pelo destaque dado a porta.
Em seguida vem um conto triste e estranhamente bonito: A Melancolia do Piano. O tempo e a morte não matam certas coisas. Objetos têm história e, quem sabe, sentimentos? A epígrafe se refere a composições de 1888 (Trois Gymnopédie) e por desconhecê-la, a procurei para ouvir online.

O sétimo conto é outro excelente e um dos meus preferidos. O Futuro da Humanidade, pós-apocalíptico. Por intermédio da dor de sobreviver ao apocalipse, o protagonista enfrenta o perigo e desespero do tédio e solidão. A tentativa da personagem em enfrentar o sofrimento será apreciada por todos os leitores e o final pesa.
Seria o amor mais forte que a morte? É a pergunta que Encontro às Escuras criou em mim. Esse foi o conto de que menos gostei, provavelmente porque não absorvi a epígrafe, mesmo após buscar e ler Noivado do Sepulcro (Soares de Passos) - o conto é ligado ao poema. Mas é bom por ser uma história romântica e de cemitério!
O nono texto é sobre maldição: A Donzela e o Rubi. Senti um frio na espinha. Assim como A Dama de Branco, o autor traz outra história com uma mulher misteriosa. Objetos podem ser poderosos e já conheci muitas histórias estranhas envolvendo joias e pedras preciosas.

O próximo conto mistura sonhos e uma constante dúvida da maioria: sonhos podem ser premonições? Em Mise en Abyme ou Como um Poema de Poe, o autor brinca novamente (e impressiona) com um protagonista que não ter certeza se está sonhando ou acordado.
Beco dos Aflitos é outro conto excelente, com o fantástico bastante explícito. Mito, crença e a dificuldade de um cético em acreditar no absurdo se misturam. Ou seria um cético um tanto fantasioso que não assume a imaginação? Gostei da história do local e do festival também. Crer ou não crer, eis a questão do conto.
O último fecha a coletânea muito bem, outro que adorei: Entre o Tempo e o Espaço. Pode ser encarada como uma continuação (ou não) do primeiro conto (O Viajante). A loucura vista pelos olhos de quem sofre dela, seu ponto de vista, ou seja, sua realidade. Pelo ponto de vista do louco, a insanidade é a veracidade.
Então entra a minha interpretação particular: Seriam todos os contos de sua imaginação? Do mesmo narrador? Soa interessante, mas é apenas minha sensação. Descubra a sua e tenha uma boa surpresa ao conhecer a obra do Bruno Anselmi Matagrano. Mergulhe em uma noite fria e tente dissecar as profundezas da mente humana em contos criativos, elaborados e inteligentes.

Contos preferidos: O Germe da Imaginação, Gravidade às Avessas, O Futuro da Humanidade e Entre o Tempo e o espaço.

O Autor:
Bruno Anselmi Matangrano é bacharel em Letras e mestre em Literatura Portuguesa, pela Universidade de São Paulo (USP), onde atualmente faz seu doutorado. Fascinado pelo século XIX, dedica suas pesquisas às literaturas simbolista, fantástica e policial do período. Como contista, publicou em diversas coletâneas e organizou algumas outras. Vive em meio a seus livros, ouvindo Coldplay, vendo filmes do Tim Burton, querendo ser Sherlock Holmes e tentando entender Mallarmé.
Twitter

O projeto gráfico completo:



Gostou da resenha? Clique no "G+" abaixo da postagem. Obrigada!

3 comentários

  1. Adorei a resenha e já estava com vontade de lê-lo. Essa capa dá uma ânsia danada de virar a cabeça. rsrs
    Parabéns pela excelente resenha.
    Bjs Cláudia Miqueloti.

    ResponderExcluir
  2. Você despertou minha curiosidade, e olha que até um tempo atrás eu não curtia muito ler contos.

    sorvetebits.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Que coisa linda!
    Eu amei a capa e a premissa, adoro contos dark ahahaha
    Sua resenhas sempre tão impecáveis, Tati ♥
    Beijos :*

    Micaela Ramos
    Feita de Versos e Letras

    ResponderExcluir

Os comentários são moderados, portanto, aguarde aprovação.
Comentários considerados spams, agressivos ou preconceituosos não serão publicados, assim como os que contenham pirataria.
Caso tenha um blog, retribuirei seu comentário assim que possível.

Parcerias