publicidade

Brasiliana Steampunk: A Lição de Anatomia do Temível Dr. Louison, de Enéias Tavares e Fantasy – Casa da Palavra

A Lição de Anatomia do Temível Dr. Louison
Brasiliana Steampunk - livro 1
Enéias Tavares - Fantasy – Casa da Palavra / LeYa Brasil
320 páginas - 2014 - R$34,90
Comprar: Submarino | Saraiva (impresso, e-Book) | Cultura (impresso, e-Book) | Amazon

Sinopse:
"Você está preparado para a lição do doutor?
1911. Porto Alegre. Dirigíveis gigantescos dominam o céu. Abaixo, o vapor cinzento dos bondes, das fábricas e dos estaleiros ao redor soma-se à fumaça dos charutos, dos cachimbos e das cigarrilhas. Vozes robóticas, barulho de hélices e maquinários misturam-se ao alarido do povo.
De um Zepelin, desembarca Isaías Caminha, um jornalista carioca enviado à cidade para escrever uma matéria sobre o assassino em série Antoine Louison, que há poucos dias assombrava o local com um verdadeiro show de horrores: a exposição dos órgãos de suas vítimas.
A aventura começa depois que o Dr. Louison, finalmente capturado e preso no hospício, desaparece misteriosamente de sua cela de segurança máxima sem deixar vestígios. Nesta busca pelo paradeiro do assassino, Isaías e um grupo de investigadores ainda vão topar com conhecidos do Dr. Louison, pertencentes a uma sociedade secreta de intelectuais, chamada Parthenon Místico, que estão dispostos a tudo para defendê-lo e desmascarar os criminosos.
Esses amigos de Louison são alguns aclamados personagens da literatura brasileira, em brilhante reinvenção: Rita Baiana e Pombinha, de Aluísio Azevedo, Simão Bacamarte, de Machado de Assis, Solfieri, de Álvares de Azevedo, entre outros."

Resenha:

A Fantasy – Casa da Palavra é um selo editorial da Casa da Palavra (LeYa Brasil), coordenado pelo autor Affonso Solano. Após a publicação de grandes livros de ficção especulativa, o selo realizou em 2014 o 1º concurso literário A Fantasy Quer o Seu Mundo, para escolher uma história única, um mundo fantástico, um universo sem igual. Foram mais de 1.500 inscritos – autores e autoras de todo o Brasil. Todos com a expectativa de ver seu romance de fantasia publicado, um sonho realizado.
O vencedor foi Enéias Tavares, professor do Departamento de Letras Clássicas e Linguística da Universidade Federal de Santa Maria. Graduado em Letras, possui mestrado em Literatura Comparada e doutorado em Estudos Literários e parte da sua formação realizada na Universidade de York (Inglaterra).
Sua obra, a grande vencedora do concurso, é o primeiro livro do projeto Brasiliana Steampunk, que contará com obras de ficção científica ambientadas no Brasil: A Lição de Anatomia do Temível Doutor Louison. O livro estreou na Bienal de São Paulo de 2014 e só o fato de ter vencido tantos manuscritos, já o torna respeitável, ainda mais com um autor com um currículo impressionante. E atenção: esta é verdadeiramente uma obra de universo rico e único!
A produção do romance começou em 2009, em formato de conto, durante uma oficina de escrita criativa. O conto evoluiu em 2010 para uma novela e após dois anos pausado, Enéias retomou o projeto incluindo personagens clássicos da literatura brasileira, finalmente formando as partes principais do livro. A equipe da Fantasy deve ter tido um trabalho enorme para selecionar os finalistas. E a Casa da Palavra acertou na escolha do vencedor, aos meus olhos, além de texto caprichado, intenso e criativo, é um estilo inédito nas produções brasileiras.


Fãs de ficção especulativa (especialmente de steampunk) devem ler a obra, especialmente os curiosos ou admiradores de clássicos brasileiros. É uma experiência peculiar. Me senti não apenas em um mundo steampunk, mas dentro de um thriller complexo e vibrante! E acima de tudo, é uma obra filosófica, que aborda questões de ética, insanidade, amor e realização.
O autor inovou através do uso de personagens literárias de domínio público, fato já conhecido em produções inglesas e norte-americanas, mas ainda raridade no Brasil. Portanto, inserir personagens dos séculos XVIII e XIX em obras contemporâneas é comum em livros (e quadrinhos e filmes) estrangeiros, principalmente em fantasias que trabalham com histórias atemporais, no passado ou em universos paralelos.
Enéias utiliza deste cenário especulativo que permite imaginação quase ilimitada, o steampunk. Não consigo dosar os elogios ao autor, pois não basta escolher a ambientação poderosa; é necessário possuir o talento, visão e planejar o enredo para não se perder. O autor tem vocabulário e habilidades de escrita formidáveis, transformando a leitura em uma experiência diferente, equilibrando o lado humano e profundo das personagens ao exuberante cenário de ficção científica. Misturado a tudo isso, a trama contém o elemento principal: um assassino serial brutal. Esta figura pertence a uma sociedade secreta, o Parthenon Místico, que me lembrou de A Liga Extraordinária (do britânico Alan Moore, uma graphic novel adaptada para o cinema).
Para quem não sabe, steampunk é retrofuturista, um subgênero de ficção especulativa (geralmente passado durante 1800, 1900) em que a visitamos um passado bem diferente do nosso. É como se após a Revolução Industrial, o mundo se desenvolvesse de modo distinto; como se nossa tecnologia estivesse avançando para outros caminhos, baseados na mecânica e robótica, com o vapor alimentando dirigíveis, locomotivas e indústrias cinzentas. Resumindo, é como uma realidade paralela (passada) em que a tecnologia mecânica a vapor avançou até níveis improváveis. Sociedades secretas, teorias de conspirações, espionagem, crimes e guerras costumam ser temas das tramas steampunk.

O exemplar da Fantasy – Casa da Palavra está lindo, com páginas amareladas, orelhas largas, fonte agradável, revisão impecável e detalhes complementares interessantes. A ilustração da capa é de Rodney Buchemi e a do mapa é de Jéssica Lang.
O livro apresenta-se como uma carta do autor ao leitor, iniciando com o Sumário ritmado e convidativo, resumindo todos os passos que deverá seguir (a leitura), mas sem spoilers e, na verdade, atiçando bastante a curiosidade sobre os seguintes documentos e narrativas.
O conteúdo é composto por oito partes: Jornalistas & Monstros; Alienados & Alienistas; Aventureiros Místicos & Cafetinas de Luxo; Investigadores & Investigados; Sinfonias & Assassinatos (interlúdio); Homens Escravos & Mulheres Livres; Assassinos Sórdidos & Heróis Improváveis; Finalizações & Ponderações (conclusão).
Antes da primeira parte acessamos material complementar, como a Planta da Cidade de Porto Alegre dos Amantes, Capital do Estado do Rio-Grande-Sul, de 1911. Os locais que merecem a atenção do leitor: Hospício São Pedro, Palacete dos Prazeres e Mansão dos Encantos. Temos uma breve lista de personagens principais e uma nota sobre a grafia, ou melhor, "graphia". Calma, a linguagem do autor é preciosa e a intenção do ato não é deixar o texto pesado ou complicado, muito menos chato! É uma manobra irônica e que deixa a escrita personalizada. Nem é preciso se acostumar com o estilo; comecei a ler e já estava no clima. No discurso também nota-se o cuidado do autor, pois existem diferenças entre as personagens de diversas regiões e seu modo de falar, sem preconceitos, mantendo suas essências.


O autor criou suas personagens de modo tão (ou mais) interessante que suas companhias clássicas: O Dr. Antoine Louison é um médico renomado, carismático e respeitado, porém acusado de ser o serial killer que matou, retirou determinados órgãos de suas vítimas e os expôs em rebuscados desenhos. Trancafiado num hospício e prestes a receber a pena mais drástica, desaparece misteriosamente.
Beatriz de Almeida & Souza é uma talentosa escritora de mistérios, uma negra vinda de uma família de ex-escravos, amiga de Louison. Ela é mais misteriosa que sua ficção e a personagem que mais gostei! O autor se preocupou em encaixar as mulheres na trama não apenas como as damas fatais de steampunk, mas também como fortes e determinadas (ah, mas elas elas são fatais!). Beatriz é a personagem essencial da trama, em minha opinião.
O investigador Pedro Cândido é o determinado policial responsável pela procura e captura de Dr. Louison e tem seu senso de moral abalado quando descobre os segredos dos crimes. Finalizando o quarteto exclusivo de Enéias Tavares temos a Madame de Quental, pertencente a outro grupo estranho (Camarilha da Dor), da alta sociedade, uma adoradora de luxos e depravações.
O autor incluiu as personagens clássicas com muito cuidado e respeito (e com os créditos, mesmo sendo de domínio público), entretanto, trabalhou-as com singularidade e desenvolveu-as de jeito fascinante, principalmente suas personalidades, se aprofundando em seus sonhos, desejos e objetivos.
Rita Baiana, por exemplo, (O Cortiço, de Aluízio de Azevedo, 1890) deixa de ser apenas a mulata sensual e ganha voz, presença, sonhos. É transformada de caricatura a pessoa. Além dela, as independentes Pombinha e Léonie, também extraídas de O Cortiço, marcam presença como as proprietárias do Palacete dos Prazeres.
O time feminino é completado (e bem representado) por Vitória Acauã (Contos Amazônicos, Inglês de Souza, 1983), sendo a personagem com o misticismo mais marcante, e talvez a mais exótica dentre todas. Seu papel na trama é importante, visto que ela parece ser o elo que mantém o Parthenon Místico unido.
Os aventureiros Sergio Pompeu e Bento Alves (O Ateneu, de Raul Pompeia, 1888) também compõem o núcleo da Mansão dos Encantos e do Parthenon Místico, assim como Solfieri (Noite na Taverna, de Álvares de Azevedo, 1855) e Benignus (Doutor Benignus, de Augusto Emílio Zaluar, 1875).
O profissional Isaías Caminha (Recordações do Escrivão Isaías Caminha, de Lima Barreto, 1909) viaja de Rio de Janeiro de Todos os Orixás até  Porto Alegre dos Amantes para pesquisar, investigar e descobrir os detalhes sobre os assassinatos cometidos por Dr. Louison e assim preparar um texto jornalístico. É ele o primeiro a narrar a história. Excelente escolha, porque ele desconhece tudo e todos em Porto Alegre, fazendo o leitor descobrir aos poucos o que realmente está acontecendo.
Simão Bacamarte (O Alienista, de Machado de Assis, 1882) é o médico psiquiatra famoso pelos estudos sobre a loucura e seus diferentes graus. Com um novo hospício sob sua direção, ele se empolga em avaliar o Dr. Louison, o serial killer, e é o responsável pela segunda parte do livro.
A terceira parte é uma sequência de documentos, incluindo cartas, gravações e diários dos integrantes do Parthenon Místico. O ritmo é dinâmico e muito bom para conhecermos bem as personagens envolvidas, especialmente suas intimidades e motivações. As quarta, quinta e sexta partes contêm clímax incrível e tira o fôlego do leitor, incluindo o interlúdio. São muitas respostas e questionamentos duros entregues ao leitor. E por último, a conclusão, quando um narrador importante retorna.

E o que acontecerá com Louison? Ele é realmente o assassino? Quais seriam suas verdadeiras motivações?
Com uma Porto Alegre retrofuturista, itens e características do steampunk e união entre personagens próprios do autor e da literatura clássica brasileira, esta é uma aventura cheia de suspense. Misturando tecnologia robótica, artefatos místicos, violência, amor e vingança, Enéias Tavares renova a literatura fantástica, não somente por realizar encontros entre personagens conhecidos, mas também pela estrutura da trama ousada e narrativas e pontos de vista variados. Tudo acompanhado de riqueza de vocabulário.
O elenco heterogêneo é o destaque e agrada também por romper preconceitos e estilos, apresentando pessoas de classes sociais e etnias diferentes. Suas imperfeições as fazem carismáticas e a lição do Dr. Louison é inesquecível.
Quando teremos outro volume de Brasiliana Steampunk? Os leitores de ficção especulativa precisam de mais obras nacionais como este tesouro de Enéias Tavares, a quem agradeço pelo carinho e envio do exemplar para avaliação.



O autor:
Enéias Tavares nasceu em 17 de novembro de 1981 à meia-noite. Especialisa nos livros iluminados de William Blake, leciona literatura clássica na Universidade Federal de Santa Maria, Rio Grande do Sul. É doutor em Letras, pesquisador, tradutor e escritor. De ficção, publicou As Idades do Homem na Coletânea 40, pela editora Libretos e Brasiliana Steampunk: A Lição de Anatomia do Temível Dr. Louison, pela Fantasy – Casa da Palavra.

Twitter | Facebook | Site | Instagram


2 comentários

  1. Olá Tatiana,

    Esse livro está na minha lista de desejados e essa é a primeira resenha que leio dele, gosto demais do gênero e sua resenha me deixou ainda mais com vontade de lê-lo, ótima resenha.....bjs.


    www.devoradordeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Conclui a leitura hoje e realmente a tua resenha descreve exatamente o que senti quando lia, uma leitura fluida que nos deixa preso na trama como porto-alegrense me ambientei muito bem na história fazendo a imaginação me levar à minha Porto Alegre à todo vapor, estou ansioso pela continuação e das próximas histórias que o autor vai nos trazer "A Lição de anatomia" vai ter um lugar especial na minha vida por ter me identificado demais, espero que mais brasileiros possam desfrutar desta obra maravilhosa

    ResponderExcluir

Os comentários são moderados, portanto, aguarde aprovação.
Comentários considerados spams, agressivos ou preconceituosos não serão publicados, assim como pedidos de ebooks ilegais.
Sua opinião é muito importante!
Se você tem um blog, retribuirei seu comentário assim que possível.

Parcerias