publicidade

[Resenha] A Ressurreição da Fênix: o Retorno de Jean Grey de Matthew Rosenberg e Panini Comics (Marvel Comics)

A Ressurreição da Fênix: o Retorno de Jean Grey (Phoenix Resurrection: the Return of Jean Grey)
Matthew Rosenberg - Panini Comics (Marvel Comics)
Desenhos: Leinil Francis Yu, Carlos Pacheco, Joe Bennett e Ramon Rosanas - arte-final: Gerry Alanguilan, Rafael Fonteriz, Lorenzo Ruggiero e Belardino Brabo
Cores: Rachelle Rosenberg - capas: Leinil Francis Yu - letras: Denise Araújo
Tradução e adaptação: Mario Luiz C. Barroso
148 páginas - R$ 22,90 - distribuição nacional em bancas e comic-shops - comprar

Sinopse:
"Quando estranhos eventos começam a ocorrer por todo o mundo, Kitty Pryde, o Velho Logan e Ciclope lideram equipes ao redor do globo à caça de eventos ligados à Fênix. Enquanto isso, uma jovem chamada Jean começa a enlouquecer em sua pacata vida suburbana. Pesadelos e devaneios se derramam no mundo e revelam as rachaduras em sua realidade. Jean precisa escapar. Os X-Men precisam deter o ciclo de morte que a Fênix traz consigo. E seus mundos estão prestes a colidir. violentamente!
(Phoenix Resurrection: the Return of Jean Grey volume 1 #01-05)."

Resenha:

Uma das sagas mais importantes dos X-Men foi publicada em 1976: em a Saga da Fênix, Jean Grey, uma x-man telepata e telecinética, se tornou a receptora da Força Fênix. Na tentativa desesperada para salvar os X-Men, seu corpo não resiste e à beira da morte, ela dá um grito mental de socorro e a entidade cósmica Fênix a acolhe, fundindo-se a ela. Jean ressurge como a Fênix, se tornando uma das personagens mais poderosas da Marvel. Em 1980, após sofrer controle mental de um vilão, Jean se torna a Fênix Negra, provocando uma catástrofe indescritível. A Fênix precisava ser parada e numa das HQs mais icônicas da Marvel, Jean se sacrifica e morre. Mas ela retorna e integra o X-Factor, a equipe Dourada dos X-Men e os Novos X-Men, consecutivamente. Jean/Fênix se consolidou como uma das personagens mais importantes dos X-Men ao longo das décadas. Mas em 2004, durante a saga Planeta X (Planet X) Jean morre definitivamente e o fato é consolidado no ano seguinte em A Derradeira Canção da Fênix (Phoenix Endsong).
Há anos espero pelo retorno de uma das minhas super-heroínas preferidas. Não um clone nem uma versão alternativa de Jean ou a Força Fênix em outro hospedeiro. Eu queria Jean Grey. Somente em 2017/2018 a Marvel trouxe Jean de volta.


Este é o momento! A Panini Comics Brasil reuniu as 5 edições da minissérie Phoenix Resurrection: the Return of Jean Grey em um encadernado em volume único lançado em março de 2019 nas bancas tradicionais e comic shops, em edição em capa cartão e miolo em papel LWC (lightweight coated). O roteiro é de Matthew Rosenberg e cada capítulo foi ilustrado por artistas diferentes.


No primeiro, Visões no Sol, o desenho é de Leinil Francis Yu com arte-final de Gerry Alanguilan (dupla que também fez o último capítulo), iniciando a trama com um caso muito misterioso envolvendo crianças de uma cidade do interior do estado de Nova York e os X-Men vão investigá-lo. No entanto, uma pessoa da equipe X é ferida. Cérebro, a máquina que detecta pessoas com o gene X tinha alertado sobre o fenômeno; mas além, sinalizou outros três: um em Manhattan, outro no sul da França e o último no polo norte. Kitty Pride lidera os X-Men e designa três equipes para checarem os locais marcados por Cérebro


Na segunda parte, Meras Aves Inferiores, a arte é de Carlos Pacheco com finalização de Rafael Fonteriz, Jean Grey trabalha como garçonete numa cafeteria/lanchonete numa cidade não definida rodeada por situações simples de cotidiano padrão de interior dos EUA. O lance são as pessoas que interagem com ela: personagens que já morreram. Os X-Men seguem tentando compreender os acontecimentos estranhos de suas recentes missões e deduzem que a Fênix voltou.
Na HQ seguinte, Uma Constelação de Possibilidades, com ilustrações de Joe Bennett e arte-final de Lorenzo Ruggiero (parceria que se repete na quinta edição), mergulhamos ainda mais dentro de Jean, que está sofrendo com pesadelos e alucinações, presa na cidade misteriosa. São cenas que se ligam à vida de Jean, mas ela não se recorda de nenhuma. É profundo e com algumas referências de HQs passadas; como fã antiga, achei isso positivo e garanto que não deixará demais leitores perdidos.


Na penúltima parte, Uma Princesa Cai, mas não Morre, com ilustrações de Ramon Rosanas, o enredo alcança seu máximo e os X-Men encaram a grande questão central, enquanto Jean confusa está cada vez mais perto da Fênix.
No desfecho, Que o Fim Seja Você, Jean fica de frente às suas memórias, sentimentos e dúvidas, do passado e presente, tudo junto e de uma só vez, além de se encontrar com a Força Fênix. Dois X-Men desempenham papéis muito importantes, por serem muito ligados à Jean. Mas somente ela pode resolver o problema. Achei este momento fenomenal! À altura de Jean, de Fênix e das HQs clássicas no estilo de Chris Claremont. Foi forte, inesquecível e de excelente carga emocional; bastante épico!


O defeito para mim foi que as participações me pareceram excessivas, com muitos heróis em cena apenas fazendo figuração. É compreensível que todos os X-Men sejam acionados, porque a Força Fênix não é uma missão ou caso rotineiro, é urgência máxima, mas senti falta de espaço para uma interação melhor de Jean com Logan, Tempestade, Fera e Homem de Gelo, por exemplo, os mais próximos dela dentre os presentes, mas imagino que esta será pauta para próximas aventuras. Talvez a intenção do uso de quantidade grande de personagens tenha sido uma homenagem.


Gosto das Sagas da Fênix e da Fênix Negra, especialmente a ligação entre a entidade cósmica e Jean, afinal, ela é uma das minhas  x-man preferidas! Na verdade sempre achei que seu potencial é constantemente desperdiçado. Por muitas vezes sentia que os roteiristas estavam sempre subestimando-a, fazendo com ela ela fosse controlada facilmente por outras personagens ou nunca atingindo o máximo de suas habilidades (sem se descontrolar); sendo reduzida a hospedeira da Fênix ou até mesmo sendo clonada. Reduzida à companheira de Scott Summers, o Ciclope, em diversas passagens relacionadas à genealogia louca deles (sou team Logan). Sua morte definitiva em 2004/2005 (no Brasil em 2005/2006) me deixou frustrada, pois achei desnecessária. Senti muita falta da personagem clássica e estava sempre torcendo por seu retorno. Assim como eu, muitos fãs ansiavam por esta publicação. Ele pode ser lido por qualquer pessoa, pois é um arco fechado e independente, mas quanto mais antigo ou consciente da cronologia X o leitor for, melhor o aproveitamento e a emoção.
O roteirista teve uma responsabilidade muito pesada, pois precisava respeitar uma personagem antiga muito querida e ao cânone de décadas, mas também dar sentido a tudo, mostrar a importância dela nos X-Men. Até porque nem todos a queriam de volta. Só espero que a tratem de forma digna, conforme merecido. Espero muito por mais aventuras de Jean nos X-Men, pois com ou sem a Força Fênix, ela é poderosíssima e uma personagem de enorme importância, potencial e histórico.


Acredito que a aquisição da Disney pela Fox (os direitos cinematográficos da franquia X no cinema remanejados para a Marvel Studios) tenha contribuído para o interesse da editora em realizar o retorno de Jean nas histórias em quadrinhos. Os X-Men (e o Quarteto Fantástico) merecem o respeito de outrora, da época em que eram o destaque da Marvel ao lado do Homem-Aranha.
O encadernado apresenta todas as artes das capas originais de Leinil Francis Yu em folha inteira, além de vinte capas variantes! São de estilos diferentes, com a evolução da personagem e seus variados uniformes/visuais e com referências clássicas. Muitas são lindas, mas todas interessantes. Treze estão em folhas inteiras como as originais (Stephanie Hans; Mukeshi Singui; In-Hyuk Lee; Arthur Adams; Jenny Frison; Skottie Young; Artgerm; e Marcos Martin), três dividindo uma página (John Tyler Christopher; John Byrne & Federico Blee com Michael Kelleher; e Kamome Shirahama) e uma montagem com cinco capas alternativas de Victor Hugo que saíram em cinco edições diferentes (#02-05 da minissérie e a #11 de Jean Grey).



(As capas originais)






Observações: A saga se passa entre Jean Grey #10 e #11 (no Brasil é Jean Grey Volume #02 que foi publicado em fevereiro). Alguns eventos são citados, mas não é essencial ter lido a HQ Jean Grey; a faixa etária recomendada pela Marvel Comics para esta HQ é a partir de 13 anos; Este encadernado não tem nada a ver com The Phoenix Resurrection Genesis de 1995 de Marvel Versus Ultraverso (no Brasil foi publicado em 1998 pela Mythos como A Ressurreição da Fênix).

2 comentários

  1. Parabéns pelo site. Sempre acompanhava suas resenhas. Hoje porém além dos elogios venho com interesse. Vc venderia essa edição? Grato. Sucesso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Juan, agradeço muito pelas visitas e elogios. Não vendo este exemplar, desculpe.
      Está bem difícil de encontrar esta edição à venda, mas caso você tenha interesse, há a possibilidade de se comprar o e-book na Amazon. Ative o lembrete na loja da Panini, caso ainda não tenha feito, e receba um aviso caso a edição volte ao estoque. O jeito é ficar de olho nas lojas on-line, como a Comix ou até mesmo os sites de usados Enjoei ou Estante Virtual.
      Abraço.

      Excluir

Os comentários são moderados, portanto, aguarde aprovação.
Comentários considerados spams, agressivos ou preconceituosos não serão publicados, assim como os que contenham pirataria.
Caso tenha um blog, retribuirei seu comentário assim que possível.

Parcerias