Futilidade ou O Naufrágio do Titan, de Morgan Robertson e Vermelho Marinho

Futilidade ou O Naufrágio do Titan (Futility or The Wreck  of the Titan)
Morgan Robertson - O Melhor de Cada Tempo / Editora Vermelho Marinho
Tradução: Carlos Daniel S. Vieira
112 páginas - 2014 - R$20,00
comprar

Sinopse:
"Futilidade ou O Naufrágio do Titan conta como o maior navio do mundo naufragou, em sua primeira viagem, após bater em um iceberg, exatamente como viria a acontecer com o malfadado Titanic. Quem poderia imaginar que uma novela do final do século XIX se tornaria célebre por ter praticamente previsto o maior acidente náutico de todos os tempos?
Mais do que o livro que profeticamente previu o naufrágio do Titanic, Futilidade é a história de John Rowland, um ateu convicto que embarca como marinheiro no navio, e Myra Selfridge, uma jovem cristã que foi o grande amor de sua vida. Os problemas só aumentam quando um capitão trapaceiro tenta colocar tudo a perder.
Myra e Rowland encarnam, assim, os conflitos científicos e religiosos da virada do século, quando a ciência, mais do que nunca, se sobrepôs à religião. Ao leitor, resta a dúvida - teria sido coincidência ou providência?"

Resenha:
O maior e mais imponente navio já criado pela humanidade naufraga drasticamente após colidir com um iceberg em sua viagem inaugural da Inglaterra para os Estados Unidos. O aparentemente indestrutível navio carrega ainda, uma história dramática em destaque.
Você certamente responderia que conhece a história do Titanic, uma tragédia verídica ocorrida em 1912 e transformada em 1997 em uma das maiores obras cinematográficas (Direção de James Cameron, estrelado por Leonardo Di Caprio e Kate Winslet). Porém esta não é a história do Titanic e sim do Titan.
Futilidade ou O Naufrágio do Titan (Futility or the Wreck of the Titan) foi escrito em 1898, pelo autor de uma série de contos e novelas marítimas Morgan Robertson (1861 - 1915). 14 anos antes da catástrofe do Titanic, Robertson escreveu uma obra fictícia, mostrando exatamente o mesmo acidente, com o navio Titan, praticamente idêntico ao Titanic.
Outra curiosidade é que este livro nunca havia sido publicado no Brasil. A Editora Vermelho Marinho o lançou em 2014 sob seu selo O Melhor de Cada Tempo, uma coleção com a proposta de publicar grandes clássicos da literatura mundial, há tempos não mais editados, esquecidos ou, ainda, inéditos para o público brasileiro, como Futilidade.
O exemplar é pequeno (18 x 12,5 cm), leve e prático. A equipe da editora fez um excelente trabalho, pois imagino como deve ser sempre complicado traduzir um clássico, ainda mais do século XIX. A revisão e a diagramação estão ótimas e o leitor tem notas de rodapé que auxiliam muito a compreensão de termos náuticos ou da época. A imagem da capa (ilustração de Dandi) representa a colisão e declínio do fantástico navio, assim como o desespero do protagonista.

A história é curta e direta. Se parece mais com uma noveleta ou conto longo que com um romance padrão. A trama é dinâmica, porém recheada de grandes questões humanas. Aparentemente simples, mas é uma história que guarda certa complexidade nas entrelinhas. São conflitos sociais, éticos e religiosos.
A narrativa é em terceira pessoa e em vários trechos o leitor tem acesso aos pensamentos do protagonista, dando ênfase em seus conflitos interiores.
Como quase todo clássico, a compreensão textual pode parecer um pouco diferente das obras contemporâneas, e talvez também levemente mais complicada. Por outro lado a escrita é rica e muito interessante quando o leitor, antes de tudo, tenta se projetar àquela época. No caso, o final do século XIX, quando o mundo ainda se acostumava às consequências deixadas pela Revolução Industrial. Sempre que lemos uma obra, devemos refletir sobre quando, como e para qual público ela foi escrita. E para se tornar um clássico, não basta ser "antigo", mas precisa ser atemporal e ainda ser importante, de alguma forma, para as gerações seguintes.

O autor era filho de capitão e também marinheiro, portanto, perito em navegação, trazendo um incrível realismo a sua criação. Não me perdi com os termos e costumes náuticos devido às notas de rodapé.
O início apresenta o grande Titan, mostrando-o como uma máquina superpotente e inigualável, um organismo vivo formado por complexas partes sustentadas pela inteligência e força humanas. Ele parece uma personagem tamanha vivacidade empregada as suas descrições e importância. Os trabalhadores que mantêm o Titan em funcionamento parecem integrar não apenas um navio, mas um ser poderoso.
E o simbolismo de toda a fortuna e dedicação investidas no Titan pode traduzir a futilidade humana em exibir seu poder e controle. Se observado aos olhos de um cidadão comum da época, o Titan poderia exibir uma crítica ao excesso e desperdício empregados em uma única construção, assim como a ainda desconfiança e fascínio em relação aos inovadores transportes e máquinas surpreendentes.

Somos apresentados não apenas ao Titan, mas também às personagens principais: O marinheiro ateu e alcoólatra John Rowland e a religiosa jovem mãe Myra Selfridge, o amor de sua vida. O protagonista é um anti-herói, porque não se enquadra nos padrões da época de exemplo de cidadão bom e correto. Ele bebe uísque demais, não possui família nem residência, e, além disso, é ateu declarado, um choque para a sociedade. Parece um homem de caráter duvidoso, mas possui enorme carisma perante o leitor e durante sua trajetória mostra ser um homem justo, simples e ético. Um herói que não procura por este título, embora o seja.
Myra é seu oposto e fica claro o motivo do relacionamento amoroso deles nunca ter dado certo. John trabalha como simples marinheiro, enquanto Myra embarca no Titan com sua família como uma das passageiras mais ricas e importantes. É gritante o contraste social e cultural entre eles.
Inicialmente o livro me pareceu interessante, mas não empolgante.
Então o Titan colide com um iceberg, e um dos motivos é essa demonstração de poder do homem através do grande navio. John fica ilhado em meio ao gelo e além de tentar sobreviver, precisa ser o herói, que ele nunca desejou. A partir daí o livro se tornou mais atraente para mim, pois comecei a me apegar pelo protagonista e a perceber que o enredo possuía muito mais que apenas a história do acidente. Na verdade a colisão do navio é apenas a introdução a uma série de conflitos morais e políticos. A corrupção é uma das vilãs da trama, que a partir deste ponto melhorou muito para mim e a leitura foi mais que interessante e curiosa, passei a torcer contra as injustiças e a favor do sucesso do protagonista.

Este é um bom livro para os apreciadores de clássicos, interessados pela sociedade do final do século XIX ou por navegações. Fãs do Titanic precisam conhecer esta história. Parece coincidência o autor ter escrito uma ficção tão semelhante a fatos que ocorreriam 14 anos após a publicação? Ao conferir a biografia do autor e seu conhecimento marítimo imagino como ele simplesmente mostrou algo possível - tanto que ocorreu.
Este livro é rápido e simples, uma dica para leitores que desejam ler um clássico, mas temem livros pesados, grossos e complicados. Futilidade ou o Naufrágio do Titan é um bom começo para adentrar nos clássicos, por ser quase um conto.



O autor:
Morgan Robertson nasceu em 30 de setembro de 1861, em Oswego, pequena cidade do Estado de Nova York, EUA. Filho de capitão, muito jovem iniciou carreira na marinha mercante, demonstrando o amor pelo Oceano.
Amor que, anos depois, se traduziu em uma série de contos e novelas marítimas dentre as quais a mais célebre foi Futilidade ou O Naufrágio do Titan. Morgan ainda é conhecido por ser o suposto inventor do periscópio e por sua novela Para além do Espectro, publicada em 1914, na qual contou, novamente de maneira profética, a história de uma grande guerra náutica entre os EUA e o Japão.
Robertson foi encontrado morto, em 14 de março de 1915, em um hotel de Atlantic City, no estado de Nova Jersey.



8 comentários

  1. O autor previu mesmo o naufragio do Titanic, a historia parece ser bem interessante, eu gostei do casal ser um cara ateu e uma garota crista fiquei curiosa de como ele trabalhou essa historia e em poucas paginas. Muito legal a editora ta lançando classicos ineditos imagina como a lista de livros importantes nao publicados ou que nao foram reeditados é longa no Brasil.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Rafaela, só em trazer um clássico inédito já dá para ver o cuidado da editora, né? Gostei, achei diferente e me impressionei como o autor previu essa catástrofe. Beijos.

      Excluir
  2. Gostei e gosto muito do filme, mas deste livro não me identifiquei com ele sabe?! Gosto de romance, e apesar desta trama contar com elementos científicos e religiosos, não me agrada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Denise, mas não é a história do filme nem do Titanic não, tá? É do Titan, fictícia e escrita anos antes da tragédia do Titanic.;) Beijos.

      Excluir
    2. Hehe, me confundo feio agora né?! Mas pelo enredo achei que era, hehe. Desculpe-me e obrigada por me responder.

      Excluir
    3. Ah, Denise, mas é que o enredo é o mesmo ahaha Só que o autor escreveu sobre o Titan antes do Tianic, interessante, não? Beijos.

      Excluir
    4. Muito interessante né. Incrível
      Beijos

      Excluir
  3. Nossa, parece que o autor previu não só a história verdadeira do Titanic, como também a fictícia do filme (romance dos personagens). Incrível essa coincidência. Gostei muito da resenha do livro, fiquei bastante curiosa para ler, adoro clássicos.

    ResponderExcluir

Antes da publicação, os comentários passam por moderação, então aguarde, por favor.
Comentários considerados spams, agressivos ou preconceituosos, não serão publicados, assim como pedidos de e-Books ilegais.
Sua opinião é muito importante! Através dos comentários é que posso tentar fazer um blog mais interessante.
Se você tem um blog, retribuirei seu comentário assim que possível.
Obrigada por participar.

Editoras parceiras