História do Novo Sobrenome, volume 2 da série Napolitana, de Elena Ferrante e Biblioteca Azul (Globo Livros)

História do Novo Sobrenome: Juventude (Storia del Nuovo Cognome / The Story of a New Name)
Tetralogia Napolitana (Ciclo L'amica Geniale / Neapolitan Novels) - livro 2
Elena Ferrante - Biblioteca Azul / Globo Livros
Tradução: Maurício Santana Dias
472 páginas - 2015 - R$44,90
Comprar: Amazon | Americanas | Fnac | Livraria Cultura | Livraria da Folha | Livraria da Travessa | Livraria Saraiva | Shoptime | Submarino
RESENHA do livro 1.

Sinopse:
"Neste segundo romance da Série Napolitana, veremos suas duas protagonistas, Lila e Elena, crescerem, e com elas todas as dores e as delícias de sua juventude em meio a um mundo repleto de caminhos que se abrem enquanto portas se fecham – se a sabedoria, o crescimento e o amor são possibilidades, eles ocorrem em um cenário limitado por uma disposição social por vezes cruel.
Neste maravilhoso romance de formação de duas meninas, certamente o leitor vai se surpreender ainda mais com as possibilidades do universo de Elena Ferrante – esse mundo árido, tenso, delicado, profundo e, sobretudo, humano."

Resenha:

A Biblioteca Azul (Globo Livros) está trazendo ao Brasil a série Napolitana (Ciclo L'amica Geniale / Neapolitan Novels), a história de vida de duas amigas, dividida em quatro volumes. É literatura italiana, amplamente elogiada pela crítica e público e voltada aos adultos.
A tetralogia foi escrita pelo pseudônimo Elena Ferrante e a única informação passada pela editora original é que trata-se de autoria feminina (será?) e que ela escolheu permanecer em anonimato. É alguém que escreve absurdamente bem sobre fatos muito cotidianos e explora ao máximo os perfis psicológicos das protagonistas.
Recebi da Biblioteca Azul o livro de prova do volume dois sem imaginar como a leitura seria envolvente e arrebatadora. O primeiro volume também me foi enviado e você pode conferir a resenha aqui. Posteriormente, o exemplar finalizado de livraria me foi entregue e confirmo que a produção da editora está caprichada, a começar pelas capas: as brasileiras são as mais bonitas do mundo! Os trabalhos de revisão (e acredito que de tradução) e diagramação são impecáveis. Os livros possuem orelhas e miolo amarelado em papel norbrite.
Tive o prazer de ler os dois primeiros volumes seguidamente, o que contribuiu ainda mais para o forte apego às personagens. Me envolvi demais com a obra, me senti dentro das protagonistas porque o poder da prosa de Ferrante é raro, intenso e sentimental.
Originalmente o livro um foi publicado em 2011 e o último, em 2016. Este quarto recebeu indicação ao Man Booker Prize e todos se tornaram best-sellers nos Estados Unidos e parte da Europa, chamando a atenção de vários outros países para a tetralogia e, consequentemente, para as publicações de Elena Ferrante e, também, para a literatura italiana contemporânea.


Os livros são: A Amiga Genial (L'amica Geniale / The Brilliant Friend), História do Novo Sobrenome (Storia del Nuovo Cognome / The Story of a New Name), — já publicados no Brasil pela Biblioteca Azul — Storia di chi Fugge e di chi Resta /Those Who Leave and Those Who Stay e Storia della Bambina Perduta / The Story of The Lost Child — ainda inéditos por aqui, porém já confirmados pela editora.
Em A Amiga Genial iniciamos no presente, com o desaparecimento de Rafaella Cerullo (Lila). Elena Greco (Lenu) é amiga de Lila e a narradora da saga. Ambas têm 66 anos e o sumiço de Lila é o gatilho para Lenu retornar ao passado para relembrar as vidas das duas nos subúrbios da Nápoles (comuna italiana). O salto vai até os primeiros anos de vida da dupla, no início da década de 1950. A narrativa em primeira pessoa segue cronologia direta, passando pela infância e adolescência delas. A Amiga Genial termina quando as protagonistas estão com 16 anos e muito mudadas: uma casada e a outra solteira; uma endinheirada e a outra pobre; uma prestes a terminar os estudos e outra sem nem ter mais o hábito da leitura; uma linda e a outra, desleixada.
História do Novo Sobrenome é o volume voltado para a juventude das moças até seus vinte e poucos anos. Todo o amadurecimento intenso e as experiências sofridas se chocam nas jovens que Lila e Lenu foram transformadas. As lutas pessoais continuam, assim como os questionamentos sobre a sociedade a qual elas pertencem. Violência, pobreza, machismo e falta de oportunidades foram os principais empecilhos que elas enfrentaram quando crianças e adolescentes.
O problema é que o clima pós-guerra que parece estar mudando a Itália, a Europa, o mundo, com revoluções e diversificadas ideologias, não chegou até Nápoles. Especialmente ao bairro pobre as coisas parecem permanecer iguais e os ventos de mudanças são apenas leves e rasos sopros. A vida piorou, visto que Lila e Lenu não são mais tão inocentes e ingênuas, percebendo com maior dor e melancolia suas situações aparentemente imutáveis. Ainda se sentem perdidas e sem verdadeiramente pertencer àquele lugar. O esforço parece inútil, seja do estudo ou do trabalho, porque não faz com que elas se livrem das amarras sociais. Mesmo estando em posições diferentes, na verdade elas estão iguais: presas ao ciclo sem fim da estática social e sem fugir de suas origens. Elas não se sentem como as jovens de fora do gueto. Por mais estudo, dinheiro ou beleza, o gueto não as liberta. Elas não querem terminar como as demais mulheres de lá: tão surradas e marcadas quanto as ruas pobres, antigas e sujas.


O conteúdo é melhor e ainda mais denso e forte que o do primeiro livro. Conforme Lenu e Lila crescem e amadurecem, as situações se desenvolvem de acordo. A escrita da autora permanece crua e muito emocionante.
A narrativa ainda é incrível, pois se mantém apenas por Lenu, mostrando a história de Lila também. Continuo a elogiar e a destacar como é importante essa manobra da escrita: Lenu afeta a visão do(a) leitor(a) sobre si mesma e Lila. São duas protagonistas, porém apenas uma narradora, deixando em aberto se as coisas realmente ocorreram conforme é mostrado. Por vezes Lenu pode estar sendo ciumenta, invejosa; ou apaixonada, admiradora. Por isso, enaltecendo ou menosprezando algumas pessoas ou situações, incluindo a si própria e Lila. Há ainda a empatia e interpretação que cada leitor(a) tem. Aqui são ampliadas pelo estilo singelo e profundo da autora em expor os fatos e relacionamentos.
Lenu é uma narradora inteligente, atenta e de rico vocabulário e lotada de sentimentos explosivos. Sem receio da exposição, a série Napolitana é como uma confissão de não apenas uma, mas duas vidas. É uma mulher madura relembrando sem censura os momentos mais importantes de sua vida. Isso deixa o livro mais interessante do que se fosse narrado em tempo real. E embora siga a cronologia fielmente, a narrativa demonstra enorme intimidade, seguindo um inconstante fluxo emocional que emana de Lenu. É propositalmente desordenado, porém menos que o volume anterior. Talvez isso ocorra porque aqui eu estava completamente compenetrada e familiarizada com o enredo e as personagens. Estas continuam numerosas e imperfeitas, ora encantadoras, ora odiáveis, porém sempre humanas e profundamente elaboradas.


No começo desse volume Ferrante explica melhor como Lenu sabe tanto de Lila, mesmo quando as amigas se separam ou brigam. O texto continua muito detalhado e a base da trama continua sendo o quadro filosófico e social do cotidiano de Lenu e Lila, agora quase alcançando os anos 1970.
Ao contrário do primeiro volume, este não teve um início de leitura lento. Os diálogos e discursos são reproduzidos por Lenu, mas ainda assim vivos e dinâmicos, mesmo quando contados de modo indireto.
O ponto forte continua sendo a experiência de reviver através das lembranças. Ao relembrar e expor tudo, Lenu sofre novamente sensações e pensamentos, alguns diferentes dos da época.
O fato de agora tratar-se do início da precoce vida adulta de Lenu e Lila, faz a história ser mais árdua, forte e agitada. Mais acontecimentos, mais reviravoltas, mais experiência adquirida, incluindo sexual e romântica, mais descobertas.
Entre problemas e obstáculos há momentos de relaxamento, amor e amizade. Encontramos beleza dentre situações negativas. Há uma viagem para a praia — a mesma cena retratada na capa — que funciona como um marco irrefreável tanto para Lenu quanto para Lila e, principalmente, para sua amizade.
A relação entre elas é uma das mais complexas e críveis que já encontrei na ficção. Tanto que é praticamente impossível descrever com precisão o envolvimento entre elas. Admiração e inveja andam lado a lado, assim como o apoio e a rivalidade, mostrando como qualquer relação intensa e duradoura pode encontrar altos e baixos. No caso delas, uma série de adversidades como a dureza da falta de escolhas, a carência em encontrar oportunidades, respeito e reconhecimento, a brutalidade do machismo, a cobrança da família — tudo isso influencia no andamento da relação entre elas.


Suas promessas e sonhos parecem cada vez mais distantes e afetados pelas diferenças de classe e gênero. A amizade entre elas pode não ser inabalável, porém o amor talvez seja.
Lenu e Lila continuam tentando, cada uma à sua maneira e capacidade, lutar contra a falta de expectativas de vida. Com coragem, força, resistência e insistência, duas jovens amigas tentam interromper o ciclo de bloqueio e censura que paira de gerações assombradas por guerras, criminalidade e corrupção.
Entre ladrões, assassinos e mafiosos, amizades e sonhos se desfazem. Os jovens de História do Novo Sobrenome realmente são os mesmos de A Amiga Genial? Conseguem se manter intactos?
Se você gostou do primeiro volume saiba que a sequência é essencial para conhecer mais a fundo Lenu e Lila. O segundo livro consegue superar o primeiro em qualidade e envolvimento. Os sentimentos e atitudes das personagens afetam diretamente o(a) leitor(a) como poucas obras literárias são capazes.
É um livro maduro, belo, triste e feliz, projetando um quadro social (pobreza e machismo), um cenário específico (gueto de Nápoles) e uma época conflituosa para a política e o comportamento (década de 1960). A leitura é a confirmação de que a série Napolitana é um retrato fiel e convincente de uma sociedade injusta e desordenada; onde a bondade pode ser corrompida; onde a política pode esmagar a população; onde inteligentes ou talentosos podem jamais vir a desenvolver seus dons.
História do Novo Sobrenome é um clássico instantâneo sobre como é possível se deparar com o pior de uma pessoa e, ainda assim, continuar a estar ao lado dela devido a um sentimento inexplicável. É sobre amizade duradoura e sacrifícios para mantê-la. É sobre pertencer a um mundo que odeia e tentar se livrar dele, mesmo sabendo que você sempre terá partido dele.
Aguardo ansiosamente pelo livro três!


O livro anterior é A Amiga Genial. Leia a resenha aqui.

A autora:
Elena Ferrante se recusa a divulgar fotografias e a falar de sua vida pessoal. Acredita-se que tenha nascido na região de Nápoles e que seja mãe. A autora publicou diversos romances, entre eles Dias de Abandono, que será publicado em breve no Brasil pela Biblioteca Azul.
Site

Um comentário

  1. Não conhecia esse livro, mas gostei muito da capa e do enredo. É uma história, que eu gostaria de conhecer sim.
    Mil Beijos!
    https://pensamentosdeumageminiana.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Antes da publicação, os comentários passam por moderação.
Comentários considerados spams, agressivos ou preconceituosos, não serão publicados, assim como pedidos de ebooks ilegais.
Sua opinião é muito importante! Através dos comentários é que posso tentar fazer um blog mais interessante.
Se você tem um blog, retribuirei seu comentário assim que possível.
Obrigada por participar.

Editoras parceiras