O Planeta dos Macacos: Um livro, uma franquia, um mundo!

O Planeta dos Macacos:
Conheci o mundo fictício de O Planeta dos Macacos bem pequena, quando meu pai assistia aos filmes clássicos e dizia como foram chocantes e inovadores. A história me atraía, mas eu não imaginava a complexidade da saga.

O Planeta dos Macacos tornou-se um ícone não apenas nerd, mas da cultura pop em geral. Tudo começou com o livro O Planeta dos Macacos (Le Planéte de Singes) de Pierre Boulle, publicado primeiramente em 1963. Já resenhei o livro.
Confiram curiosidades sobre a franquia e minha experiência com ela:

* Atenção! Esta postagem pode conter spoilers. *

O criador:
Pierre Boulle era francês, nasceu em 1912 e faleceu em 1994.
Não foi apenas escritor, mas também engenheiro, técnico, soldado e agente secreto! Recebeu prêmios por obras literárias e feitos militares.
Escreveu várias obras. Além de O Planeta dos Macacos, outro livro destacou-se: A Ponte do Rio Kwai (Le Pont de la Rivière Kwaï, 1952). Nessa semificção, Boulle relata suas experiências na Segunda Guerra Mundial. Com a obra tornou-se famoso, tendo sido ela adaptada ao cinema em 1957.
Com esse sucesso, O Planeta dos Macacos chamou a atenção, foi adaptado ao cinema, e distribuído pela 20th Century Fox e se transformou em febre mundial.

Foram lançados cinco filmes clássicos, com o mesmo produtor, Arthur P. Jacobs; mais recentemente foram feitos mais três filmes, com novas produções:

A franquia clássica:
1968, O Planeta dos Macacos (Planet of the Apes)
Esta foi a primeira adaptação que o livro recebeu. As maiores mudanças em relação ao livro foram: Retirar os macacos de uma sociedade moderna e tecnológica e colocá-los em uma arcaica e medieval; e criar um novo protagonista humano. Não é Ulysse, é Taylor.
Não podemos comparar a velha tecnologia disponível na época com a incrível tecnologia atual. Mesmo assim, o filme foi um marco, principalmente na maquiagem e roteiro (de Michael Wilson e Rod Serling, com participação de Boulle). Foi aclamado pelo público e pela crítica. Tornou-se um clássico!
Mesmo sendo uma adaptação, o filme consegue ser bastante fiel ao livro. A cena final, tão famosa, é diferente. É melhor no filme que no livro, confesso.
Ganhou um Oscar honorário pela maquiagem e foi indicado a Melhor Figurino e Melhor Trilha Sonora. A direção é de Franklin J. Schaffner.

1970, De Volta ao Planeta dos Macacos (Beneath the Planet of the Apes)
É o segundo filme da franquia clássica, iniciado imediatamente após os eventos do filme anterior. A história continua, sob a direção de Ted Post.
Taylor e Nova seguem suas vidas e um novo protagonista surge (Brent).
O filme traz descobertas. Os humanos se dividiram em dois grupos: Os escravizados pelos macacos, que não falam; os mutantes, que vivem no subterrâneo da Zona Proibida. A Guerra Nuclear foi o desastre mundial.
O roteiro original escrito por Boulle foi recusado pela Fox por não ser surpreendente como o anterior: Taylor seria o escravo que levaria os humanos a rebelião e o vilão seria o gorila e general Ursus. Boulle finalizaria a história, mas a Fox desejava ampliar em mais filmes.
Dois roteiristas (Paul Dehn e Mort Abrahams) assumiram o cargo e a Fox também descartou a ideia original deles, por falta de tecnologia: Mostrar uma criança metade humana e metade macaca.

1971, Fuga do Planeta dos Macacos (Escape from the Planet of the Apes)
A história parecia finalizada no filme anterior, com um desfecho explosivo, mas a Fox quis uma sequência e o diretor escolhido foi Don Taylor.
No terceiro filme, que também segue com a cronologia, ocorre o contrário: Símios do Planeta dos Macacos vão parar na Terra dominada pelos humanos. Parece bizarro, mas para quem deseja apenas refletir sobre os temas sociais e continuar seguindo a história, é um filme excelente.
Zira e Cornelius são os protagonistas e o tom do filme, embora de temática séria e dramática na reta final, é mais descontraído.
O roteiro é de Paul Dehn, que consultou frequentemente Boulle sobre o rumo da história.

1972, A Conquista do Planeta dos Macacos (Conquest of the Planet of the Apes)
Se você é fã de César é aqui que ele aparece. Este filme se passa quase vinte anos após o final do terceiro. Estamos de volta ao passado, descobrindo a origem do Planeta dos Macacos: Como os humanos escravizaram os macacos e como estes se rebelaram.
Cães e gatos foram dizimados por um vírus e os símios adotados como animais de estimação. Mas um, dentre todos os macacos, é inteligente e fala.
Um cenário de distopia clássica, com macacos escravos divididos em castas, por raça e ocupação no trabalho forçado. Governo humano totalitário e militarizado.
Lisa, interesse amoroso de César, é a primeira macaca (além dele) a falar: "NÃO!". César faz o famoso discurso depois seguido por séculos pelos macacos.
O roteirista é o mesmo do filme anterior e a direção de J. Lee Thompson.

1973, Batalha pelo Planeta dos Macacos (Battle for the Planet of the Apes)
A sociedade dos macacos é fundada por César e a lei é: "Macaco jamais matará macaco." Além disso, César é a favor da coexistência pacífica entre macacos e humanos, enquanto o antagonista, o gorila Aldo, é contra a ideia e almeja a queda de César. Alguns humanos até mesmo vivem na cidade dos macacos.
O filme se passa pouco mais de uma década após o anterior e é uma viagem que interliga muitos pontos da saga e termina a história. Uma batalha decisiva entre humanos e macacos é travada e César, após conhecer sua verdadeira origem, faz uma escolha que muda o rumo da história.
O desfecho é surpreendente. César conseguiu uma mudança incrível!
Roteiro de John William Corrington, Joyce Hooper Corrington e, novamente, Paul Dehn. A direção continuou com J. Lee Thompson. Os dois últimos filmes se interligam muito bem.

Um vídeo para mostrar um pouco dos cinco filmes:



Minha ordem de preferência:
O Planeta dos Macacos (filme 1);
A Conquista do Planeta dos Macacos (filme 4);
Batalha pelo Planeta dos Macacos (filme 5);
Fuga do Planeta dos Macacos (filme 3);
De Volta ao Planeta dos Macacos (filme 2).

Mais Planeta dos Macacos:
Depois disso, foram lançadas duas séries para a TV, uma com atores em quatorze episódios (1974, O Planeta dos Macacos - Planet of Apes) e outra animada em treze episódios (1975, De Volta ao Planeta dos Macacos - Return to the Planet of the Apes). (Nunca os assisti.)

O Planeta dos Macacos também virou histórias em quadrinhos por inúmeras editoras, dentre elas:
Gold Key Comics, Marvel Comics e Malibu Comics. O auge das publicações foi nos anos 1970 e 1980, mas nos anos 2010, elas retornaram pela BOOM! Studios.


O remake:
2001, Planeta dos Macacos (Planet of the Apes)
Estreou nos cinemas um remake (refilmagem) do filme de 1968, mas desde 1988 a Fox o planejava. Muitos roteiros foram escritos e muitos nomes diferentes estiveram envolvidos aos projetos descartados como James Cameron e Peter Jackson.
É uma releitura do primeiro filme clássico e o humano protagonista não é Ulysse nem Taylor, e sim, Leo. As personagens não são carismáticas como no clássico e a cena final é inferior.
Apesar do bom avanço tecnológico, o filme não foi impactante e aclamado como a versão de 1968 e a sequência foi cancelada.
A direção é de Tim Burton, a produção de Richard D. Zanuck e Ralph Winter e o roteiro de William Broyles, Jr., Lawrence Konner e Mark Rosenthal.

(Dentre o original e o remake, prefiro a versão de 1968. Mas, claro, o livro é melhor.)

Foi quando minha curiosidade realmente explodiu e me tornei fã da franquia, revendo os filmes clássicos e planejando ler o livro. Assisti aos filmes como se fosse a primeira vez, sob um novo olhar.


A nova franquia:
2011, Planeta dos Macacos: A Origem (Rise of the Planet of the Apes)
Uma década após o remake, a franquia retornou com um novo filme. Dessa vez, em altíssima qualidade e tendo uma ambientação muito realista e convincente. Percebemos referências aos clássicos e César é novamente o foco, assim como a ascensão dos macacos e queda dos humanos.
Os eventos se equivalem aos mostrados no quarto e quinto filmes clássicos. Oficialmente não é um remake, mas percebemos inúmeras referências e homenagens. César também é criado por um humano (nos clássicos era o dono de circo, Armando), o cientista Will.
O diretor é Rupert Wyatt, a produção é de Peter Chernin, Dylan Clark, Rick Jaffa e Amanda Silver; estes dois últimos também são os roteiristas (e casados).
O filme foi indicado ao Oscar de Melhores Efeitos Especiais, surpreendeu na bilheteria e conseguiu, novamente, elevar O Planeta dos Macacos ao patamar de sucesso absoluto, de crítica e público.

Trailer:


Ao sair eufórica da sala do cinema, pensei: "Por que ainda não li a obra original?" Eu não poderia mais viver sem conferir a essência de tudo. Foi muito complicado encontrar um exemplar. Apenas achava antigos por valores exorbitantes!
Encontrei uma livraria online desconhecida vendendo exemplares novos e lacrados. Uma simples, mas bonita, edição de bolso da Editora Agir (Pocket Ouro / Coleção Grandes Filmes). Eu o comprei e o tenho como tesouro, pois está fora de catálogo. Sonho com uma edição de luxo, com capa dura e tamanho padrão.
Eu me maravilhei com a leitura e fiz uma resenha.
Vejam meu exemplar:

Clique para ampliar.

Antes de assistir ao mais recente filme da franquia, fiz uma supermaratona e revi os sete anteriores! Foi, novamente, uma experiência inexplicável.

2014, Planeta dos Macacos: O Confronto (Dawn of the Planet of Apes)
É a continuação de Planeta dos Macacos: A Origem. Uma década se passou e César e os macacos fundam uma colônia pacífica e separada dos humanos, que declinam perante o vírus criado em laboratório no filme anterior. Confrontos ocorrem, não apenas entre humanos e macacos, mas também entre os da própria espécie.
O lema de César na franquia clássica é ressuscitado: "Macaco não matará macaco." Koba, o chimpanzé que carrega as cicatrizes dos testes realizados por humanos, é o antagonista de César (não Aldo, o general gorila) e é contra a coexistência pacífica dos macacos com os humanos.
A direção mudou para Matt Reeves, mas a equipe de produção e roteiro é a mesma (exceto pelo acréscimo de Mark Bomback ao roteiro).
Com este oitavo filme, Planeta dos Macacos se fixa no cenário cinematográfico, com altíssima aclamação da crítica em relação a diversos aspectos: Efeitos visuais, história, direção, atuação, e profundidade emocional.
O final é diferente do mostrado em Batalha pelo Planeta dos Macacos (filme 5 da franquia original) e não temos mutantes.

Trailer:



A nova franquia não arriscou um novo remake e achei a estratégia excelente, pois o filme de 1968 é único e uma refilmagem já não deu certo.
A Origem + O Confronto basicamente reconta a história de César, mostrada nos filmes de 1971 (seu nascimento), 1972 e 1973, de forma compactada e atualizada. Ambas as versões são maravilhosas, cada uma em sua época.
Não apenas O Planeta dos Macacos é um marco na ficção, mas César tornou-se um ícone.

Um livro gerou um conjunto de filmes e uma franquia de sucesso. Deixa o público cheio de reflexões sociais.

29 comentários

  1. Tati bom dia eu lembro de ter assistido esse filme na primeira versão , mas hoje não me chama a tenção . Todos elogiam o filme , adoraram mas eu não estou com vontade nenhuma de assistir acredita . Vou por enquanto só lendo comnetárias que são sempre favoráveis ao filme . beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, boa tarde! Legal você ter assistido a primeira versão, mesmo não se sentindo atraída pela franquia atual. É um excelente clássico e é sempre bom a gente ter visto para opinar, né?
      Talvez o livro interesse a você, é uma distopia clássica.
      Beijos.

      Excluir
  2. Embora esse filme pareça ser interessante, eu não me interesso em assistir ele, pois o mesmo não faz muito meu gosto, sem contar que eu não sou muito fã de filmes, sabe? Dificilmente assisto algum, mas esse filme com certeza irá agradar o meu irmão e a minha mãe, eles adoram filmes assim e são viciados em assistir filmes kkkk Enfim, adorei o post e irei estar falando para eles sobre o filme oo/

    Beijos :*
    Larissa - Srta. Bookaholic

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Larissa! Se você não curte muito filmes, mas gosta de livros distópicos, recomendo então o livro que originou tudo. É uma distopia clássica essencial na leitura de quem curte o gênero.
      Beijos.

      Excluir
  3. Oi Tati!!
    Eu não li toda o post por causa do spoiler, mas acho que a maioria das pessoas já assistiu um dos filmes da franquia. Eu assisti somente o de 2011 e gostei muito. Quero assisti esse novo filme que estreou agora... Não estava muito animada, mas assistir uma reportagem sobre o filme é fiquei bem interessada, nela mostrava o processo dos efeitos visuais e tudo. Tenho vontade de ler o livro.

    Beijos,
    www.leitorasempre.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Jéssica!! Leia o livro sim, vai encontrar um mundo a parte. ainda mais se pensar nas críticas que o autor fez para aquela época. Beijos.

      Excluir
  4. Em que mundo que eu vivo que não conhecia esse livro nem os filmes? Acho que na verdade nunca me interessei por eles, então nem prestei atenção quando rolaram os comentários sobre os filmes.
    Tem uma música do Jota Quest com esse título, né? Acho que na letra tem algo como "tá faltando emprego no planeta dos macacos". Tem a ver com a história? Faz referência ou é só coincidência?
    Continuo sem me interessar, não gosto de pensar em macacos mandando em homens. rs Prefiro deixar essa interação só pro desenho Tarzan e olhe lá (porque às vezes o lado criança fala mais forte. =D).
    Beijinhos!
    Giulia - Prazer, me chamo Livro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Giulia! Ah, normal a gente não conhecer quando a coisa não nos interessou. Tem uma música do Jota Quest sim, De Volta ao Planeta dos Macacos, com o mesmo nome do segundo filme da franquia clássica, de 1970. Lembro bastante dessa música, adoro! Sobre a falta de emprego da música, acho que é uma comparação, de que a vida do brasileiro está tão difícil quanto a do humano escravizado pelo macaco.
      Giulia, e se eu contar que quase sempre quem assiste aos filmes ou lê o livro torce pelos macacos? Ahahaha
      Brincadeiras à parte, dê uma chance, caso o filme passe na TV e você não tenha outra coisa para fazer... Porque as críticas sociais feitas à civilização/humanização são excelentes!
      Beijos.

      Excluir
  5. Oi Tatiana

    Eu já assisti todas as adaptações para o cinema de "O Planeta dos Macacos" e a primeira versão é uma das minhas favoritas, principalmente pela cena final. A nova franquia realmente acertou em cheio em não "refilmar" os clássicos e sim contar como tudo começou.
    Pretendo ler o livro em breve.
    Parabéns pela postagem super bem elaborada!

    Super bjos
    http://www.i-likemovies.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Evelyne! Ahhhh, que máximo, esse também é meu filme preferido, dentre todos \o/ A cena final é demais, assim como a frase: ""Tire suas mãos de mim, seu macaco imundo!" :) Adoro saber que Planeta dos Macacos foi um dos primeiros filmes de Ficção Científica a ter continuação, e estimular o mercado cinematográfico para se voltar a esse campo e fazer o gênero crescer. É só ver Star Wars logo depois.
      Muito obrigada por ler a postagem, ficou meio longa.
      Leia o livro sim. Se gosta do clássico de 1968, precisa conferir a obra original e comparar ambas.
      Beijos.

      Excluir
  6. Tati, não sabia de toda essa trajetória não!! Primeiro, nem sabia que o livro existia, e nunca tinha nem ouvido falar direito dos filmes mais antigos. Assisti só esse remake de 2001 e achei simplesmente horrendo, fiquei tão traumatizada que nem fui ver os mais recentes, achando que eram continuação daquilo. Mas, agora, acho que eu teria alguma chance de gostar deles, pelo que você disse. De qualquer maneira, não consigo arrumar muito tempo para filmes, e esses não são prioridade para mim.

    Beijo!

    Ju
    Entre Palcos e Livros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ju! Que legal que conheceu melhor Planeta dos Macacos, foi essa a minha intenção. Eu sempre vejo que praticamente ninguém conhece o livro no Brasil, uma distopia clássica! E da nossa geração, basicamente as pessoas conhecem apenas aquele filme de 2001. Também não gosto dele!
      Tem também os que assistiram os dois novos, a história do César e o "começo" de tudo. Esses dois são excelentes! A Origem, então, emociona muito.
      Beijos.

      Excluir
  7. Tati eu também assisti o clássico do Planeta dos Macacos quando eu era criança e isso faz tempo rsrsr, e lembro até hoje que eu ficava encantada mas também com medo. Eu não sei qual eu assisti, não sabia que tinha tantos filmes antigos, e agora fiquei até perdida.
    Eu não sabia da existência do livro, gostei da ideia dos quadrinhos, vou dar uma pesquisada.
    Assisti o Remake, e A Origem, e não vejo a hora de assistir O Confronto.
    Eu não sabia da série, será que ainda encontro?
    Mas eu vou pegar carona na sua ideia/dica, e vou rever os filmes anteriores enquanto O Confronto não chega aqui.

    Beijos.
    Leituras da Paty

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Paty! São mesmo muitos filmes antigos e pouca gente os conhece. Então estão assistindo aos dois novos, com César, e mal sabem que césar não é nova personagem, mas um chimpanzé essencial na origem do Planeta dos Macacos e que foi completamente renovado e repaginado. Sua história toma um rumo diferente na nova franquia.
      Nunca assisti a série, Paty. Nunca a encontrei, nem a série, nem o desenho animado. Mas vou buscar por eles. Já os quadrinhos, li várias edições e achei muito bom!
      Boa maratona de filmes para você.
      Beijos.

      Excluir
  8. Tati
    Que postagem legal! Eu não sabia que vinha de um livro, não sabia dos cinco filmes primeiros, só vi o último filme que lançou, e quero ver esse que vai sair no cinema agora!
    Curti bastante! Espero que esse filme novo seja maravilhoso!
    Um grande Beijo
    Paulinha Juliana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Paula, que bom que "descobriu" aqui no blog que Planeta dos Macacos começou por um livro, assim como a franquia antiga, pouco conhecida da geração atual.
      Espero que curta muito O Confronto, já está em cartaz na maioria dos cinemas brasileiros.
      Beijos.

      Excluir
  9. Oláaa!
    Uau, eu não fazia ideia de que havia tantos filmes sobre "O Planeta dos Macacod" e nem que era baseados em uma obra literária.
    Ao saber de tantas adaptações (até histórias em quadrinhos!) fiquei curiosa para assistir pelo menos um. Isso mesmo, sou uma retardatária desinformada que ainda não assistiu NENHUM desses filmes, Na verdade eu em tenho muita ideia sobre o enredo nem nada.
    O fato de a franquia ter retornada com um novo filme após tanto tempo deve ser um indício de que a obra original é uma fonte inesgotável, né?!
    Vou tentar conferir pelo menos os novos filmes.

    Parabéns pela postagem!

    Beijos,
    Amanda
    http://minhasconfissoesfemininas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Amanda!! Nunca é tarde para conhecermos algo novo, ainda mais quando se trata de obras antigas ;)
      Recomendo esta obra para reflexões sobre humanidade, sociologia, filosofia. É uma das melhores distopias clássicas que já li. O livro gerou a franquia e se expandiu muuuuito, realmente é fonte excelente.
      Gosto das duas versões de César. Gostei de terem atualizado e modernizado sua saga, mas a antiga, foi também maravilhosa em sua época, e até hoje.
      Beijos.

      Excluir
  10. Tati,
    Definitivamente eu adoro essa franquia, ela nos faz ver que não somos os únicos seres inteligentes do universo, e também não nos deixa esquecer de onde viemos. Será?!
    Não imaginava que o criador já tinha sido agente secreto, rs a gente ve e lê as coisas dos autores e nem se preocupa em saber mais sobre eles, somente quando nos deparamos com posts assim, completos e maravilhosos, aprendemos mais!
    Eu já vi algum desses clássicos, mas não sei qual. Juro que apenas pela sinopse não consegui identificar, mas não sou uma total desconhecida da série.
    Vi o filme lançado em 2011 e adorei e estou ansiosa pela continuação, principlamente porque pude perceber que ela nos mostra que seres humanos e animais não são todos bons nem todos ruins e que em uma situação de aperto, todas escolhem a sobrevivência de sua espécie.
    Adorei o post, traga mais!
    Beijos
    Chrys Audi
    Blog Todas as coisas do meu mundo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Chrys,o livro quando publicado, chocou o público. E o filme, foi um marco. Penso sempre como o ser humano acha que é o "dono" do planeta.
      Esses dois novos filmes mostram mesmo isso, Chrys, que não importa se são homens ou macacos, ou o que for, sempre tem o grupo que não deseja a coexistência pacífica.
      Muito obrigada por gostar e comentar :)
      Beijos.

      Excluir
  11. Oi Tati, tudo bem?

    Já sabia sobre algumas informações que você colocou aqui, mas não consigo me interessar por nada que ligue a ficção científica. Vou deixar pra próxima.

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que pena que não gosta de ficção científica. Já eu adoro, seja do tipo que for, inclusive distopia, como O Planeta dos Macacos.
      Beijos.

      Excluir
  12. Tati, que post maravilhoso!
    Eu sabia que existiam os filmes originais, mas são sabia que eram tantos! Da mesma forma que não sabia da existência dos livros.. Nunca assisti a nenhum filme antigo, mas essa nova produção está espetacular! Achei tudo de uma perfeição.. e os dilemas que eles levantam?! Aiin, melhor deixar quieto se não eu não saio daqui hoje hahaha
    Só fiquei com um dúvida: como será o próximo filme? Porque vai ter continuação né.. mas ao que parece, a história de Cesar acabou.

    Beeijinho. Dreeh
    Blog Mais que Livros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Dreeh, muito obrigada! Foi bem trabalhoso :)
      São muitos filmes, né? A maioria que está assistindo a O Confronto nos cinemas agora nem imagina o quanto a franquia é grande.
      Bem se forem se guiar pela história original, a história de César terminou. Só que de forma MUITO diferente, então, não se sabe...
      Beijos.

      Excluir
  13. Olá Tatiana!
    Eu não gosto desse filme. Sei que é um sucesso, mas não me agradou.
    Vi só algumas partes dos filmes, mas nada me prendia e eu acbava deixando de ver.
    Só posso concordar que é uma super produção.
    Beijinhos!
    http://eraumavezolivro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Suelen, que pena que não gosta, mas a qual deles você assistiu?
      Talvez você goste do livro que originou a franquia, é distopia.
      Beijos.

      Excluir
  14. Uau... Não esperava me deparar com sua abordagem bastante meticulosa acerca de toda essa Ficção surpreendente do Planeta dos Macacos... Estava tentando lembrar me daquele discurso que Cornelius fez ao final do filme de 68 ... Quando ele descreve a citação do falecido Legislador... Tal discurso deixou me com vontade de colocá-lo em papel.... Aí fui procurar no Google ... Mal imaginava que encontraria um olhar bastante amplo saído de uma leitora apaixona e portadora de um livro espetacular e que fiquei babando de inveja... Kkkkk parabêns pela análise e obrigado por compartilhar sua experiência nesse Universo tão vasto...!! Pois: "Cuidado com o Homem, pois ele é o Peão do Demônio. O único entre os Primatas de Deus, que mata por esporte, ou cobiça, ou avareza. Sim! Ele matará seu irmão para possuir a sua terra. Não o deixe nascer em grande número, ele irá transformar sua casa e a de vocês num deserto. Evite o! Dirija o de volta a sua toca na selva, pois ele é o Presságio da Morte.....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Magnus agradeço muito seu comentário! O livro será republicado no Brasil pela Editora Aleph, creio que será uma edição muito caprichada. Beijos :))))

      Excluir
  15. Assim como você já assisti todos os filmes e a série, também não vi o desenho. Mas após ler seu post resolvi rever os filmes, comecei pelo de 2001 que na época gostei muito mas não vi mais, assisti ontem e gostei muito, gosto mais dele que desses novos, só não gosto do fim. Após ver o filme comecei a procurar o livro na internet (nunca li) e encontrei um baratinho no Mercado Livre, oo vendedor garante que é novo, já comprei, agora é aguardar o livro chegar. :)

    ResponderExcluir

Antes da publicação, os comentários passam por moderação.
Comentários considerados spams, agressivos ou preconceituosos não serão publicados, assim como pedidos de ebooks ilegais.
Sua opinião é muito importante!
Se você tem um blog, retribuirei seu comentário assim que possível.
Obrigada por participar.

Editoras parceiras