Aproveite: 3 meses por R$ 1,99 para novos assinantes

publicidade

As Crônicas Híbridas, volume 1: O que Restou de mim, de Kat Zhang e Galera Record

O que Restou de mim (What's Left of me)
As Crônicas Híbridas - livro 1
Kat Zhang - Galera Record
Tradução: Joana Faro
320 páginas - Ano: 2014 - R$35,00
+ informações | comprar

Sinopse:
"Eva e Addie nasceram como todas as outras crianças: duas almas entrelaçadas no mesmo corpo. À medida que cresciam, começavam os olhares de censura e os questionamentos: Por que elas não estão se definindo?
Definindo. Todo ser humano se define ainda na infância, o que significa que a alma recessiva deve partir para que a dominante possa ter uma vida normal.
Mas isso nunca acontecia e Eva, a alma recessiva, continuava lá... escondida no próprio corpo. Eva e Addie eram híbridas.
Considerados instáveis e perigosos, os híbridos foram perseguidos e eliminados das Américas. Por isso, Addie e Eva vivem da forma mais discreta possível. Mas Eva descobre que há uma chance de voltar a andar, falar e sorrir por conta própria, e agora está disposta a tudo para conseguir isso. O problema é que não estará arriscando apenas a própria vida. Afinal, ela nunca está sozinha."

Resenha:

A Galera Record, do Grupo Editorial Record, é a editora responsável por trazer ao Brasil a série As Crônicas Híbridas (The Hybrid Chronicles). O primeiro volume foi publicado em inglês em 2012 e chegou ao Brasil em outubro de 2014: O que Restou de mim (What's Left of me) é uma obra distópica e Young Adult (Jovem Adulto).
A capa traz o rosto parcial de uma garota, como se metade tivesse sido apagada. O título do livro sobressai-se, destacando a palavra "mim". A imagem original foi mantida e a Galera Record acertou na escolha.
Após ler a sinopse e observar a capa novamente, ela torna-se intrigante: A face em tons frios representa não uma, mas duas meninas: Duas almas compartilhando o mesmo corpo. Essa é a ideia incrível da autora Kat Zhang, que por si só já faz o livro valer a pena. Original, diferente e instigante - É como resumo o conceito criativo do livro. A exploração do enredo é excelente, porém poderia ser ainda melhor. Acho que poucos perceberão alguns furos pequenos na construção de algumas cenas, porque todo o restante positivo se sobrepõe.

É uma Ficção Científica que apresenta um conceito que, inicialmente, pode parecer confuso, mas de rápida assimilação: Todas as pessoas nascem com duas almas, duas consciências em apenas um organismo. Durante a primeira infância, ambas as mentes convivem juntas e compartilham igualmente o comando do corpo e todas as ações, juntas e se alternando. É meio complicado imaginar o funcionamento prático, porém a autora introduz com eficiência esse mundo diferente e em momento algum o leitor fica confuso.
Aos poucos, a pessoa vai se definindo, ou seja, uma alma passa a ser predominante. Todos passam pela Definição, momento em que a alma recessiva se desvaneia. Um humano só é considerado saudável quando se define, portanto, é essencial que uma criança se defina na idade certa. Se uma criança demora a se definir, preocupa a todos, pais, educares e médicos. O Hibridismo é uma doença gravíssima.
As protagonistas são Eva e Addie, duas consciências ocupando um só corpo. Seria uma só mente? Elas são irmãs ou a mesma pessoa? O que acontece com a alma recessiva depois que a pessoa se define? Morre ou permanece para sempre nas profundezas da mente?
Esses e outros questionamentos acompanham o leitor por todas as páginas, tornando a leitura uma experiência apreciável, porque é interessante tentar imaginar e se colocar dentro dessa ficção.
Os conceitos de "personalidade", "alma", "consciência", além de "eu", "você" e "nós", é bem complexo e eu adorei. Parabéns para a autora por essa invenção ousada. Ignorei o conceito tradicional de indivíduo e interpretei os híbridos como algo novo, único. Não adianta se apegar ao padrão, mergulhe no desconhecido e fantástico.
Outro fator importante é como todos lidam com isso. Os pais, por exemplo, ficam na expectativa durante a espera. O que parece bem estranho, saber que você tem duas crianças em um único corpo e, após alguns anos de amor, carinho, apego, cuidados e etc, uma delas simplesmente precisa desaparecer, para enfim, ter uma só pessoa no corpo. E a alma que fica, ainda uma criança, como lida com a perda da alma companheira? Porque é difícil compreender, mas ao menos eu as vejo como duas pessoas únicas, mas que formam um ser completo - é como se você perdesse sua própria metade!
Depois que a dominante fica e a recessiva some, todos agem como se a desaparecida nunca houvesse existido. Me impressionou ver a naturalidade com que todos lidam com isso, e esse é um ponto positivo da obra.
Porque na ficção especulativa, seja mais científica ou mais fantástica, o importante é a segurança e confiança que o autor passa ao apresentar e desenvolver a base de sua criação. Com poucas ou muitas explicações, seja como for, o autor precisa convencer o leitor de que aquele mundo fictício existe, ao menos durante a leitura. E Kat Zhang consegue.

Todos pensam que Addie se definiu e Eva, a alma recessiva, se foi. Mas as duas continuam unidas como sempre, compartilhando o mesmo físico. Duas consciências diferentes dividindo a mesma mente, os mesmos sonhos, ideias, sentimentos e pensamentos. Addie é quem comanda as ações físicas, fala, olha, anda... Mas ela não está sozinha, ela ainda tem Eva dentro de si. Esta é psicologicamente tão ativa quanto Addie. Duas personalidades distintas, apenas uma no controle! Como coexistir desse jeito?
A existência. Este é o grande segredo delas. Ninguém sabe, nem a família. Uma não consegue viver sem a outra, Addie não quer perder Eva e esta não quer ir embora: Elas não querem ser mutiladas. No entanto, é perigoso ser um híbrido. É uma doença física, psicológica e social. Todos devem se definir e os fatos mostram isso. O pano de fundo cultural e histórico é brando, um pouco superficial, mas existe. Talvez a autora mostre isso nos próximos livros, pois parece enriquecedor. Se não se aprofundar, também não será problema.
A narrativa é em primeira pessoa, sempre por Eva. Adorei a escolha da autora, contar a história através da voz da alma recessiva, a que não controla o corpo. Portanto, é uma leitura excepcional, ter dois pontos de vista tão íntimos, mas contados por uma dessas pessoas. É magnífico acompanhar a narrativa oficial em primeira pessoa do singular, mas alternando também entre primeira pessoa do plural! Então Eva fala "Eu pensei", ou "Addie chorou", ou, simplesmente "Nós corremos" - Excelente. E, embora seja Eva a narradora, temos muito de Addie. Não apenas porque elas ocupam o mesmo corpo, mas porque Eva tem acesso a maioria dos sentimentos da irmã / alma gêmea.

Após a fase inicial de adaptação do leitor aos conceitos, que é feita de modo natural e tranquilo, a autora nos apresenta parcialmente o mundo de Eva e Addie, seu círculo de relacionamentos, histórico pessoal e rotina. Depois, ao descobrirem que híbridos não são tão raros quanto parece, a história se torna um pouco parada, ao menos para o meu gosto. Continua sendo uma trama ótima e válida, mas senti uma desaceleração. O ritmo intenso chega com tudo na metade do livro, e ao se encaminhar para o último terço da história, a trama ruma para o modo de thriller, trazendo ação e suspense.
O clímax é exímio, mas o contrário acontece: Tudo fica rápido demais. Muitas informações são apresentadas; algumas delas poderiam ter sido encaixadas aos poucos. Personagens surgem na reta final e eu não me senti apresentada a elas. De repente algumas pessoas de suma importância aparecem na vida de Eva / Addie e a autora não mostra nada sobre elas, além da função. Personagens precisam mais do que ter um papel na história, precisam existir, ter personalidade. A autora caprichou tanto na construção de Addie, Eva e o núcleo principal, especialmente o dos híbridos, mas correu no final e se esqueceu de outras personagens. O mesmo ocorreu com os "vilões". Não foram bem fundamentados, exceto uma médica que recebeu uma boa base e princípios pessoais. Então, torço para que posteriormente a autora mostre mais dessas personagens, tanto quanto mostrou dos híbridos.
Outro problema que tive em relação ao final desse primeiro volume, foi a forma corrida como Addie e Eva começam a interagir com os rebeldes e aderir à causa. Parecia que a autora estava pulando cenas, acelerando o tempo cronológico e deixando de mostrar algo importante.
Resumindo: O conteúdo e premissa da trama são fantásticos, o começo do desenvolvimento é excelente, depois fica um pouco lento, para finalmente acelerar demais. Os híbridos são as personagens interessantes; a construção e o crescimento dessas são mais que satisfatórias, enquanto das demais (especialmente o grupo antagonista e o grupo aliado), sofrem carência. Mas no fim, parece ser uma manobra da autora de não mostrar tudo no primeiro volume e ter muitos pontos a serem explorados na continuação.

O que Restou de mim é atraente, novo, inteligente e criativo. Apresenta uma premissa muito diferente das distopias atuais, mostrando que Ficção Científica pode ser simples e interessante e contendo as questões típicas de livros Young Adult.. Uma trama que levanta inúmeros questionamentos sociais sobre o padrão criado pela autora, levando o leitor a refletir sobre preconceito, personalidade, consciência e os conceitos de sociedade e indivíduo. Aborda também temas como testes médicos em cobaias e liberdade psicológica e pessoal. A opressão da massa sobre o ser, dos fins justificarem os meios e da censura em sua forma mais opressiva possível: Controlar quem o indivíduo deve ser perante os padrões sociais.
Os próximos livros já foram publicados em inglês: Once We Were (2013) e Echoes of Us (2014). As capas parecem mostrar o desenvolvimento de Eva e Addie e estou muito curiosa para prosseguir com a leitura. Espero que a Galera Record não demore muito em trazê-los aos brasileiros.



A autora:
Kat passou a maior parte de sua infância viajando pelo mundo maluco de suas histórias e jogos. Aos 12 anos ela começou a escrever seu primeiro romance e a fazer planos de ser escritora de verdade. Seus planos só deram frutos sete anos depois quando vendeu sua trilogia As Crônicas Híbridas.
Quando não está explorando o mundo de seus personagens, está explorando o seu próprio. Ela já teve o prazer de conhecer cinco países, incluindo mais da metade dos Estados Unidos. Ela espera continuar escrevendo e viajar por muito, muito tempo.
Site | Twitter

4 comentários

  1. Que ótimo que a autora conseguiu introduzir essa história tão original sem tudo ficar confuso, pois tinha medo, ao ler a sinopse, de que fosse assim. Uma pena que ela não soube encaixar algumas coisas no momento certo. :/
    Achei muito legal, quero vê-la pessoalmente.
    Sua resenha tá excelente, Tati! Bjs <3

    ResponderExcluir
  2. Eu nao conhecia nem a autora, nem sua obra... mas se tem algo que me atrai totalmente e me faz julgar ter interesse ou nao de conhecer alguma historia é a capa, e essa ai, sem duvida, é linda! Amei o estilo do livro e me deixou super curiosa para saber como é isso de duas almas e etc... preciso ler!

    ResponderExcluir
  3. Oi Tati !
    Confesso que a princípio não me interessei pelo livro, mas o fato da autora nos mostrar esse lado de duas mentes em um só corpo é bem diferente do que costumo ler, me deixou curiosa, e foi o que me intrigou a ler o livro.
    É uma pena que a autora não soube encaixar alguns momentos nos lugares certos, acho que assim a leitura fica um pouco confusa, mas ainda assim quero conhecer o livro.
    Bj

    ResponderExcluir
  4. Eu peguei esse livro para ler meio que por sorteio, do tipo qual eu escolho....
    E não me arrependi. Gostei bastante da história e do toque de ficção científica - que não é muito o meu estilo mas que nesse caso me deixou muito intrigada e fez com que adorasse o livro.

    Beijinhos,
    Lica
    Amores e Livros

    ResponderExcluir

Os comentários são moderados, portanto, aguarde aprovação.
Comentários considerados spams, agressivos ou preconceituosos não serão publicados, assim como os que contenham pirataria.
Caso tenha um blog, retribuirei seu comentário assim que possível.

Pesquise no blog

Parcerias