Vice-presidente da Amazon fala sobre o Kindle na Bienal de SP

Executivo conversou com o público durante a 22ª Bienal Internacional do Livro e desconversou sobre a chegada da empresa ao país: "não quero estragar a surpresa".

Ao iniciar a palestra durante a Bienal de São Paulo, Russel Grandinetti, vice-presidente da Amazon e responsável pelo Kinde, disse a frase que acabou com grande parte das expectativas dos jornalistas e do público presente, reunidos no espaço evento reservado para a palestra: "Não há notícias sobre o Kindle no Brasil".


Depois de deixar um gosto amargo entre os presentes, Grandinetti dissertou durante cerca de uma hora sobre o leitor digital da Amazon, como começou o projeto do dispositivo e os resultados alcançados com os eBooks nos EUA.

Lançado há quase cinco anos, o Kindle surgiu como um produto que tinha como missão de reinventar o livro. Para isso, o executivo afirmou que imaginava o livro impresso como concorrente, e que o objetivo era superá-lo em pequenas áreas. "O Kindle é uma forma de reinventar a leitura, enquanto são emuladas as melhores características de um livro". O objetivo do projeto, de acordo com ele, é ambicioso: ter todos os livros que já foram impressos até hoje, em qualquer língua, disponíveis em menos de 60 segundos", disse Grandinetti.

Durante a explanação, Russ forneceu dados interessantes a respeito dos hábitos de consumo e do mercado de livros digitais nos EUA. "Os consumidores do Kindle compram 3,3 vezes mais livros no primeiro ano [em que compra o aparelho]. E o mesmo fenômeno também ocorre em países como Reino Unido, Alemanha, França, Itália e Espanha", apontou o VP. Grandinetti mostrou também um gráfico comparando a venda de livros físicos e para Kindle nos últimos 14 anos. A constatação mais interessante é que, de acordo com ele, nos EUA atualmente são vendidos dois eBooks para cada livro impresso.

Amazon no Brasil
Durante a a conversa com o público, perguntado sobre quais seriam os maiores desafios para trazer o Kindle para o Brasil, o vice-presidente da Amazon respondeu que "não está preocupado com essas coisas, e que está otimista" sobre o mercado brasileiro. Depois de definir o brasileiro como um povo muito "conectado", disse que sempre há questões como impostos e questões de logística, mas que esse seria apenas mais um desafio.

Todavia, Grandinetti desconversou quando foi questionado a respeito de quando a Amazon chegaria oficialmente ao Brasil. "Não quero estragar a surpresa", brincou o executivo, ágil o suficiente para escapar de todos os jornalistas após a palestra sem deixar rastros. Desde março deste ano há informações de que a companhia norte-americana pudesse chegar em setembro ao Brasil, e que a empresa iria comercializar apenas Kindles, livros, CDs e DVDs.

Fonte: IDGNow! - Cauê Fabiano - 10/08/2012

Um comentário

  1. Tomara que o preço do Kindle não fique absurdo devido a esse mar de impostos daqui >.< Quero que a Amazon chegue o mais cedo possível. Espero que esse suspense todo seja por algo muitoooooooooo bom.

    Beijos!

    ResponderExcluir

Antes da publicação, os comentários passam por moderação, então aguarde, por favor.
Comentários considerados spams, agressivos ou preconceituosos, não serão publicados, assim como pedidos de e-Books ilegais.
Sua opinião é muito importante! Através dos comentários é que posso tentar fazer um blog mais interessante.
Se você tem um blog, retribuirei seu comentário assim que possível.
Obrigada por participar.

Editoras parceiras