A Queda do Governador: parte dois, The Walking Dead 4, Robert Kirkman e Jay Bonansinga, Galera Record

A Queda do Governador: parte dois (The Fall of the Governor: part two)
The Walking Dead - livro 4
Robert Kirkman e Jay Bonansinga - Galera Record
Tradução: Mariana Kohnert
308 páginas - Ano: 2014 - R$35,00
+ informações | comprar
Não recomendado para menores.

Sinopse:
"Michonne finalmente conseguiu sua vingança. E parece que dessa vez nem o Governador será capaz de se recuperar. Ao encontrá-lo espancado, mutilado e com um fio de vida, Bruce e Gabe acham que Woodbury perdeu de vez seu líder.
Mas o ódio e a vontade de retaliação podem gerar forças que ninguém imagina. Depois de uma semana em um estado de semicoma, o Governador está de volta. Perdeu um olho e um braço, mas sua sede de vingança continua inabalável; Philip Blake irá até o inferno se for preciso para acabar com todos os habitantes da prisão, principalmente aquela que quase o destruiu.
The Walking Dead: A Queda do Governador - Parte Dois conta em detalhes o destino deste que é o personagem mais controvertido em um mundo dominado por mortos-vivos."

Resenha:

The Walking Dead, criação de Robert Kirkman, surgiu em 2003 como série de histórias em quadrinhos, que ultrapassa uma centena de edições. Após receber o Eisner Award (na categoria Melhor série contínua, em 2010, um dos maiores prêmios que uma HQ pode receber), a saga foi adaptada para uma série televisiva pela AMC. No momento, encontra-se na metade da quinta temporada e é grande sucesso, trazendo de volta à moda os zumbis, que nunca foram tão populares. Além de boa audiência e uma legião de fãs, The Walking Dead tornou-se uma franquia renomada, gerando colecionáveis, games e livros.
O intercâmbio entre as mídias e as variações da abordagem da trama na tv, nos quadrinhos e na Literatura, é um processo positivo. É um fenômeno interessante, que atrai o público de uma mídia para a outra, ampliando o mercado da franquia e presenteando os fãs com mais material. Assisto ao seriado da AMC e acompanho os quadrinhos também (ambas as versões apresentadas são muito diferentes), porém é das publicações em livros que tenho gostado mais. E The Walking Dead é atraente em todos os formatos, porque não se trata apenas de uma história com zumbis; trata dos seres humanos e as atitudes diversas quando expostos a extremo perigo e risco de morte.
Não precisa ser fã de The Walking Dead para apreciar a leitura, no entanto, é nítida a preocupação em presentear os fãs com curiosidades, informações, lacunas antes não preenchidas e acontecimentos pouco explorados. As três áreas possuem suas próprias versões (HQs, tv e livros), porém é notável que os livros se assemelhem mais a versão original, a dos quadrinhos, e não sua adaptação, série da AMC. Então quem assiste ao seriado e desconhece os quadrinhos, pode estranhar bastante o modo como tudo acontece.

No Brasil, através da Galera Record, o Grupo Editorial Record está publicando a série, escrita por Jay Bonansinga, sob supervisão do próprio Kirkman.
A série literária segue o mesmo padrão gráfico em todos os volumes, apresentando as mesmas fontes, estrutura e visual. As capas combinam, e desta vez visualizamos Lilly de costas, em meio a uma cena caótica e de destruição. Ela olha para um túmulo.
No volume um (A Ascensão do Governador, 2012), é mostrado como o Governador conquistou o cargo de líder temido em Woodbury. É um livro impressionante, violento e de grandes conflitos físicos e psicológicos.
Na continuação (O Caminho para Woodbury, 2013), é a vez de introduzirem a antagonista do Governador, Lilly. Aparentemente o livro não é tão empolgante quanto o anterior, mas na verdade o clímax é tão bom quanto. Quem é Lilly, como ela chega a Woodbury e o porquê dela duvidar da liderança do Governador.
A próxima etapa da saga, intitulada A Queda do Governador, foi dividida em dois volumes (Parte um e parte dois), ou seja, livro três e livro quatro. Na primeira parte (A Queda do Governador: Parte um, 2014) o foco continua sendo o Governador, os moradores de Woodbury e Lilly, mas ocorre o primeiro contato com o grupo de Rick, os sobreviventes na prisão, destacando Michonne. O quarto livro continua assim, porém o conflito prisão versus Woodbury chega ao ápice e a violência ao máximo.
Inicialmente, gostaria de ter mais de Rick, Michonne e seu grupo. No entanto, os autores mantem a ideia original mais forte que nunca e apresentam um novo olhar sobre o embate: A visão exclusiva do povo de Woodbury, o que pensa o grupo da prisão não importa. Chocante como nenhum lado está totalmente certo, não existem vilões e heróis tradicionais, apenas um diferente ponto de vista e a guerra desenfreada pela sobrevivência e a supremacia do mais forte. O grupo de Rick é vítima, mas não consegui ver o de Woodbury necessariamente como vilão. Já o Governador... É um caso único.

Estava ansiosa pela leitura, não gostei da trama ter sido dividida em dois livros. A interrupção é negativa e teria sido melhor ler um livro após o outro ou em volume único, diferente da pausa que ocorre entre os demais livros. Ao menos, a espera valeu a pena, porque a parte dois consegue ser superior e surpreendente.
Não focar no ponto de vista dos habitantes da prisão enriqueceu muito a história, já que ela não era inédita para mim. Portanto, os fãs dos quadrinhos, que pensam como os livros podem agradar, já que não é material teoricamente novo, repensem: É novidade sim. Acompanhar um dos conflitos mais épicos da franquia através do ponto de vista dos cidadãos de Woodbury. Já fãs da série, preparem-se para conhecer outra versão! Vocês precisam conhecer.
Interessante que nos terceiro e quarto livros todo o desenvolvimento anterior se une, se choca e apresenta o conflito final. Nada do que foi apresentado ao leitor é desperdiçado. O planejamento e a execução do enredo foram cuidadosamente planejados.
A narrativa e suas características permanecem as mesmas, em terceira pessoa e com texto violento, cruel, explosivo, rápido e cheio de diálogos intensos.
Subdividido em três partes (Campo de Batalha, Relógio do Apocalipse e A Queda) e vinte e três capítulos, o livro mantem o ritmo de thriller e mostra a queda do Governador, a destruição da prisão de Rick e a ascensão de Lilly - Acontecimentos praticamente simultâneos.

Além da ação e violência, as personagens se destacam em um mundo em o maior perigo não são os mortos, e sim os vivos.
O Governador, mesmo fadado a cair, continua impressionante e, embora seja um psicopata odioso, eu amo cada cena em que ele está presente. Sempre penso como, aos poucos, Kirkman conseguiu ampliar o carisma do Governador perante o público. Uma personagem que poderia ter sido mais bem aproveitada nos quadrinhos e na tv, ganha toda glória merecida nos livros. Sua mente doentia, sua capacidade de controlar todos ao redor e seus conflitos interiores o transformam em um protagonista de peso, um vilão querido e uma personagem valiosa. Sua versão literária entrou de vez para minha lista de "vilões" detestavelmente amáveis.
E nesse mundo de apocalipse zumbi chocante e terrível, as mulheres ganham mais destaque. Michonne nos quadrinhos ganhou a primeira edição especial dentre todas as personagens disponíveis; nos mais recentes episódios da série da AMC, os destaques foram Carol no Terminal e o conflito entre Beth e Dawn; E na Literatura de The Walking Dead: Lilly, personagem essencial que finalmente é trabalhada justamente e prova como as mulheres são importantes.
Lilly divide o posto de protagonista com o Governador e mostra neste volume o ponto máximo de seus conflitos pessoais, o ápice de seu desespero. De fraca a inconsequente, agora Lilly está madura, segura e extremamente perigosa e centrada. Conquista o respeito e assume a liderança, não apenas de Woodbury, mas de si mesma.

Mesmo para quem já conhece a base da trama, o livro é muito empolgante e o desfecho mostra que um ciclo chega ao fim, mas a história continua, exatamente como nos arcos das histórias em quadrinhos.
Uma abordagem de apocalipse zumbi que impressiona pelo tom realista e violento. Sem o peso da censura que a série de tv carrega, os livros chocam e têm mais liberdade, como nos quadrinhos. Uma história que agrada aos fãs de The Walking Dead, especialmente os dos quadrinhos, mas que, acima de tudo, satisfaz a qualquer fã de zumbis.
Um mundo em que as pessoas conseguem ser mais assustadoras que os mortos-vivos. Um universo que explora ao máximo os conflitos humanos e éticos e a loucura pela sobrevivência. Personagens fortes e realistas, pessoas buscando artifícios para se adaptarem a uma nova realidade. Traços sombrios de personalidade vindo à tona, junto ao medo, terror, insegurança, insanidade, loucura.
Sem leis oficiais, sem Governos, nem regras. Pessoas se unem e se enfrentam buscando a sobrevivência, enquanto fogem da praga zumbi. As certezas (ou incertezas) que cada personagem carrega ao decidir o que é moralmente certo ou errado.
O próximo livro já foi publicado nos Estados Unidos e o título é Descent. Escrito por Bonansinga e Kirkman, continua mostrando a trajetória de Lilly e a reconstrução de Woodbury. Pelas informações na web, Descent é descrito como o primeiro de quatro livros, em mais uma saga The Walking Dead.

Os autores:


Robert Kirkman é um roteirista de histórias em quadrinhos, conhecido por seus trabalhos para The Walking Dead e Invencível, ambos para a Skybound e a Image Comics, da qual é um dos cinco sócios.
Robert é produtor executivo do seriado homônimo exibido pela AMC (The Walking Dead) e escritor principal da série de livros (também de The Walking Dead).

Jay Bonansinga escreveu inúmeros livros de terror, vários aclamados pela crítica. Entre seus trabalhos estão Perfect Victim, Shattered, Twisted e Frozen.
Seu livro de estreia The Black Mariah, foi finalista do Bram Stoker Award.
Co-escreve os livros The Walking Dead.

Resenhas: A Ascensão do Governador | O Caminho para Woodbury | A Queda do Governador: parte um



As histórias em quadrinhos:
Foi onde o universo The Walkind Dead nasceu. Antes dos livros, série televisiva e games, The Walking Dead já existia.
The Walking Dead é uma publicação mensal histórias em quadrinhos nos Estados Unidos pela Image Comics desde 2003.
A história foi criada e escrita por Robert Kirkman.
A série narra a trajetória de um grupo de pessoas tentando sobreviver em um mundo atingido por um apocalipse zumbi.
No Brasil a série é publicada pela HQM Editora.
Em 2010 a série ganhou o prêmio Eisner Award de Melhor série contínua, anunciado na San Diego Comic-Con - o melhor prêmio que uma HQ pode receber.
A série já ultrapassou a marca de uma centena de edições e sua versão encadernada mais de vinte.


A série televisiva:
The Walking Dead é uma série de televisão do canal AMC pós-apocalíptica estadunidense, desenvolvida por Frank Darabont baseada na série de quadrinhos de mesmo nome por Robert Kirkman, Tony Moore e Charlie Adlard. No Brasil é transmitida na tv por assinatura pelo canal Fox e na tv aberta pela Band.
The Walking Dead conta a história dos meses que se seguem após um apocalipse zumbi pandêmico e acompanha um grupo de sobreviventes, chefiado pelo agente da polícia Rick Grimes, que viaja em busca de um local seguro. Mas a constante pressão da luta contra a morte diária torna-se um fardo bastante pesado, fazendo com que algumas pessoas desçam ao mais baixo nível da crueldade. O medo arrebatador dos sobreviventes pode ser bem mais perigoso que os zumbis que vagueiam pelo nosso planeta.
A série é transmitida desde 2010 e está na metade da quinta temporada.


6 comentários

  1. O que mais gosto na série televisiva (que amo!) é que ela mostra, assim como nesses livros, o lado obscuros dos seres humanos diante dessa situação.
    E estou bem curiosa pra conhecer essa nova versão como fã da série!
    Excelente resenha! Bjs, Tati <3

    ResponderExcluir
  2. Nossa que legal, eu tenho os três primeiros livros da série agora estou ansioso para comprar o quarto e completar minha coleção.

    ResponderExcluir
  3. Oi, Tati! Tudo bem? Quando o assunto é TWD, eu não perco por nada!!! Mais uma publicação que eu estou sedenta para devorar, ainda mais depois de acompanhar os episódios da quinta temporada até aqui. Não tinha lido nenhuma resenha ainda, mas como sou fã do seu trabalho, não pude deixar de conferir. Obrigada por trazer mais informação com qualidade para nós, leitores! (Como a minha vontade de ler o livro só aumentou, vou continuar de olho por aqui e torcer pra pintar um sorteio, quem sabe?!) :P
    Beijos e já deixo meus votos de boas festas pra vc!

    ResponderExcluir
  4. Acho incrivel como a serie faz tanto sucesso e eu, que amo seriados, nunca me interessei a ver :/ ok, vi um episodio e nao gostei mesmo. Porem, me interessei muito na historia do livro, boa resenha, e acho que darei chance aos livros, talvez eu passe a me interessar na serie por conta deles.

    ResponderExcluir
  5. Oi :D
    Acho incrível como a séire The Walkind Dead conquistou milhares de fãs. Meu noivo mesmo é obcecado
    pela série de TV a ponto de me obrigar (sim, obrigar) a assistir com ele. Apesar de boa não foi uma série
    que me conquistou, mas pelo que li até agora parece que os livros são realmente bons. Quero dar uma chance para
    HQ da série, acho que vou gostar mais !
    Bj

    ResponderExcluir
  6. Eu amo The Walking Dead de longe e minha série favorita!
    Amo amo amo amo mesmo, sou fã numero um.
    Quero demais os livros, as HQ eu já li algumas..

    ResponderExcluir

Antes da publicação, os comentários passam por moderação, então aguarde, por favor.
Comentários considerados spams, agressivos ou preconceituosos, não serão publicados, assim como pedidos de e-Books ilegais.
Sua opinião é muito importante! Através dos comentários é que posso tentar fazer um blog mais interessante.
Se você tem um blog, retribuirei seu comentário assim que possível.
Obrigada por participar.

Editoras parceiras