Pesquise no Leitora Viciada

1 de março de 2018

Dicas de leitura: as HQs mais importantes dos X-Men - Anos 1980, parte 2

Seguindo a série de postagens onde indico as histórias em quadrinhos mais importantes dos X-Men, esta é a quarta postagem, com a parte 2 da década de 1980! Caso ainda não tenha visto a parte 1 dos anos 80, clique aqui.
Época movimentada: alguns X-Men sem poderes, novos integrantes na equipe, mortes e maior opressão aos mutantes; Magneto, principal antagonista, se entrega e ocupa o lugar de Xavier; Os X-Men viajam até Asgard, se mudam para a Austrália e protagonizam três das principais sagas da mitologia: o Massacre de Mutantes, a Queda dos Mutantes e Inferno. Os heróis encaram Espectros, Carrascos, Carniceiros, demônios, a Ninhada, Magistrados e mais!
Se você não leu as décadas anteriores: 1960 e 1970.

Década de 1980, parte 2.



Inimiga Pública / Morte em Vida I e II
Título original: Public Enemy!, Lifedeath, Wraithkill!, Legacy of the Lost e Lifedeath: From the Heart of Darkness.
Ano: 1984 (Inimiga Pública e Morte em Vida Parte I) e 1985 (Morte em Vida Parte II)
Nº de edições: 5
Edições: The Uncanny X-Men vol.1 #185-188 e #198.

Estas não são histórias essenciais, porém as recomendo muito.
Antes de se tornar uma x-man, Vampira, adotada por Mística, foi integrante da Irmandade de Mutantes e enfrentou os Vingadores, deixando Carol Danvers (futura Capitã Marvel) em coma. Após uma série de crimes perante o governo americano, na história de The Uncanny X-Men #185, com roteiro de Chris Claremont e desenhos de John Romita Jr., Vampira é declarada oficialmente inimiga pública. O Departamento de Defesa, usando a Guerra dos Espectros como justificativa, encomenda com o mutante e engenheiro Forge um computador rastreador de seres e uma arma para neutralizar os poderes dos alienígenas Espectros. Forge não sabia que a arma seria testada em uma mutante, a Vampira. Enquanto Mística disfarçada tenta impedir e avisa Forge, Vampira está no Mississipi com Tempestade quando os militares as encontram.
Tempestade perde os poderes e na edição seguinte, Morte em Vida, está profundamente deprimida. Não é só porque ela não controla mais o clima, é que seus poderes também lhe deram uma conexão direta com a natureza, e ela não pode mais senti-la. Forge a resgata e quando eles parecem criar vínculos, tudo muda drasticamente.
A história possui roteiro de Chris Claremont, mas a arte é de um desenhista que não era fixo no título: Barry Windsor-Smith. Seu estilo autêntico é perfeito para esta HQ, com excelentes expressões faciais e linguagem corporal. Mas então John Romita Jr. retorna ao desenho na continuação do arco (Uncanny #186-187), quando Tempestade enfrenta os Espectros até receber reforço.
Morte em Vida II saiu no ano seguinte, novamente com a arte de Barry Windsor-Smith, uma história peculiar e sombria. Tempestade está no deserto do leste africano tendo alucinações, salvando uma sobrevivente de um acidente e se envolvendo com uma pequena aldeia local.


No Brasil: X-Men #09-11 e #19 (1989-1990, Abril Jovem); Coleção Os Heróis Mais Poderosos da Marvel #54 Tempestade (2017, Salvat Brasil).

Guerras Asgardianas
Título original: Asgardian Wars
Ano: 1985
Nº de edições: 4
Edições: X-Men and Alpha Flight #01-02, New Mutants Special Edition #01, X-Men Annual #09.

Guerras Asgardianas é uma saga formada por dois arcos pequenos (três histórias), escritos por Chris Claremont onde os X-Men enfrentam Loki. O primeiro arco, publicado em minissérie em duas edições reuniu os X-Men e a Tropa Alfa foi ilustrado por Paul Smith; a segunda parte saiu numa edição especial dos Novos Mutantes (que deveria ter sido a edição anual); a terceira e última parte é a publicação anual dos X-Men. As duas últimas partes (segundo arco) possuem arte detalhada do Arthur Adams e contam com a participação dos Novos Mutantes. É uma saga divertida e autêntica, embora não seja uma leitura importante.
Loki quer se dar bem com um grupo de deuses superiores, promete uma boa ação para a humanidade e cria uma Fonte Mágica no Canadá, que presenteia os humanos com habilidades e o mundo pode ser uma utopia. Loki cria intriga e os X-Men (Ciclope, Wolverine, Vampira, Noturno, Colossus, Lince Negra e Rachel) e a Tropa Alfa (Guardiã, Pigmeu, Shaman, Talismã, Sasquatch, Estrela Polar, Aurora e Pássaro da Neve) se enfrentam. A fonte afeta negativamente os heróis de poderes místicos, portanto todos se dividem entre a favor e contra o artefato. O enredo possui apelo filosófico sobre super-heróis sempre deixarem seus desejos em segundo plano para a proteção dos necessitados.
Madelyne está grávida de um menino e Rachel assume a identidade da Fênix. Vampira se interessa por Estrela Polar, mas ele não corresponde (hoje sabemos que ele é gay, mas na época não era explícito).
Loki prepara sua vingança e ordena à Encantor que capture os X-Men e Tempestade, pois ele deseja transformá-la na nova Deusa do Trovão e tomar Asgard, já que Odin e Thor estão fora. Tempestade está sem poderes e acompanhando os Novos Mutantes (Magia, Karma, Magma, Miragem, Lupina, Míssil, Mancha Solar, Warlock e Cifra) quando são surpreendidos e levados para Asgard. Tempestade é entregue a Loki e Magia tenta usar seu teletransporte para escaparem, mas a proteção do palácio interfere e seus amigos são espalhados no tempo e espaço dos Nove Reinos, enquanto ela é presa por Encantor. Todos vivem uma mini-aventura, com destaque para Miragem, que se torna uma Valquíria e encontra o cavalo alado Ventania.
Na terceira história, Kitty sonha com Tempestade, mas na verdade é uma mensagem enviada por Magia. Assim os X-Men vão até Asgard para resgatar os amigos.


No Brasil: X-Men formatinho #20-23 (1990, Abril Jovem). Nunca foi republicada!



O Julgamento de Magneto
Título original: The Trial of Magneto
Ano: 1985
Nº de edições: 1
Edições: The Uncanny X-Men vol.1 #200.

Esta foi uma edição especial do titulo mensal dos X-Men, pois atingia o número 200, com arte de John Romita Jr. e roteiro de Chris Claremont. Na edição anterior, Magneto se entregou voluntariamente às autoridades. Agora, ele é julgado por seus crimes terroristas pela Corte Internacional da Justiça, na França, enquanto os X-Men (Tempestade, Ciclope, Wolverine, Vampira, Noturno, Lince Negra, Colossus e Fênix) retornam das Guerras Asgardianas. Charles Xavier e Gabrielle Haller, advogada e embaixadora de Israel na Grã-Bretanha, compõem sua defesa. No passado, Magneto e Xavier enfrentaram o Barão Strucker, um criminoso nazista que havia sequestrado Gabrielle. Aproveitando o momento em que os três estão reunidos, os gêmeos Fenris, filhos de Strucker, colocam em ação um plano de vingança e aproveitam para sujar a reputação dos X-Men através de atentados, visto que o mundo todo acompanha o processo.
Destaque para o argumento de defesa de Gabrielle: que este não é um simples caso do bem contra o mal e que Magneto é uma outra pessoa após ter sido transformado em bebê e novamente em adulto. Ela pede para que os crimes anteriores a isso sejam ignorados. Foi uma ótima manobra de Chris Claremont para apresentar um Magneto mais humano e complexo, não mais um vilão megalomaníaco. Foi o maior desenvolvimento para Magneto até então.
No final, Xavier sofre um ataque cardíaco e vai ao espaço com Lilandra, deixando Magneto em seu lugar como diretor da Escola para Jovens Superdotados e tutor dos Novos Mutantes. É o início de uma nova fase.

No Brasil: X-Men formatinho #24 (1990, Abril Jovem); Coleção Histórica Marvel: Os X-Men #05 (2016, Panini Comics).


.
Massacre de Mutantes
Título original: Mutant Massacre
Ano: 1986 - 1987
Nº de edições: 13
Edições: The Uncanny X-Men vol. 1 #210-214, X-Factor vol. 1 #09-11, New Mutants vol. 1 #46, Thor vol. 1 #373-374, Power Pack #27, Daredevil vol. 1 #238.

Massacre de Mutantes foi a primeira grande história dos X-Men que me impactou e um dos mais representativos crossovers deles com participações especiais. É uma saga histórica porque não contém um final "felizes para sempre" e é essencial para quem gosta dos X-Men. A formação é Tempestade, Wolverine, Noturno, Vampira, Lince Negra, Colossus e Magneto.
Nos esgotos vivia a comunidade de mutantes escondidos, deformados e marginalizados: Os Morlocks. Um vilão contrata um grupo mercenário para exterminá-los, por considerá-los geneticamente inferiores. Os Carrascos, liderados por Dentes-de-Sabre, invadem os esgotos, matando dezenas de inocentes, incluindo crianças. É a primeira luta de Wolverine contra Dentes-de-Sabre, embora eles já se conheçam.
É uma das histórias mais violentas da Marvel até então, com as equipes X-Men, X-Factor e Novos Mutantes, com a participação de Thor, Demolidor e Quarteto do Futuro.
Alguns X-Men foram gravemente feridos e lidaram com mudanças como a saída de Kitty e Noturno; a entrada oficial de Psylocke na equipe, e em seguida, Cristal; a futura transformação de Anjo em Arcanjo; e, muito depois, um segredo de Gambit (que ainda não havia aparecido nas HQs).
Infelizmente as consequências do evento foram pouco exploradas nas edições seguintes.


No Brasil: X-Men #31-34 e O Incrível Hulk #96 (1991, Abril Jovem); O Melhor dos X-Men #02 (1997, Abril Jovem); Os Maiores Clássicos dos X-Men #03 (2005, Panini Comics); X-Men: Massacre de Mutantes (2013, Panini Comics).



A Queda dos Mutantes
Título original: Fall of the Mutants
Ano: 1988
Nº de edições: 9
Edições: The Uncanny X-Men vol.1 #225–227, X-Factor vol.1 #24-26 e The New Mutants vol.1 #59-61.

A Queda dos Mutantes é mais uma fase que uma saga; são três histórias separadas, cada uma envolvendo uma equipe: X-Men, X-Factor e os Novos Mutantes. É necessário acompanhá-las para compreender o momento difícil que os mutantes enfrentavam, cada vez mais odiados pela maioria da população.
O X-Factor era uma equipe caçadora de mutantes, mas que fazia de tudo para ajudar os mutantes que deveriam ser seus alvos. Os destaques neste momento são a apresentação do vilão Apocalipse; o pacto deste com Hodge, responsável pela publicidade do X-Factor, e seu grupo terrorista, a Direita; E a transformação do Anjo em um dos Quatro Cavaleiros do Apocalipse, o Morte.
Os Novos Mutantes eram uma equipe formada por estudantes adolescentes da escola do Xavier. Entretanto, o tutor na época era Magneto. A saga traz o momento mais triste da equipe. Durante a tentativa de resgate do Garoto-Pássaro na Ilha Paraíso, um dos membros perde a vida pelas mãos de Hodge. Nunca superei (no Brasil era 1992, mas a comprei em 1995).
Os X-Men procuram por Tempestade, que acompanha Forge; este tenta reativar os poderes dela. A equipe é procurada por infringir a Lei de Registro de Mutantes e a força federal de poderes especiais, os Vigilantes da Liberdade, liderados pela Mística, os perseguem para levá-los sob custódia. Devido a um feitiço xamânico de Forge contra o vilão Adversário, o caos se instala e as equipes acabam trabalhando juntas. O final é dramático: o sacrifício (televisionado) dos X-Men pela humanidade.
Colossus retorna ao grupo e Tempestade recupera os poderes.


No Brasil: Superalmanaque Marvel #05 (1992, Abril Jovem); A Queda dos Mutantes Volumes #01-03 (2013, Panini Comics).



Outback
Título original: Outback (título não-oficial)
Ano: 1988 - 1989
Nº de edições: 24 (inclui O Retorno da Ninhada, Bem-Vindo a Genosha, Inferno e Wolverine Vs. os Carniceiros)
Edições: The Uncanny X-Men vol.1 #229-252.

Apesar de ser uma fase que não costuma entrar em listas de melhores ou mais importantes este é o início de um período estranhamente interessante dos X-Men. Quem leu essas HQs há um tempo sente nostalgia! Na minha opinião, entre o Massacre dos Mutantes e a Queda dos Mutantes, a narrativa dos X-Men se perdeu em várias subtramas e o impacto e consequências que o Massacre deveria ter causado não foram devidamente explorados. Então a Queda serviu como uma reconfiguração brilhante dos roteiros dos X-Men.
Tempestade, Wolverine, Vampira, Colossus, Psylocke, Cristal, Longshot, Destrutor e Madelyne morreram e, graças a magia da guardiã omuniversal Roma (que lhes dá Portal do Destino, artefato do extramundo que, quando atravessado por alguém, a pessoa é julgada e recebe uma segunda chance com uma nova vida.), eles renascem, mas o mundo inteiro pensa que permanecem mortos. Também devido à Roma, nenhum tipo de rastreamento é capaz de encontrá-los, registrá-los ou identificá-los. Completamente indetectáveis, passam a viver no interior do deserto australiano após enfrentarem os sádicos e cibernéticos Carniceiros e tomarem deles seu lar. Com o suporte do aborígene Teleporter, eles são capazes de agir secretamente, indo e voltando rapidamente de qualquer lugar. Se apossaram da rede de computadores e da tecnologia dos Carniceiros. Cenário bem diferente da Mansão X com Cérebro e a Sala de Perigo.
Quase todas são histórias breves publicadas durante dois anos, com os X-Men praticando o bem mas com clima de foras-da-lei. O roteiro continua sendo do Chris Claremont e a arte é do Marc Silvestri. Os obstáculos e vilões são mais terrenos e pessoais, o desenvolvimento dos X-Men é mais introspectivo e a pauta sobre direitos civis é reforçada com a introdução de Genosha, um novo e inquietante cenário. Até mesmo quando a ameaça é espacial, como o retorno da Ninhada (Uncanny #232-234 - veja a postagem anterior, Anos 1980, parte 2), a ação se passa na Terra. Esse período termina com o "fim" dos X-Men. Aos poucos a equipe vai se deteriorando, com integrantes desaparecidos, dados como mortos, atravessando o Portal do Destino.
Uma fase subestimada que merece encadernados. Se quiser ler completo, recomendo as edições #229-252 de The Uncanny X-Men, que inclui os destaques abaixo: Bem-vindo a Genosha (#235-238) e Inferno (#239-243).
Observações: Jubileu aparece pela primeira vez na edição #244; a partir de #251 o título se tornou quinzenal; Jim Lee desenhou uma edição dos X-Men pela primeira vez, a #248.


No Brasil: Tudo da fase Outback em X-Men formatinho #40-54 (1992-1993, Abril Jovem); Partes em: Wolverine vol.2 #03-06, #09 e #20 (1992, 1993, Abril Jovem), Capitão América #161-162 (1992, Abril Jovem), Homem-Aranha #110-112 (1992, Abril Jovem); Excalibur #02 (2017, Panini Comics)Os Maiores Clássicos dos X-Men #01 (2003, Panini Comics); X-Men: Programa de Extermínio (2014, Panini Comics); X-Men: Gênese Mutante #01 (2014, Panini Comics); Coleção Histórica Marvel: Os X-Men #08 (2016, Panini Comics).



Bem-vindo a Genosha
Título original: Welcome to Genosha
Ano: 1988
Nº de edição: 4
Edições: The Uncanny X-Men vol.1 #235-238.

Arco em quatro histórias ocorrido na fase Outback, com roteiro de Cris Claremont e arte de Marc Silvestri e Rick Leonard, introduz Genosha e os Magistrados e é o prelúdio para uma saga de 1990: Programa de Extermínio! O cenário que poderia ser um futuro distópico ou uma dimensão alternativa, mas é o presente do mundo real. Mutantes nascem com o gene x, embora alguns sejam latentes. Na ilha-nação Genosha, no leste africano, ao norte de Seychelles, quando identificados, passam por um processo forçado de modificação e lavagem cerebral e, em casos específicos, o Genengenheiro manipula seu DNA e modifica as habilidades mutantes para atenderem as necessidades da sociedade genoshana. Os mutantes de segunda geração são criados diretamente em laboratórios. Todos são escravos de Genosha, contribuindo para a ascensão do país. Não possuem nomes, apenas números de identificação.
Madelyne trabalha como piloto e enquanto ajuda uma enfermeira genoshana naturalizada australiana, é atacada pelo Destacamento de Recrutadores e ambas são transferidas para Genosha. Antes ela envia um alerta a Vampira, que vai procurá-la com Wolverine. Eles enfrentam o Destacamento e Magistrados. Outros X-Men (Tempestade, Colossus, Psylocke, Cristal e Longshot) também entram na briga, mas Vampira e Wolverine são nocauteados e levados até a cidadela de Genosha, onde se tornam reféns e chamam a atenção por serem imunes ao escaneamento e registro no sistema de Genosha, assim como invisíveis às câmeras. Os Magistrados percebem que o Genengenheiro vai se interessar por essa capacidade estranha de Vampira e Wolverine, que têm os poderes neutralizados.
Vampira é estuprada por Magistrados. Estupro é sempre cruel, mas com Vampira foi extremamente horrível, porque ela não toca ninguém, nunca teve um relacionamento amoroso ou sexual. Na primeira vez que li essa HQ (em 1995, formatinho de sebo), fiquei muito chateada e inconformada ao ver isso acontecer com uma das personagens preferidas. Ela se retira para dentro de si mesma e sua psique enfrenta o ataque dos resíduos de psiques de todas as pessoas que ela tocou e absorveu temporariamente as mentes. Até encontrar a da Miss Marvel/Carol Danvers. Vampira a deixa assumir o controle de seu corpo. Esse é um tema muito delicado, pois Vampira sofre de problemas mentais devido às consequências da ação de seus poderes em sua mente, incluindo dupla personalidade. A partir desse ponto, Wolverine e Vampira na personalidade de Carol formam uma dupla interessante e inédita, relembrando espionagens do passado e entrando em ação. Madelyne também é prisioneira e, enquanto isso, N'astirh entra em contato com ela; é a próxima saga chegando, Inferno. A enfermeira é uma mutante latente e noiva do filho do Genengenheiro e passa pelo processo de modificação, enquanto os X-Men chegam a Genosha e Vampira e Wolverine espionam a capital, quando é mostrado mais sobre a sociedade genoshana. Os X-Men se unem a Vampira, Wolverine, Madelyne e o filho do Genengenheiro e o enfrentamento final ocorre. Um excelente arco de HQs sobre a opressão mutante e escravidão.


No Brasil: X-Men formatinho #44-45 (1992, Abril Jovem); X-Men: Programa de Extermínio (2014, Panini Comics); Coleção Histórica Marvel: Os X-Men #08 (2016, Panini Comics).



Inferno
Título original: Inferno
Ano: 1988 - 1989
Nº de edições: 13
Edições: The New Mutants vol.1 #71-73, The Uncanny X-Men vol.1 #239-243, X-Factor vol.1 #35-39, X-Factor Annual vol.1 #04, Excalibur vol.1 #06-07 e X-Terminators #01-04.
Afetou: Avengers #298-300, Fantastic Four #322-324, Amazing Spider-Man #311-313, Spectacular Spider-Man #146-148, Web of Spider-Man #47-48 e Daredevil #262-263 e 265.

Esta é uma saga que atingiu os títulos X-Men, X-Factor e Novos Mutantes. Por ocorrer em Nova York, também afetou outros super-heróis da área como Vingadores, Quarteto Fantástico, Homem-Aranha e Demolidor, além do Excalibur. É um arco ocorrido dentro da fase Outback e é importante para a mitologia X. Elevou determinado vilão a um status assustador. O destaque fica para a magia e o sobrenatural, itens sempre presentes na HQ dos Novos Mutantes, e aqui envolveram todo o Universo Marvel.
A base são dois acontecimentos: os Novos Mutantes lutam contra o demônio S'ym pela alma da irmã mais jovem de Colossus, a Magia; e os X-Men e o X-Factor lutam contra o demônio N'Astirh e a humana Madelyne Pryor, integrante não-oficial dos X-Men e ex-esposa de Ciclope, pelo salvamento do bebê Nathan, filho de Ciclope e Madelyne. A "transformação" de Madelyne não ocorreu da noite para o dia. Há muitas edições ela tem estado amargurada, com conflitos (arco Broodfall) e sofrendo manipulações, porém o ápice ocorre aqui, em Inferno. Neste momento os X-Men e o X-Factor (os X-Men originais) se reencontram após anos, porque em Massacre dos Mutantes as equipes se envolveram no mesmo incidente, porém em locais diferentes. Os Novos Mutantes recebem a ajuda dos X-Terminators.
Madelyne foi sequestrada e transformada na Rainha dos Duendes pelos demônios do Limbo. Eles planejavam uma invasão demoníaca da Terra e para isso preparavam o sacrifício chamado Inferno, onde dariam as almas de 13 crianças, incluindo Nathan (quando adulto se torna conhecido como Cable). Magia começou a se transformar em demônio e foi enganada por N'astirh, abrindo então o portal necessário para a invasão. Nova York foi tomada por demônios e as pessoas vão se tornando cada vez mais egoístas, invejosas e más e até mesmo objetos são possuídos. Muitos civis foram mutilados, mortos e devorados. Um horror tão caótico como um apocalipse zumbi. Os X-Men também enfrentam os demônios e sucumbem, com exceção de Colossus, imune a ataques mágicos quando em sua forma de aço orgânico.
O artista Marc Silvestri se destaca novamente com seu traço, deixando o visual ainda mais aterrorizante.


No Brasil: X-Men formatinho #46-49 (1992, Abril Jovem), Wolverine vol.2 #03-06, #09 e #20 (1992, 1993, Abril Jovem), Capitão América #161-162 (1992, Abril Jovem), Homem-Aranha #110-112 (1992, Abril Jovem); Excalibur #02 (2017, Panini Comics).
É uma das sagas mais solicitadas pelos fãs para ser lançada em encadernado pela Panini Comics, que publicou a saga grande anterior (A Queda dos Mutantes) e a posterior (Programa de Extermínio) e simplesmente pulou Inferno.A Panini poderia republicar a fase Outback em dois volumes e Inferno em outro. Ou... quem sabe Inferno será republicada em parceria com a Salvat Brasil na 2ª expansão da Coleção Oficial de Graphic Novels Marvel?

Bônus: O título What If...? da Marvel possui versões alternativas de algumas histórias e a edição #06 (vol.2, 1989) respondeu a pergunta O que Aconteceria se os X-Men Tivessem Sido Derrotados no Inferno? / What If...the X-Men Had Lost Inferno?. No Brasil a história foi publicada em 1993 na formatinho X-Men #51, da Abril Jovem.

Prepare-se para a quinta postagem, com o melhor dos X-Men publicado durante os anos 1990.

Instagram @leitoraviciada

Skoob

Online

Siga por e-mail