Estudo da BBC mostra como a representatividade feminina nas telas pode afetar as garotas

Mulher-Maravilha, Shuri, Capitã Marvel.
Parece que estamos entrando em uma nova era para meninas e mulheres serem representadas por personagens poderosas que finalmente são protagonistas de filmes e séries, saindo da sombra masculina. Não mais apenas personagens de apoio e sim as heroínas principais. De acordo com um estudo feito pela BBC America, isto é apenas um começo - e também um impulso mais urgente que nunca, pois a representação nas mídias se torna extremamente importante para as garotas.

Rey, Doutora, Eleven.
A BBC America e a Women's Media Center firmaram uma parceria com o objetivo de expandir tanto a diversidade quanto a representação das mulheres na mídia: o #GalaxyOfWomen. O primeiro passo foi uma pesquisa que mostra como as representações de mulheres na tela afetam mulheres e meninas. O estudo é intitulado Superpowering Girls: Representação Feminina no Gênero Sci-Fi / Superhero, que destaca o impacto da representação meninas de 5 a 19 anos de idade. Nele, verificou-se que garotas adolescentes, por exemplo, acreditam que suas heroínas preferidas nos filmes e séries as inspiram a se sentirem fortes, corajosas, confiantes, positivas e motivadas. A representação nas telas pode afetar positivamente a confiança da criança, sua trajetória profissional e auto-imagem em geral.
Mulan, Merida, Moana.
As meninas não são tão estimuladas como os meninos a se interessarem em áreas como Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática. Assim como 1 em cada 3 adolescentes concorda que as meninas têm menos oportunidades que os meninos de serem líderes de modo geral. As super-heroínas e o protagonismo feminino nas telas ajudam a mudar estes quadros inspirando meninas e garotas.
Hermione, Supergirl, Viúva-Negra.
A maioria das adolescentes se descreve mais corajosa com as heroínas nas mídias de ficção científica, de fantasia e de super-heróis, especialmente meninas não-caucasianas. Havia uma lacuna de confiança significativa em comparação aos garotos. Outros questionamentos indicaram que elas (57%) também acreditavam que não são ouvidas pelas pessoas ao seu redor, em comparação aos meninos na mesma faixa etária (38%).
Adolescentes (10-19 anos) querem mais super-heróis nas telas! 85% das garotas e 69% dos garotos. Já pais e mães de crianças de 5 a 9 anos: 88% dos pais de meninas acham necessário mais super-heróis, assim como 75% dos pais de meninos74% das garotas querem mais super-heroínas que se pareçam com elas. A pesquisa é mais profunda: 83% das adolescentes afro-americanas desejam se identificar com as heroínas, assim como 78% de etnias latinas e 70% das caucasianas.
Hit-Girl, Daenerys, Jean Grey.
Fundada em 2005 por Jane Fonda, Robin Morgan e Gloria Steinem, a Women's Media Center é uma organização inclusiva e feminista que trabalha para garantir que as vozes das mulheres sejam ouvidas.
Buffy, Xena, Dana Scully.
O projeto #GalaxyOfWomen destaca as mulheres em destaque da rede BBC, como as protagonistas das séries Orphan Black, Killing Eve e Doctor Who, que possui pela primeira vez uma Doutora, interpretada por Jodie Whittaker.
Tempestade, Furiosa, Arya Stark.
Sarah Barnett, presidente da BBC America e #GalaxyOfWomen disse sobre o Women's Media Center: "Temos o privilégio de trabalhar com eles para melhorarmos as maneiras pelas quais as mulheres são representadas nas histórias que vemos na televisão. A representação é importante: se você não consegue ver, não pode ser." Continuou: "É hora de expandir o que é visto e esperamos que este relatório contribua para provocar mudanças nas histórias nas telas. Com uma maior representação de heroínas no gênero de ficção científica e super-heróis, podemos ajudar a próxima geração de mulheres."
Lei Organa, Ellen Ripley, Sarah Connor.
Julie Burton, presidente do Women's Media Center enfatiza: "Neste momento de enorme mudança social, é importante que a televisão e o cinema forneçam uma abundância de papéis e modelos para diversas meninas e mulheres jovens. Sabemos que a representação é importante, conforme evidenciado por este relatório. Nossa pesquisa descobriu que personagens femininas de ficção científica e super-heróis ajudam a preencher a lacuna de confiança das meninas."
Batwoman, Michonne, Lara Croft.
Pat Mitchell, co-presidente do Women's Meia Center falou: "São tempos que exigem mudanças radicais e definitvas. Nosso trabalho de esclarecer o status das mulheres em Hollywood - e em todas as plataformas de mídia - é mais necessário do que nunca."
X-23, Jessica Jones, Okoye.
Sucessos de bilheterias e público como Mulher-Maravilha e Pantera Negra levaram o mercado cinematográfico a se interessar por heróis mais diversificados. Ainda há um longo caminho a percorrer - por maior representatividade de meninas / mulheres, pessoas não-caucasianas, que se identificam como LGBTQ, com deficiências e assim por diante. Conforme mostra esta pesquisa, estes avanços são realmente importantes para o público.
Trovão, Feiticeira Escarlate, Estelar.
Você pode conhecer todo o estudo, incluindo sua metodologia e estatísticas, no site da Women's Media Center (em inglês).
She-Ra, Vespa, Gamora.
Fontes: WomensMediaCenter.com e BBCAmerica.com
Valquíria, Speedy, Katniss Everdeen.

Nenhum comentário

Antes da publicação, os comentários passam por moderação.
Comentários considerados spams, agressivos ou preconceituosos não serão publicados, assim como pedidos de ebooks ilegais.
Sua opinião é muito importante!
Se você tem um blog, retribuirei seu comentário assim que possível.
Obrigada por participar.

Editoras parceiras