Pesquise no Leitora Viciada

28 de maio de 2012

Água Para Elefantes, de Sara Gruen, Editora Arqueiro

Água Para Elefantes (Water for Elephants)
Sara Gruen - Editora Arqueiro
Tradução: Anna Olga de Barros Barreto
272 páginas - Ano: 2007 - R$24,90 (impresso) R$16,99 (e-book)

Sinopse:
"Desde que perdeu sua esposa, Jacob Jankowski vive numa casa de repouso, cercado por senhoras simpáticas, enfermeiras solícitas e fantasmas do passado. Durante 70 anos Jacob guardou um segredo: nunca falou a ninguém sobre o período de sua juventude em que trabalhou no circo. Até agora.
Aos 23 anos, Jacob era um estudante de veterinária, mas teve sua vida transformada após a morte de seus pais num acidente de carro. Órfão, sem dinheiro e sem ter para onde ir, ele deixa a faculdade antes de fazer as provas finais e, desesperado, acaba pulando em um trem em movimento, o Esquadrão Voador do circo Irmãos Benzini, o Maior Espetáculo da Terra.
Admitido para cuidar dos animais, Jacob sofrerá nas mãos do Tio Al, o empresário tirano do circo, e de August, o ora encantador, ora intratável chefe do setor dos animais.
É também sob as lonas que ele se apaixona duas vezes: primeiro por Marlena, a bela estrela do número dos cavalos e esposa de August; e depois por Rosie, a elefanta aparentemente estúpida que deveria ser a salvação do circo.
Água para elefantes é tão envolvente que seus personagens continuam vivos muito depois de termos virado a última página. Sara Gruen nos transporta a um mundo misterioso e encantador, construído com tamanha riqueza de detalhes que é quase possível respirar sua atmosfera."
*O livro foi lançado no Brasil em 2007 pela Editora Sextante. Com a criação do selo próprio para os livros de ficção, Água Para Elefantes recebeu nova edição sob a Editora Arqueiro e com o lançamento do longa metragem no cinema ganhou em 2011 uma nova capa com os atores.
Capa antiga:


Mais de acordo com o livro que a capa nova com os atores.




Links: Skoob | Arqueiro | degustação

Resenha:
Uma história que mescla de forma simples mistério e encanto, que envolve e emociona o leitor.
O maior espetáculo da Terra, como eram anunciados os circos de antigamente, é o fator principal desse livro. Um mundo mágico aos olhos de seus visitantes, cheio de atrações fantásticas, incríveis artistas e os mais esplêndidos animais. Uma diversão para toda a família, uma lembrança inesquecível.

Tão inesquecível que Jacob jamais deixou de pensar como um circo marcou e modificou drasticamente a sua vida. Um estudante de veterinária de 23 anos de idade que não possuía mais objetivos na vida, nenhuma expectativa em relação ao futuro. Vagando em busca de qualquer coisa, o destino lhe surpreende com um emprego inusitado: trabalhar num circo cuidando dos animais.
Hoje, com 93 anos de idade, Jacob relembra cada acontecimento, em especial os momentos nesse circo e acompanhamos sua comovente história sem conseguir desgrudar os olhos de páginas cheias de mensagens, apesar de parecer ser um livro básico.

A narrativa é minuciosa e completamente intrigante. O narrador é o próprio protagonista, Jacob. Acompanhamos seu presente. Ele é um idoso com uma história de vida apaixonante. Mesmo tendo uma família numerosa, vive num asilo monótono e nada parecido com os tempos gloriosos que viveu no passado. Sente saudades da vida dinâmica que teve, da esposa maravilhosa e de tudo que o circo lhe trouxe.
Essas lembranças tornam-se mais intensas quando o idoso observa os preparativos de um circo próximo à casa de repouso e se anima com a possibilidade de rever tal espetáculo.
Através de uma narrativa sensível a autora utiliza do Jacob idoso para nos mostrar os dramas da velhice; de se sentir solitário; de desejar a voltar a ser ativo, útil e valorizado, seja como pessoa e/ou profissional; de se observar no espelho e não reconhecer o próprio rosto, tomado por rugas.
Mesmo com as limitações físicas e psicológicas da idade avançada, a vida continua e a vontade de segui-la intensamente ainda pulsa nas veias do censurado e limitado velho Jacob.

Intercalando presente e passado, conhecemos o Jacob e sua ligação com o circo. Mais concentrada no passado a autora escreve brilhantemente, de forma ágil e detalhada. Um livro que já tem um "quê" de clássico.
Talvez, em parte, isso seja culpa da ambientação do circo da década de 1930, da pesquisa histórica notavelmente feita pela autora (embora seja uma pesquisa que não surpreende) e transmitida ao texto. Além disso, nota-se que houve também bastante pesquisa sobre circos, suas atrações e os animais - fato explicado na nota da autora ao término da história. Ela dedica o livro para duas elefantas!

Os animais, personagens importantes e ativos na trama, sejam os cavalos imponentes de Marlena; a cachorrinha do anão, Queenie; o macaco sapeca Bobo; ou o grande destaque: a elefanta Rosie, tão doce e esperta.
A autora faz uma crítica sobre os maus tratos e exploração sofridos pelos animais. Impossível não analisar como circos, touradas e rodeios são, na verdade, uma exibição maldosa e cruel.

As personagens humanas também merecem elogios. A autora traz um grupo interessante. Tio Al, August, Marlena,Walter, Camel. Todos desempenham excelentemente seus papéis.
O grande destaque é o maníaco, complexo e imprevisível August. Ele não é o vilão típico, que demonstra a maldade de forma direta, apesar de ser inescrupuloso. Ele sofre de transtornos de personalidade, tem ataques de fúria ou de ternura. Possui violentos surtos psicóticos, embora em outros momentos seu charme seja inabalável, seduzindo, intimidando e controlando a todos - tudo isso ao mesmo tempo.
Tio Al é mercenário, falso e frio. Mas está sempre tentando transmitir paz e aconchego no seu circo. Sua única meta é riqueza e fama, nem que para isso explore, engane, roube e mate. Um psicopata.
Marlena é a exuberante, bela e delicada esposa de August. Não é uma "mocinha" que me cativou, apesar de ser uma protetora e admiradora dos animais. Ela é fraca e omissa, estando presa ao seu casamento com August e à seu emprego no circo. Ela precisa de ajuda para ter a coragem de enfrentar seus problemas e vê na paixão de Jacob essa saída.
Walter e Camel são personagens secundários admiráveis, trazendo outros conflitos menores, mas também intensos.

Até mesmo o circo pode ser classificado como personagem, já que parece ganhar vida. Seu funcionamento, sua caracterização, os bastidores, todas as pessoas conectadas como se fossem uma só, com apenas um objetivo: fazer o maior espetáculo da Terra funcionar corretamente e trazer lucro à diretoria e uns trocados aos funcionários.
A rotina do circo é bastante interessante, desde as acomodações das pessoas e animais nos vagões do trem, as viagens, a montagem e exibição do show, a hierarquia no cotidiano, a rotina dos animais, artistas e trabalhadores.
Porém não espere encontrar apenas o glamour e o charme do circo. O foco permanece nos segredos e mistérios por detrás da lona. A podridão dos bastidores, a competição entre membros do mesmo circo; assassinatos violentos, exploração dos trabalhadores e animais.
Numa época de recessão financeira, muitos trabalham por apenas comida e um lugar para dormir. A vida sob os trilhos não é fácil. Na verdade, o perigo rodeia cada vagão.
Trabalhadores e artistas não se misturam, como se fossem duas raças diferentes. Mas e Jacob, o que ele é? Afinal ele é o veterinário, que vive se revezando entre a convivência com a direção do circo, os trabalhadores braçais e os artistas exóticos. Jacob ainda busca por si próprio.

O livro possui cenas de ação, perigo e violência; tensão e suspense na medida certa e ainda um toque de romance. Eu destaco mais os laços de amizade de Jacob com os homens Walter e Camel e os animais Rosie, Queenie e Bobo do que seu romance com Marlena. É claro que ambos os sentimentos (amizade e amor) são os combustíveis para sua luta e determinação, mas ainda acho que o romance é o coadjuvante, analisando o livro de uma forma geral.
Recomendo o livro para quem gosta de histórias no passado, intrigas, dramas e animais. Quem não leu deve imaginar se Jacob e Marlena conseguem ficar juntos e o que acontece com o circo e cada um de seus animais. Como Jacob terminou sozinho e abandonado num asilo após tantos fatos fantásticos em sua vida?

Observação: o filme não chega nem perto da ambientação e sensação transmitida pelo livro. Os acontecimentos são diferentes, o casal de atores protagonistas não se parece em nada com suas personagens. Além da interpretação ruim as características principais foram diminuídas ou fracamente adaptadas; os atores não são convincentes.
O livro foi adaptado para mostrar uma história de amor nascida num circo e o sofrimento da elefanta. Deixa de lado qualquer outro detalhe importante. Se você gostou do filme e ainda não leu o livro, não sabe o que está perdendo; e quem desgostou da adaptação cinematográfica corre o risco de se apaixonar pela história original.

Uma história única, que possui vários dramas em apenas uma leitura. A saudade pelo passado, o sofrimento da perda, a solidão da velhice, o carinho pelos animais, o encontro do verdadeiro amor, amizades tocantes.

A autora:
Nascida no Canadá, Sara Gruen é autora de Água Para Elefantes e dois outros livros ainda não publicados no Brasil, Riding Lessons e Flying Changes.
Ela vive em Chicago, com o marido, três filhos, quatro gatos, dois cachorros, duas cabras e um cavalo.

O filme:
Sinopse: "Jacob Jankowski (Hal Holbrook) já passou dos 90 anos e não consegue esquecer seus momentos da juventude nos anos 30, período difícil da economia americana, que o levou a trabalhar num circo. Foi lá, enquanto era jovem (Robert Pattinson) e um ex estudante de Veterinária, que ele conheceu a brutalidade dos homens com seus pares e também com os animais, mas encontrou a mulher por quem se apaixonou. Marlena (Reese Whiterspoon) era a Encantora dos Cavalos, a principal atração e esposa do dono do circo: August (Christoph Waltz) um homem carismático, mas extremamente perigoso quando suas duas paixões estavam em jogo. Dirigido por Francis Lawrence."


Trailer:

Instagram @leitoraviciada

Skoob

Online

Siga por e-mail