publicidade

Mini-resenha: Duna, volume 1, Frank Herbert, Nova Fronteira



Observação escrita em setembro de 2020:
Esta é uma postagem de quando o blog foi criado (julho de 2011) e "ninguém ainda o lia". Portanto, não é uma resenha profunda, pois há 9 anos eu ainda estava aprendendo a resenhar e postar. Então este texto não é muito bom e pretendo reler a série para fazer resenhas decentes.

A primeira imagem é a da capa atual, edição capa dura pela Editora Aleph. A segunda figura é a da edição dos anos 1980 pela Editora Nova Fronteira (versão lida por mim) e a terceira, é a capa da edição anterior da Aleph, versão brochura.

Duna
Duna - livro 1
Frank Herbert - Nova Fronteira
671 páginas


Sinopse:
"A vida do jovem Paul Atreides está prestes a mudar radicalmente. Após a visita de uma mulher misteriosa, ele é obrigado a deixar seu planeta natal para sobreviver ao ambiente árido e severo de Arrakis, o 'Planeta Deserto'. Envolvido numa intrincada teia política e religiosa, Paul divide-se entre as obrigações de herdeiro e seu treinamento nas doutrinas secretas de uma antiga irmandade, que vê nele a esperança de realização de um plano urdido há séculos. Ecos de profecias ancestrais também o cercam entre os nativos de Arrakis. Seria ele o eleito que tornaria viáveis seus sonhos e planos ocultos?"

(mini) Resenha:Procurei por muito tempo esse livro e fiquei muito feliz em conseguir comprá-lo (em 2010, uma edição de 1984) e não me decepcionei. Comprei de um livreiro pelo Estante Virtual, pois não encontrava em livraria ou loja on-line alguma, pois em todos os lugares constava como fora de catálogo.
Adoro Ficção Científica, especialmente quando aborda assuntos filosóficos e humanizados. Duna aborda temas delicados ligados à religião, política, ecologia e classes sociais. Duna se tornou um clássico da ficção especulativa, criticando o colonialismo/imperialismo.

Imagine um planeta onde a água é o bem mais precioso, totalmente escasso. O mundo todo é apenas areia, dunas e rochas. Os Fremen, o povo do deserto, é sofrido e guerreiro. Vivem com trajes destiladores e tudo neste mundo é único, diferente, adaptado. Vermes Gigantes e perigosos vivem nas areias e a Melange, uma especiaria cara que prolonga a vida, é cultivada lá, voltando os olhos do Império ganancioso para o planeta. O Imperialismo é pesado.
O personagem principal é o filho do duque que herdou o planeta, um Atreide, criado para liderar e lutar. Inteligente, ensinado pelos melhores estrategistas e mestre das armas do Império. Sua mãe, um tipo de sacerdotisa poderosa, que instruiu o filho na arte das Bene Gesserit, quebra o tabu de que apenas mulheres aprendiam esses ensinamentos.

O que acontece quando estranhas habilidades se unem a uma poderosa droga que as intensifica?
O que acontece quando uma antiga e esperada lenda se inicia? Que mexe com a liderança e esperança de um povo, misturando política e religião ao cúmulo?
O que acontece quando uma guerra começa com muitas intrigas, ação, revelações? Como é a luta maior desse planeta, ou seja, viver nessas condições precariamente ecológicas, se adaptar a esse meio ambiente onde não há água?
Um choque cultural: como se adaptar a uma vida oposta a que se vivia anteriormente?

Esse livro é um dos melhores que já li, eu já li o volume 2, O Messias de Duna e também gostei. Já tenho toda a série na estante me aguardando (exceto o último volume).
Quem curte Star Wars, Darkover ou qualquer tipo de ficção Space Opera vai adorar lê-lo. É um livro complexo, não recomendo como uma leitura leve, porém é muito prazerosa e intensa.
Frank Herbert não criou simplesmente uma saga si-fi, ele criou mundos numa ambientação medieval e futurística dentro de uma excelente verossimilhança.

Esse livro ganhou os prêmios mais importantes de ficção nos Estados Unidos: Nebula e Hugo. Rendeu um filme em 1984 e duas séries de televisão pelo canal Si-Fi, jogos eletrônicos e até uma música do Iron Maiden (To Tame A Land). Um novo filme está a caminho.
A Editora Aleph republicou Duna, após anos caído no esquecimento e promete lançar o sexto e último volume da série, editora que já relançou outros autores de Ficção Científica clássica e de qualidade como Arthur C. Clarke, Isaac Asimov, Philip K. Dick e William Gibson.
Quer saber mais sobre a série? Deixo aqui a lista com todos os volumes, na ordem cronológica:
  • Duna (1964)
  • O Messias de Duna (1969)
  • Os Filhos de Duna (1976)
  • O Imperador-Deus de Duna (1981)
  • Os Hereges de Duna (1984)
  • As Herdeiras de Duna (1985)
Brian Herbert, filho do autor, lançou juntamente com Kevin J. Anderson, escreveu livros (inéditos no Brasil) que mostram o passado de Duna. Segundo o próprio Brian, ele se baseou totalmente em anotações deixadas pelo pai.

Compre seus exemplares na Amazon! Aproveite para conferir sinopse e capa de cada livro da sextologia Duna (observação: ainda falta a Aleph republicar o sexto volume). Agora em edição de luxo com capa dura:


Herbert faleceu em 1986, com 66 anos e nos deixou a maravilhosa saga de Duna para lermos.

2 comentários

  1. Nunca tinha ouvido falar desse livro, mas me interessei. Tati sua resenha ficou ótima, meus parabéns....adorei o blog...\o/...Beijokas elis!!!

    http://amagiareal.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Esse livro é ótimo, difícil se arrepender por comprá-lo. Um mundo totalmente a parte. bjo.

    ResponderExcluir

Os comentários são moderados, portanto, aguarde aprovação.
Comentários considerados spams, agressivos ou preconceituosos não serão publicados, assim como os que contenham pirataria.
Caso tenha um blog, retribuirei seu comentário assim que possível.

Parcerias