Pesquise no Leitora Viciada

16 de abril de 2014

O Sacrifício, Hex Hall 3, Rachel Hawkins e Galera Record

O Sacrifício (Spell Bound)
Série Hex Hall - livro 3
Rachel Hawkins - Galera Record
Tradução: Camila de Mello
302 páginas - Ano: 2014 - R$35,00

Sinopse:
"Neste terceiro volume de Hex Hall, Sophie Mercer, com seus poderes reprimidos pelo Conselho dos Prodígios e mais vulnerável do que nunca, deve impedir a guerra épica que se aproxima. O único feitiço capaz de ajudar Sophie a recuperar os seus poderes está bem guardado no Hex Hall, onde tudo começou, protegido pelas malignas irmãs Casnoff.
Acompanhada de sua melhor amiga-vampira Jenna, seu namorado Archer, seu noivo Cal (sim, a vida amorosa dela é complicada), e uma fantasma pentelha, Sophie travará uma batalha contra um exército de demônios.
Mas mesmo com seus melhores amigos e aliados, o destino de todos os Prodígios está nas mãos dela, e somente dela."

Links: Galera Record | Skoob | degustaçãoresenha de Hex Hall 1 | resenha de Hex Hall 2

Comprar: Cultura | Saraiva | Galera Record

Resenha:

As capas da série Hex Hall são lindas e atraentes. Gosto quando a série possui um padrão e a editora o respeita, pois o leitor fica com uma bonita coleção na estante. Na primeira capa Sophie está de uniforme do Hex Hall, mas no reflexo é sua poderosa versão bruxa. O cenário é o próprio Hex Hall. Na segunda capa Sophie está sem o uniforme e sua imagem refletida é outra versão mágica sua, pois ela não é apenas bruxa, é bem mais poderosa. Na terceira capa Sophie está mais confiante e detém uma espada que não é a dela. O cenário é outro e sua imagem volta a ser da Sophie com uniforme de Hex Hall, porque ela está sem seus poderes! Porém também é uma adolescente diferente e mais segura que vemos ali.
Gosto dessa dualidade, porque pode carregar diversos conflitos da personagem. Sophie e sua ligação com Elodie, suas indecisão amorosa em relação à Cal ou Archer, seu conflito interno em ser humana e ser Prodígio, e várias outras interpretações e observações.

A autora mantém todas as características de Sophie como narradora. É sempre ousada a narrativa em primeira pessoa, ainda mais quando quem conta a história é uma adolescente cheia de gírias e manias. Como já é o terceiro livro, e consequentemente conhecer Sophie, já iniciei a leitura familiarizada com o jeito dela de narrar.
Porque a autora poderia se arriscar, embora seja um livro juvenil, a cair em excesso de gírias e linguagem informal. Nos diálogos é compreensível, principalmente quando boa parte das personagens é composta por adolescentes. Mas na narrativa, mesmo sendo uma adolescente a narradora, a escrita precisa ser cuidadosa.
Gosto bastante do estilo super sarcástico da Sophie em narrar a sua história. É dinâmico e engraçado, até mesmo cômico em alguns trechos. Até nas situações mais perigosas ou dramáticas o livro é muito divertido, pois Sophie não deixa o deboche de lado, ironizando tudo, todos e a si própria. Faz da leitura bem leve e jovial.

Antes de tudo, Hex Hall é uma série adolescente, não é adulta. Na verdade tem esse público como alvo e adultos que curtem livros juvenis. Eu gosto, principalmente quando me fazem rir ou me emocionam. Nesse caso, o riso predomina, mas há espaço para se comover com os relacionamentos e acontecimentos, porém nada sério.

Os seres sobrenaturais continuam presentes na história, e conforme o leitor que acompanha a saga já sabe, a naturalidade predomina, nada de estranhar bruxos, vampiros, mutantes, fantasmas, fadas e demônios. Temos ainda integrantes do Olho e as Brannicks, que caçam esses seres.
Para quem ainda não conhece a série, explico que Hecate Hall (ou Hex Hall para os mais "próximos") é um reformatório disfarçado de escola ou uma escola disfarçada de reformatório, como preferir. Só não pode ser classificado como uma escola comum. Nem mesmo normal entre os próprios seres sobrenaturais.
Hex Hall se torna mais bizarro e perigoso. Todas as personagens mudaram, a série já apresentou muitas surpresas e mesmo assim neste terceiro livro a autora consegue ainda trazer mistérios e surpreender.
Logo no começo o leitor se pergunta se Sophie recuperará os poderes (e como) e revelações já sacodem a história.

O Sacrifício possui trinta e quatro capítulos rápidos. O início é excelente, se mostra promissor para o fechamento da série. No entanto, mesmo agradável, se torna um pouco previsível e algumas etapas de desenvolvimento do enredo poderiam (deveriam) ter melhor qualidade na exploração e uso pela autora.
É um bom desfecho, mas poderia ter sido menos superficial. Tanta coisa em jogo! A simplicidade prevaleceria, já que é a proposta do estilo narrativo, porém as cenas de ação (como fugas e lutas) deveriam ter sido melhores e o final épico sem fugir do contexto.
Como exemplo (sem spoilers; ou seja, sem entregar a história.): Um "passeio" pelo inferno que não teve o lado sombrio e dramático explorado como seu potencial permitiria. Lutas entre seres sobrenaturais endemoniados sem boa (ou quase inexistente) descrição. Vilãs realmente cegas de tanta teimosia e poderosas que não se mostram, no fim de tudo, antagonistas à altura.
Lógico, Sophie está mais experiente, com um grupo bem unido de amigos fortes, uma família também difícil de ser combatida... No entanto, os obstáculos tão complicados e barreiras tão pesadas parecem ser tão facilmente ultrapassados. O lado positivo disso ocorrer é que para uma história teen e rápida a autora apresenta um monte de acontecimentos em apenas um livro; deve ter sido essa a intenção dela: Não dramatizar demais e aproveitar as páginas para bastante novidade.

O que mais achei interessante é que Sophie amadurece sem perder suas características, como ser um pouco estabanada e muito sarcástica. Mas ela vai deixando a preguiça e o desleixo de lado para se tornar uma super-heroína. Megapoderosa e um pouco atrapalhada, sempre com uma piada para soltar. Ela é inteligente, acima de tudo, e reconhece basicamente seus defeitos e tenta usufruir de suas qualidades. Além de divertida, inteligente, enrolada e engraçada, ela possui grande conflito sobre seus medos. Ela não desiste, ela não sossega, ela sempre está em busca de respostas e parte para a ação, embora morra de medo de quase tudo; afinal é a bruxa mais poderosa do mundo (e algo a mais) e não deixa de ser apenas uma adolescente. Por sinal, dividida entre dois rapazes (Nesse livro não tanto quanto no anterior). Ela encontra espaço para pensar em meninos mesmo quando a situação está impossível de ser resolvida.

Hex Hall é uma série adolescente que começa sem pretensões e se mostra muito boa e divertida. Sortilégio é uma introdução excelente, A Maldição (melhor da série) renova a história e O Sacrifício é um bom desfecho, mas que poderia ser melhor (não diferente, porém mais profundo).
Mesmo assim, a autora conseguiu me surpreender em alguns itens, principalmente em relação ao título do livro: O Sacrifício. Todos se sacrificam um pouco para "salvar o mundo". Só que um sacrifício é especialmente emocionante.

A autora:
Rachel Hawkins é professora de inglês.
Vive no Alabama e atualmente trabalha como escritora em tempo integral.

Links: Blogue | Twitter

Os livros anteriores:

Sortilégio (Hex Hall)
Série Hex Hall - livro 1
Rachel Hawkins - Galera Record
Tradução: Camila Mello
304 páginas - Ano: 2011 (2ª edição 2012)  - R$32,90

Sinopse:
"Há 3 anos, Sophie descobriu que não é uma menina como as outras. Ela é uma bruxa e, até agora, isso só lhe trouxe alguns... arranhões! Sua mãe fez tudo o que pôde para ajudar: leu o que conseguiu encontrar sobre bruxas, fadas e magia; procurando consultar o pai ausente de Sophie — um poderoso feiticeiro europeu — só quando necessário. Até que a menina atrai atenção além da conta depois de um feitiço de amor poderoso demais...
E é seu pai que define a sentença: Sophie deve ir para Hex Hall, um reformatório afastado de tudo e de todos que está sempre de portas abertas para receber qualquer “Prodígio” que saia da linha — ou seja, além de bruxas como Sophie, fadas, metamorfos, etc.
E a tendência de Sophie para encrencas não decepciona. Já no fim do primeiro dia, ela acumula problemas: três poderosas inimigas que mais parecem supermodelos, uma fantasma que cisma em persegui-la, uma paixonite idiota pelo feiticeiro mais charmoso da escola — e ele tem namorada, mas como Sophie poderia saber? Para piorar, sua companheira de quarto é a pessoa mais odiada do campus, e a única vampira entre os alunos... Sim, os sanguessugas não têm boa fama, e uma série de ataques a estudantes acaba fazendo da única amiga de Sophie a suspeita número um na mira do Conselho e da direção da escola.
Isso não é tudo, e Sophie precisa se preparar. Uma antiga sociedade secreta determinada a destruir todos os prodígios, inclusive e principalmente ela, parece estar mais próxima do que nunca de Hex Hall. Sophie terá de descobrir, do que sua magia é capaz e, sobretudo, suas origens e quem ela é de verdade."

Links: Galera Record | Skoob | degustaçãoresenha

Comprar: Cultura | Saraiva | Galera Record


A Maldição (Demonglass)
Série Hex Hall - livro 2
Rachel Hawkins - Galera Record
Tradução: Camila Mello
320 páginas - Ano: 2012 - R$34,90

Sinopse:
"Sophie Mercer pensava ser uma bruxa. Por isso foi mandada para Hex Hall, um reformatório para Prodígios — vampiros, fadas, etc — problemáticos. Mas isso foi antes de ela descobrir um terrível segredo de família... e que estava apaixonada por certo agente do L’Occhio di Dio, uma organização decidida a varrer da terra os seres sobrenaturais.
Agora, de férias com o pai, ela precisa decidir o que fazer com os próprios poderes, um noivo de última hora e uma conspiração que ameaça a paz entre mortais e mágicos."

Links: Galera Record | Skoob | resenha

Comprar: SubmarinoCultura | Saraiva


Instagram @leitoraviciada

Skoob

Online

Siga por e-mail