publicidade

Resenha: Coragem, de Raina Telgemeier e Intrínseca [HQ]

Coragem (Guts)
Raina Telgemeier - Intrínseca
Tradução: Giu Alonso
224 páginas - R$ 39,90 (impresso) ou R$ 24,90 (e-book)

Sinopse:
"Fenômeno da literatura jovem atual, a cartunista Raina Telgemeier recria com sensibilidade e humor as ansiedades de sua infância.
A jovem Raina está com um probleminha. Ela acordou com uma dor estranha na barriga. Sua mãe também, então talvez seja só uma virose. Até aí tudo bem, acontece. É só descansar. No entanto, quando Raina volta para a escola, surgem mais problemas. A tal dor causa um enjoo que não passa, e agora ela está cheia de preocupações: medo de comer, de perder as amigas, dos trabalhos da escola e de uma palavrinha em especial, um terror que começa com a letra “v”. Para completar, ela tem que lidar com a família caótica e com uma menina que vive implicando com ela, além dos colegas de turma, que só querem saber de nojeiras.
Cada dia traz um novo receio para Raina. Ela só tem 10 anos, e talvez seja um pouco complicado lidar com tudo isso sozinha. Felizmente sua família percebe que há algo avassalador e paralisante tomando conta dela: a ansiedade. Então, com a ajuda dos pais e da terapeuta, Raina vai descobrir que uma dorzinha pode esconder nossos maiores medos, e que é preciso coragem para dominá-los.
Em Coragem, a premiada cartunista Raina Telgemeier traça, com base em suas experiências, os desafios de crescer. Em uma edição belamente ilustrada e colorida, o livro explora todo o desconforto do amadurecimento e mostra como o medo e a ansiedade afetaram a infância da autora."

Resenha:
Raina Telgemeier é uma cartunista vencedora de prêmios importantes, como três Eisner Awards e um Stonewall Honor Award, além de ter vendido mais de 18 milhões de exemplares e de já ter sido traduzida para 22 idiomas. Prestigiada pela crítica, recebeu indicações de New York Times, Young Adult Library Services Association, Association for Library Service to Children, Kirkus Reviwes e Young Adult Library Services Association. Adorada pelo público, seus livros tratam com delicadeza, humor e simplicidade temas complexos, o que revolucionou o cenário de HQs infantis nos Estados Unidos.
Além de Coragem (Guts), publicada em 2020 pela Intrínseca, Raina também é autora de Sorria (Smile), Irmãs (Sisters) e Drama, as três publicadas no Brasil pela Devir, e as ainda inéditas por aqui Ghosts e Take Out. Com Coragem, seu trabalho mais recentemente publicado, Raina ganhou em 2020 dois Eisner Awards, o "Oscar das histórias em quadrinhos", nas categorias "Melhor Publicação para Crianças" e "Melhor Escritora/Artista".


Coragem, com tradução de Giu Alonso, cores de Braden Lamb e letras originais de Jesse Post, teve diagramação, design de capa e adaptação das letras feitos por Antonio Rhoden. É uma história em quadrinhos completa e ricamente ilustrada e colorida, com detalhes criativos e divertidos, especialmente quando a autora retrata itens do cotidiano e os momentos em que a protagonista se sente mal, também demonstrados com sensibilidade e clareza. A HQ é também engraçada, mesmo tratando de um tema bastante delicado. E o melhor: é para crianças, mas, no entanto, longe de ser bobo e superficial.


É uma obra autobiográfica, pois a autora se inspirou na própria infância para ter a base. Ela se inspirou em pessoas de verdade e acontecimentos verídicos que ela enfrentou durante seus quinto e sexto anos letivos, embora ela mesma explique que adaptou algumas coisas para tornar a HQ mais atraente. Desde criança, ela sofreu com crises de ansiedade que a faziam passar mal, incluindo dores de estômago, emetofobia (medo de vomitar) e receio de comer certos alimentos. Isso atrapalhou suas idas à escola e seus relacionamentos familiares e as amizades.


Raina tem apenas 10 anos de idade quando, numa fatídica noite, ela e a mãe passam mal. Será uma virose? Uma intoxicação alimentar? O problema começa verdadeiramente no dia seguinte, pois a dor e o enjoo retornam e começam a deixar a menina insegura, preocupada e muito ansiosa. Ela simplesmente não consegue mais sequer ouvir alguém falar sobre vomitar, muito menos saber que alguém ao redor pode estar passando mal. E se for uma doença contagiosa? Raina está muito focada em não passar mal novamente. Ela não quer vomitar nem precisar correr ao banheiro no meio da aula, por exemplo. Ela pensa que seria um vexame, além de doloroso. Portanto, ela começa a se privar de fazer muitas coisas, de ir a lugares e de comer determinados alimentos. Situações e itens simples de seu cotidiano se transformam em potenciais gatilhos e Raina não quer mais passar mal, quase perdendo o controle sobre si.


Para piorar a situação, algumas outras coisas atrapalham sua rotina e a estressam, deixando-a ainda mais ansiosa, se perdendo em um ciclo físico e psicológico. Ela divide sua casa de dois quartos e um banheiro com os pais e dois irmãos mais novos, e o imóvel com frequência cada vez maior parece ficar menor. Ainda mais que ela não percebe, mas está entrando na puberdade e sente necessidade de ter o próprio espaço, especialmente para continuar sua produção de tirinhas, seu passatempo e forma de expressão. Ela adora retratar situações e pessoas de seu dia a dia, como um desabafo.
Ela passa a ter problemas na escola, tanto com o professor como com uma colega de turma que implica com frequência com ela. A amizade com sua melhor amiga pode estar um pouco abalada e ela não se sente à vontade em falar em público e ter que fazer apresentações para a turma na sala de aula. Além disso, as outras meninas parecem estranhas e vão muito ao banheiro, será que elas também passam mal? Parece que é a tal da puberdade.


A mãe de Raina é um destaque positivo, pois ela percebe que a filha está com problemas e não é apenas momentâneo. Ela a leva ao médico, para verificar a saúde da filha e elas têm a notícia: fisicamente, está tudo bem com Raina. Portanto, sua mãe a leva a uma psicóloga e menina inicia terapia, o que inicialmente a constrange. E se os colegas descobrirem, o que vão pensar? Um dos pontos mais positivos da HQ é a terapia mostrada com naturalidade e importância.
A autora trata o tema de forma eficiente, sensível e inteligente e também com muito humor e leveza. As personagens são de etnias variadas, as cenas na escola são interessantes e a protagonista começa a perceber que todos têm problemas. E que qualquer pessoa pode precisar de terapia e isso é tão normal quanto ir ao dentista, por exemplo.


A HQ pode ser lida por qualquer pessoa, de qualquer idade, incluindo adultos, pois mostra como crianças também são afetadas por questões psicológicas como ansiedade e depressão, não é exclusividade da vida adulta. E que está tudo bem, desde que você converse sobre isso e busque a ajuda necessária, especialmente a profissional. Mas o público-alvo da HQcertamente são crianças de 8 a 12 anos de idade, mas acredito que os adolescentes de 13 a 15 anos provavelmente vão gostar também, principalmente quando se identificarem com a protagonista, que aprende, ao modo dela (e não é uma regra, pois a HQ deixa claro que cada pessoa reage de um jeito aos problemas), a criar coragem e aprender a conviver com o estresse, a insegurança e a ansiedade.


Este livro foi cortesia da Intrínseca, mas eu estava tão estressada com pandemia/quarentena e outros problemas. Não estava conseguindo finalizar nenhum livro, mas chegou a vez da leitura de Coragem e me fez muito, muito bem! Foi um momento alegre e também calmante e reflexivo. Gostei tanto que não poderia deixar de recomendar esta história em quadrinhos para quem talvez esteja precisando de uma leitura leve para levantar o astral! E se deseja presentear uma criança/adolescente com uma boa HQ, aproveite e compre Coragem.


A cortesia enviada pela Intrínseca veio toda especial.



A autora:
Raina Telgemeier é uma cartunista norte-americana muito prestigiada pela crítica. Coragem é um delicado registro autobiográfico, inspirado em sua infância. É autora também de Ghosts e adaptou e ilustrou a série de graphic novels The Baby-Sitters Club. Entre muitos prêmios, conquistou três Eisner Awards e um Stonewall Honor Award. Best-sellers do New York Times, seus livros já somam quase 20 milhões de exemplares vendidos nos Estados Unidos e foram traduzidos para 22 idiomas. Mora em São Francisco, Califórnia.

Nenhum comentário

Os comentários são moderados, portanto, aguarde aprovação.
Comentários considerados spams, agressivos ou preconceituosos não serão publicados, assim como os que contenham pirataria.
Caso tenha um blog, retribuirei seu comentário assim que possível.

Parcerias