publicidade

Resenha: Custe o que Custar, de Harlan Coben e Arqueiro

Custe o que Custar (Run Away)
Harlan Coben - Arqueiro
Tradução: Ricardo Quintana
336 páginas - R$ 39,90 (impresso) ou R$ 24,99 (e-book)


Sinopse:
"Até onde você iria para salvar a sua filha?
Simon Greene tinha uma família perfeita. Até perder a filha mais velha para as drogas. Depois de receber todo o apoio necessário na luta contra o vício, Paige desapareceu com o namorado abusivo, sem deixar vestígio.
Um dia, ele a reencontra no Central Park, em Nova York, tocando violão por uns trocados. Ela parece outra pessoa: está fora de si, assustada e claramente em perigo. Quando Simon vai falar com ela e lhe implorar que volte para casa, Paige foge mais uma vez.
Então ele faz o que qualquer pai faria: vai atrás dela e acaba entrando em um mundo sombrio e perigoso em que gangues de rua ditam as leis, drogas são a moeda corrente e assassinatos são acontecimentos corriqueiros.
Enquanto tenta resgatar a filha, Simon se vê enredado em uma trama de mentiras que abre uma porta sombria para o passado. Em pouco tempo fica claro que não é só a vida de Paige que está em risco, mas a dele próprio também."

Resenha:
Traduzido para 45 idiomas, Harlan Coben possui mais de 75 milhões de exemplares vendidos no mundo e é o único escritor a ter recebido os três prêmios mais importantes da literatura policial americana: o Anthony, o Shamus e o Edgar Allan Poe.
Se você gosta de esticar um pouco a leitura e deixar seus afazeres pra depois, precisa ter cuidado com os livro de Coben. Então quem é fã de suspenses viciantes, certamente conhece Harlan Coben, apelidado pela mídia e pelo público de "Mestre das Noites em Claro". Porém, ele merece um novo título: "Rei do Thriller na Netflix", a plataforma de streaming. Apesar de já ter tido obras adaptadas no passado, como as minisséries Não Há Segunda Chance e Apenas um Olhar e o filme Não Conte a Ninguém, Coben fechou uma longa parceria com a Netflix, com produções de diferentes países que estão adaptando catorze de seus livros! O primeiro passo para dominar o catálogo de suspense Netflix foi um roteiro original para uma minissérie, Safe, estrelada por Michael C. Hall (de Dexter). Então vários projetos foram lançados ou estão em andamento: Não Fale com Estranhos (The Stranger) ganhou oito episódios em minissérie; enquanto Silêncio na Floresta (The Woods) possui seis; já O Inocente (The Innocent) terá oito partes e vai estrear em 30 de abril. E vem mais por aí: Desaparecido Para Sempre (Gone For Good) também será disponibilizado em breve, inclusive, a Netflix já acrescentou a série ao catálogo e você pode ativar o lembrete para quando estrear.


Seu mais recente livro, Run Away, foi publicado nos Estados Unidos em 2019, e foi lançado no Brasil no ano seguinte como Custe o que Custar, com tradução de Ricardo Quintana. Possui algumas características da fórmula certeira do autor: família feliz repentinamente abalada, protagonista motivado a resolver as questões, muitas reviravoltas e surpresas, capítulos curtos e instigantes, alternância de pontos de vista e histórias aparentemente paralelas que se interligam. Um dos pontos mais interessantes aqui é que Coben traz temas sérios, atuais e relevantes, dando sua importância, porém sem explorar desnecessariamente suas nuances mais dolorosas.
Paige Greene é uma jovem universitária com uma vida empolgante pela frente. Mas mesmo pertencendo a uma família amorosa e bem estruturada financeira e psicologicamente, a moça se perde no vício de drogas ilícitas e em um relacionamento com um desconhecido abusivo. Sem deixar vestígios, abandona a vida acadêmica, os amigos e a família. Seu pai, um analista do mercado financeiro, e sua mãe, uma médica, têm ainda mais dois filhos mais jovens, e estão desesperados por notícias de Paige, especialmente Simon, que não tem a frieza da esposa.


Então Simon, após um dia de trabalho em Wall Street, encontra sua filha mendigando em pleno Central Park. Nervosa, agressiva, quase irreconhecível, e acompanhada por Aaron, o homem mais velho com quem ela vive agora, ela foge, fazendo com que Simon penetre em um submundo jamais imaginado, envolvendo drogas, assassinatos, abusos, seitas, tráfico de pessoas e vingança.
Uma investigação policial é iniciada e Simon e Ingrid são envolvidos. Embora suspeitos, o casal decide se arriscar ainda mais e começa sua própria investigação. Tudo está dando errado, porém Simon persiste e continua a tentar descobrir o paradeiro da filha, caso esteja viva, mesmo que para isso ele se envolva com traficantes, assassinos e drogados. Ele adentra em uma Nova York paralela e desconhecida em buscas de pistas, enquanto outra trama segue paralelamente: Elena Ramirez, uma investigadora particular de Chicago, procura por uma pessoa desaparecida. Conforme a história progride, é notável que o caso dela está interligado a outros desaparecimentos, ocorridos em Boston e Nova Jersey. A obra acompanha também Ash e Dee-Dee, duas personagens que inicialmente não aparentam ter associação com a trama principal. São enigmáticos, têm conversas estranhas envolvendo um culto e camuflam seus assassinatos, de forma que não demonstrem ligações e se pareçam com suicídios ou acidentes.
O que estes assassinatos e desaparecimentos têm em comum com a odisseia de Simon em busca por sua filha? E o que aconteceu para que Paige trocasse sua vida de universitária promissora pela de drogada moribunda? Então temos uma terceira história extra a ser contada para enfim se juntar ao quebra-cabeça formado pelas demais.


Com narrativa em terceira pessoa sob alguns pontos de vista diferentes, Coben traça uma história principal e outras paralelas e as conecta no final. Uma das coisas que mais gostei em Custe o que Custar é a ação quase ininterrupta, com mais cenas agressivas e ágeis, e ótimas doses de perseguição, brutalidade e perigo, acima da média quando comparadas às de outros livros que li do autor. A cena inicial já mostra tudo isso, além de estar carregada por uma tensão emocional secundária muito forte que permanece por toda a trama. Senti uma ligação muito sincera entre os membros da família do protagonista, o que costuma ser raro em livros policiais, e tive uma boa conexão com Simon, Ingrid e Paige, sem o autor ter que recorrer a muitas cenas flashbacks da família. Quase todas as personagens secundárias me pareceram críveis e menos caricatas que costumam ser em livros do gênero, mas achei as partes de Ash/Dee-Dee menos interessantes (deve ser porque demoram mais a se encaixarem na trama), entretanto, as de Elena eram empolgantes e teria sido ótimo se a personagem tivesse maior destaque. Mais ainda, adoraria ter tido mais cenas de Ingrid.
O início é muito empolgante, mas o final consegue ser ainda melhor. Algumas ligações eu já imaginava que aconteceriam, pois Coben não colocaria fatos à toa no enredo, mas a forma como ele os conecta é que é incrível. Ele correlaciona tudo discreta e secretamente, para trazer à tona no clímax e desfecho, guardando algumas surpresas ainda mais para o final. Adoro quando parece que o livro terminou e ainda acontecem revelações, mas o segredo final aqui é muito marcante. Certamente um dos melhores livros de Harlan Coben, mesmo para quem já está acostumado à fórmula do autor.


Em comemoração aos dez anos publicado no Brasil, desde março de 2019, os livros dele estão sendo relançados pela Editora Arqueiro sob nova identidade visual, com novas edições superatualizadas e que agora formam uma linda e padronizada coleção. O exemplar físico possui páginas amareladas, orelhas, tamanho 16 por 23 centímetros e ótimas diagramação e revisão. Este exemplar foi enviado pela Editora Arqueiro para ser resenhado no blog.
O próximo lançamento é o inédito no Brasil O Menino do Bosque, em pré-venda.


Outras resenhas de livros de Harlan Coben no blog: Apenas um Olhar | Confie em mim | Não Conte a Ninguém | A Grande Ilusão

O autor:
Vencedor de diversos prêmios, Harlan Coben é o único escritor a ter recebido a trinca de ases da literatura policial americana: o Anthony, o Shamus e o Edgar Allan Poe, todos por livros da série de Myron Bolitar.
Suas obras já foram traduzidas para 43 idiomas. Aclamado na França, Coben é conhecido como “o mestre das noites em claro”. Não Conte a Ninguém foi transformado no premiado filme homônimo estrelado por Kristin Scott Thomas e François Cluzet. Não Há Segunda Chance e Apenas um Olhar também foram adaptados para minisséries.
O autor nasceu em Newark, Nova Jersey. Depois de se formar em ciência política, trabalhou no setor de turismo. Mora com a esposa e os quatro filhos.
Site | Twitter | Facebook | Instagram


Um comentário

  1. Oi Tatiana,
    Aqui em casa, quem lê e gosta de Harlan Coben é minha mãe!
    Vou até ver se ela já leu este livro, certeza que ela vai ficar empolgada.
    beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Os comentários são moderados, portanto, aguarde aprovação.
Comentários considerados spams, agressivos ou preconceituosos não serão publicados, assim como os que contenham pirataria.
Caso tenha um blog, retribuirei seu comentário assim que possível.

AddToAny

Pesquise no blog

Parcerias