publicidade

Dicas de leitura: as HQs mais importantes dos X-Men #07: Anos 2000, parte 1

Esta é a sétima postagem de uma série especial sobre as histórias em quadrinhos mais importantes dos X-Men, separadas por décadas. Caso não tenha lido, postei sobre as décadas de 196019701980 parte 1, 1980 parte 21990 parte 1 e 1990 parte 2.
A década de 2000 dos X-Men pode ser dividida em duas etapas: antes e depois do Dia M, mas devido a quantidade de títulos X na época e muitas sagas e acontecimentos, os anos 2000 foram divididos em três postagens no blog. Esta é a primeira:

Década de 2000, parte 1.



Os anos 2000 começaram com a saga que envolveu outros heróis do Universo Marvel, Segurança Máxima (Maximum Security). Em seguida, os X-Men sofreram uma reformulação fortemente influenciada pelo primeiro filme lançado nos cinemas pela Fox. Isso culminou em alguns dos melhores arcos da década com Novos X-Men (New X-Men), Surpreendentes X-Men (Astonishing X-Men) e X-Treme X-Men e, claro, Os Fabulosos X-Men (The Uncanny X-Men). Os trabalhos de Grant Morrison em Novos X-Men e Joss Whedon em Surpreendentes X-Men foram os mais importantes da primeira parte da década, se tornando futuramente clássicos imprescindíveis.

O título X-Men Vol.1 (o iniciado em 1991, muitas vezes catalogado como Vol.2, caso considere-se que Uncanny já foi The X-Men no começo de sua existência), se tornou New X-Men (Novos X-Men) de #114 (em 2001) a #156 (voltou a ser X-Men em 2004) e depois X-Men Legacy (Legado), a partir da edição #208, indo até #275. Paralelamente aos títulos principais, destaco ainda dois títulos que trazem duas realidades paralelas do Multiverso Marvel que merecem atenção: Ultimate e Evolution.

No Brasil, a Marvel trocou de casa editorial, indo da Editora Abril Jovem para a Panini Comics Brasil. No princípio, a Panini optou por mensais com mix de várias HQs juntas, formato americano e em capa cartão (a linha Super-Heróis Premium), até então diminuir a quantidade de páginas em novos títulos, e, posteriormente, trocando para a capa mole. Super-Heróis Premium X-Men teve 17 edições em 2000 e 2001. Depois a Panini iniciou X-Men e, em seguida, X-Men Extra (e Wolverine).

O primeiro destaque foi O Fim do Sonho, a saga que inicia a primeira reformulação dos títulos nos anos 2000.



O Fim do Sonho
Título original: Dream's Ends
Ano: 2000 - 2001
Nº de edições: 8
Edições: Uncanny X-Men Vol.1 #388-390, Cable #87, Bishop The Last X-Man #16 e X-Men Vol.1 #108-110

Este arco, de responsabilidade de Chris Claremont (seu fim no segundo título que escrevia, deixando o gancho central de X-Treme X-Men, seu futuro trabalho), Joe Pruett, Robert E. Weinberg e Scott Lobdell, não costuma aparecer em listas de indicações, mas é um bom exemplo de itens clássicos dos X-Men que funcionam bem: a política anti-mutante, o medo do futuro das relações entre humanos e mutantes e os X-Men sempre salvando um mundo que os teme. A premissa já fora utilizada anteriormente em 1981 (em Dias de um Futuro Esquecido): a Irmandade de Mutantes, grupo terrorista liderado por Mística, planeja assassinar o senador Robert Kelly, candidato à presidência dos Estados Unidos. Na saga dos anos 1980, a morte de Kelly foi a precursora de uma distopia terrível, evitada pelos X-Men. Será este realmente o destino?
O novo plano de Mística vai além, pois ela não deseja apenas eliminar Kelly; vai moldar o futuro. Sua nova arma é o Vírus Legado, que originalmente matava apenas mutantes, mas agora afeta a todas as pessoas. Os X-Men se dividem em duas forças: Cable, Gambit, Fera e Colossus tentam proteger o Senador Kelly em Boston, enquanto Wolverine, Vampira e Bishop, com auxílio de Lupina, tentam descobrir o que Mística está fazendo na Ilha Muir, localidade da Dra. Moira MacTaggert, aliada dos X-Men.
As principais consequências deste arco foram, além de trazer o temor pelo futuro de volta: as mortes de quatro personagens importantes (incluindo a de uma pessoa que abala profundamente o mundo dos X-Men), a saída de um membro do grupo e a criação dos X-Treme X-Men, a equipe de Tempestade que secretamente vai em busca dos treze diários de Sina (mutante que prevê o futuro). Estes textos motivaram Mística a começar tudo. E ainda, um acontecimento importante envolvendo o Vírus Legado.
Oficialmente as edições deste arco são Uncanny X-Men Vol.1 #388, Cable #87, Bishop The Last X-Man #16 e X-Men Vol.1 #108, porém recomendo ler também Uncanny X-Men Vol.1 #389 e #390 e X-Men Vol.1 #109 e #110. Somente assim a experiência será completa.


No Brasil: X-Men #04-06 (2002, Panini Comics).




E de Extinção
Título original: E is for Extinction
Ano: 2001
Nº de edições: 3
Edições: New X-Men Vol. 1 (X-Men Vol.2) #114-116

Se sagas dos quadrinhos inspiraram os filmes X-Men pela Fox, o contrário também ocorreu, mesmo que superficialmente: os uniformes coloridos e tradicionais dos X-Men das HQs foram substituídos pelo couro preto utilizado pelos atores em X-Men: O Filme (2000).
O sucesso do filme levou a Marvel a repaginar os X-Men em 2001 e a contratar Grant Morrison para assumir o título X-Men, que foi renomeado como New X-Men (Novos X-Men) - Ciclope, Wolverine, Fênix, Emma Frost, Professor X e Fera formavam o elenco principal. Morrison escreveu o roteiro de 41 edições (#114-154 e a edição anual de 2001) e foi ousado ao introduzir novas personagens e deixar marcas profundas no mundo X com seis principais arcos: E de Extinção, Imperial, Novos Mundos, Rebelião no Instituto Xavier, Planeta X e Ecos do Amanhã (E Is for Extintion, Imperial, Riot at Xavier's, Planet X e Here Comes Tomorrow).
O primeiro foi E de Extinção, concentrado no genocídio de dezesseis milhões de mutantes em Genosha, que influenciará as próximas sagas. Outro destaque é a apresentação da vilã Cassandra Nova, vencedora do prêmio Vilão do Ano 2001 pela Wizard Magazine. Sua origem é interessante, mas seus poderes e malignidade a tornam uma das mais perigosas vilãs dos X-Men.
Outros aspectos da saga se destacam, como o conceito de mutações secundárias, que finalmente foi oficializado, e as novas sentinelas, verdadeiramente assustadoras. Morrison explorou o conceito de humanos temerem mutantes, não focando apenas em mutações que geram poderes e habilidades, pois abordou mutações estranhas, bizarras, aparentemente "inúteis" para o mutante se tornar um super-herói, trazendo mais drama e ótimas questões pessoais. Uma nova geração de estudantes surge e a escola volta a ser... uma escola! Cheia de mutantes esquisitões e interessantes em plena adolescência.


No Brasil: X-Men #09-10 (2002, Panini); Novos X-Men: E de Extinção (2007, Panini); Coleção Oficial de Graphic Novels Marvel #12 (2014, Salvat).



X-Treme X-Men
Ano: 2001-2004
Nº de edições: 51
Edições: X-Treme X-Men #01-46, X-Treme X-Men Annual #01 (2001) e X-Treme X-Men: Savage Land #01-04

Com a reformulação dos títulos X em 2001, Novos X-Men e Surpreendentes X-Men foram sucesso de crítica e público, enquanto Chris Claremont foi remanejado das publicações principais para a nova X-Treme X-Men. Esta revista pode não ter a mesma qualidade ou inovação de Morrison ou Whedon, mas ainda assim é importante. A série teve 46 edições (além de uma minissérie em 4 edições e o anual de 2001) e foi do razoável ao bom, apesar da falta de foco. A arte era de Salvador Larroca.
Liderado por Tempestade, o grupo era integrado por Fera, Vampira, Gambit, Psylocke, Bishop, Sábia e Pássaro Trovejante III. Em seguida, Psylocke e Fera são "trocados" por Salva-Vidas e Fluxo no elenco e, bem depois, Míssil entra para a equipe, além de ter participações de Wolverine e Lince Negra. O propósito surgiu na saga O Fim do Sonho, quando em segredo a equipe busca pelos Livros da Verdade (treze diários da visionária Sina), que contêm a história do futuro da humanidade. No decorrer das edições o objetivo da busca deixa de existir, embora as aventuras continuem a mil.
As histórias exageradas focavam em investigações, muita ação, aparatos bélicos e tecnológicos e tramas internacionais com passagens por outros países como Austrália, Madripoor e Espanha. Os arcos não eram longos, com destaque para a primeira metade das publicações (até a entrada de Míssil na equipe).
X-Treme X-Men ganhou um segundo volume na próxima década, mas sem ligação a este.


No Brasil: X-Men Extra #07-10, #14-27 e #29-45 (2002-2005, Panini).



O Povo do Amanhã
Título original: Ultimate X-Men: The Tomorrow People
Ano: 2001
Nº de edições: 6
Edições: Ultimate X-Men #01-06

No início dos anos 2000 a Marvel pretendia atrair novo público, mas sua cronologia era famosa por ser complexa e caótica. Novos leitores mal sabiam por onde começar. Um reboot estava fora de questão, portanto a Marvel criou um novo selo, que originou um novo universo, o Ultimate, mais moderno e acessível aos novatos. Totalmente reformulados, os X-Men foram a segunda aposta, logo após o Homem-Aranha. E Ultimate X-Men perdeu em vendas em 2001 apenas para Novos X-Men de Morrison. Os roteiros iniciais eram de Mark Millar e os desenhos, de Adam Kubert. O título foi influenciado pelo filme de Bryan Singer (que foi convidado a escrever um arco, porém não chegou a fazê-lo), mas foi completamente original e com muitas surpresas. Posteriormente a revista foi escrita por Brian Michael Bendis, Brian K.Vaughan e Robert Kirkman.
No Ultiverso ou Terra-1610, a formação dos X-Men é outra (e muda no decorrer do título) e até mesmo suas personalidades são diferentes das suas versões da Terra-616. Professor X, por exemplo, não é tão ético. Tudo isso é muito empolgante, porque por mais que você conheça X-Men, esta leitura surpreende. Foram no total 101 edições mensais publicadas mais 2 anuais. Indico aqui o primeiro arco: O Povo do Amanhã, com 6 edições. A qualidade é excelente e leitores de qualquer nível de conhecimento (ou quase nenhum) de X-Men vão acompanhar e apreciar. Magneto provoca um atentado ao Capitólio e a resposta são as Sentinelas. Os alunos do Professor X (Ciclope, Jean, Tempestade, Fera e Colossus) partem em busca do Homem de Gelo, antes que as sentinelas o encontrem. Em seguida, os X-Men precisam resgatar Wolverine
O selo chegou a ser relançado depois e Ultimate X-Men foi substituído por Ultimate X (5 edições) e em seguida, por Ultimate Comics X-Men (33 números), mas é a primeira versão a que mais vale a pena.
 A saga O Povo do Amanhã, a primeira de Ultimate X-Men, começou a ser publicada pela Editora Abril Jovem na revista Marvel Século 21: Homem-Aranha (2001) e terminou pela Panini Brasil na Marvel Millennium: Homem-Aranha (2002), onde teve a maior parte das edições publicadas. Depois foi relançada devidamente pela Panini em Marvel Millennium: X-Men #01 (2006) e Ultimate X-Men: o Povo do Amanhã. Continua em Marvel Millennium: X-Men #02 (2007) com a saga em 6 partes Retorno à Arma X.


No Brasil: Marvel Século 21: Homem-Aranha #01-04 (2001-2002, Abril) e Marvel Millennium: Homem-Aranha #01-02 (2002, Panini); Marvel Millennium: X-Men #01 (2006, Panini); Ultimate X-Men: o Povo do Amanhã (2014, Panini).



Imperial
Título original: Imperial
Ano: 2001 - 2002
Nº de edições: 10
Edições: New X-Men Vol. 1 (X-Men Vol.2) #117-126

Vários sub-arcos e histórias se unem nesta saga que acabou sendo apelidada como Imperial. Cassandra Nova parecia estar em coma, mas na verdade, trocou de corpo com seu irmão gêmeo, o Professor X. Fera é brutalmente atacado numa sequência muito angustiante e chocante (eu quase chorei na primeira leitura). Toda a escola observa uma luz vinda do Espaço: a Imperatriz de Shiar e esposa de Xavier, Lilandra, e sua Guarda Imperial, chegando numa espaçonave para buscar o Professor.
Então corta para uma subtrama, consequência de E de Extinção: Após Sentinelas assassinarem dezesseis milhões de mutantes em Genosha, o acontecimento se tornou um símbolo de resistência para muitos jovens, e os mutantes, embora temidos e odiados pela maioria, se tornam moda entre parte da juventude. Mutação passa a ser um dos principais assuntos do momento, enquanto atentados praticados por jovens são influenciados pelo milionário John Sublime, autor do livro A Terceira Espécie. Ele prega que os mutantes são a elite genética e que os humanos não devem ficar para trás. Ele e os O-Men utilizam de biotecnologia para fazer humanos terem habilidades mutantes. Os O-Men capturam mutantes e através de tecnologia cirúrgica de ponta removem partes de seus corpos para que sejam implantadas em humanos.
A escola de Xavier é alvo de protestos negativos, Jean encontra uma assinatura de um novo mutante e Wolverine vai ao ponto indicado. É uma adolescente sequestrada por contrabandistas de órgãos mutantes. Jean defende a escola com a ajuda de estudantes sob ataque dos O-Men enquanto Ciclope e Emma são sequestrados. Mas ninguém imagina que o perigo já está na escola e que do espaço chegará outro problema. Muita ação com resgate psíquico, X-Men versus Guarda Imperial e uma microscópica invasão silenciosa!


No Brasil: X-Men #13-19 (2003, Panini); Novos X-Men: Imperial (2009, Panini); Coleção Oficial de Graphic Novels Marvel #47 (2015, Salvat).




Novos Mundos
Título original: New Worlds
Ano: 2002
Nº de edições: 3
Edições: New X-Men Vol. 1 (X-Men Vol.2) #128-133

Esta saga é formada por pequenos arcos que representam os "novos mundos" do título, culminando na ruptura do relacionamento entre Xavier e Lilandra, a morte de um membro da Corporação X, a introdução de uma mutante e segredos adormecidos nos escombros de Genosha.
O primeiro arco apresenta o mutante Fantomex e desenvolve algumas coisas ligadas ao Projeto Arma X pelo qual passou Wolverine, introduzindo Arma XII, uma arma viva anti-mutante. É um thriller que mistura mistério, ação e ficção científica. A Corporação X vai resolver um acidente de trem no Eurotúnel envolvendo mutantes. Fantomex solicita asilo político ao Professor X e Jean, pois foge de militares. Ele fala sobre o Projeto Arma XII, que tem relação com o acidente e, portanto, a Corporação X está encrencada. Uma história curta, porém ótima.
Em seguida, Wolverine, Ciclope e Emma sobrevoam a França e os dois últimos têm mais uma estranha "sessão de terapia" telepática. E nos escombros de Genosha, onde Mercúrio aguarda pelo Professor X, Unus, o Intocável, delira sobre fantasmas. Professor e Jean chegam e encontram outros mutantes no local, além de coisas estranhas na ilha destruída, como vozes assombrosas e um monumento em homenagem a Magneto. Wolverine vai resgatar refugiados mutantes na fronteira do Afeganistão com o Paquistão e encontra Fantomex e uma nova mutante.


No Brasil: X-Men #19-25 (Panini); Novos X-Men: Novos Mundos (2011, Panini).



X-Men Evolution
Título original: X-Men: Evolution
Ano: 2002
Nº de edições: 9
Edições: X-Men Evolution #01-09

Esta indicação não é uma das mais importantes, porém é válida, especialmente para quem curtia a série animada X-Men: Evolution, a inspiração desta publicação. Na verdade, ambas as séries, animada e de histórias em quadrinhos X-Men Evolution, são o mesmo universo, a Terra-11052. As HQs também são divertidas. Para quem nunca assistiu ao desenho, difícil será ler e não matar a curiosidade sobre como era a animação. E assim como ocorria lá, cada edição funciona como um episódio: embora componham uma minissérie e sigam uma cronologia, cada uma funciona como uma historia completa. Outra tradição mantida é o destaque em cada personagem. Primeiramente, Professor X, Magneto, Tempestade e Wolverine, os mais velhos dentre as personagens principais, têm suas origens mostradas, que é a base de X-Men Evolution. Posteriormente o foco recai nos estudantes: Ciclope, Jean Grey, Noturno, Lince Negra, Vampira e Spyke (criado especialmente para a animação), Outras personagens fazem participações como Fera, Homem de Gelo, Anjo, Jubileu, Homem Múltiplo, Mancha Solar e Míssil, além da Irmandade de Mutantes e dos Morlocks.
Os roteiros são de Devin Grayson e a arte é de Udon Studios, Long Vo e Charles Park, com exceção da última edição que foi escrita por Jay Faeber e desenhada por J. J. Kirby. Do mesmo modo que aconteceu com a série animada, a influência do visual dos mangás e animês é muito forte.
No Brasil, a minissérie foi publicada quase completamente. A Panini deixou de fora a nona e última edição e publicou em minissérie em quatro edições com duas histórias em cada, para depois repuplicar em formato encadernado.


No Brasil: X-Men Evolution #01-04 (2002, Panini); X-Men Evolution - Reedição Especial (2004, Panini).




Rebelião no Instituto Xavier / Assassinato na Mansão Xavier
Título original: Riot at Xavier's / Murder at The Mansion
Ano: 2003
Nº de edições: 3
Edições: New X-Men Vol. 1 (X-Men Vol.2) #134-141

Uma rebelião e um assassinato acontecem em dois arcos ligados diretamente. As frustrações e rebeldias da adolescência são exploradas no arco em cinco edições chamado Rebelião no Instituto Xavier, com o diferencial de serem adolescentes com super-habilidades. É uma trama de ótima premissa, mas que poderia ter tido um desenvolvimento melhor, especialmente por ser de Grant Morrison. Deveria ter sido mais longo e publicado aos poucos nas histórias anteriores, e poderia ter um ápice mais intenso. Mesmo assim, acho que este é um bom arco, pois destaca os estudantes na escola. No pano de fundo temos o triângulo amoroso de Ciclope com a esposa Jean Grey e a também x-man Emma Frost.
Os mutantes continuam na moda e o Instituto Xavier para Estudos Avançados tem recebido novos alunos. Muitos destes jovens estão com hormônios à flor da pele, incluindo sentimentos furiosos. E adolescentes costumam questionar e se revoltar, mas o que acontece quando estes são mutantes poderosos? Um assassinato de uma personalidade mutante por mãos humanas eleva ainda mais as frustrações dos estudantes, enquanto uma nova droga, a Porrada, amplifica os poderes dos mutantes, se populariza entre os adolescentes e chega na escola X. Um dos alunos mais promissores, um estudante nível ômega chamado Quentin Quire, após problemas pessoais, lidera uma rebelião no Instituto Xavier, causando uma nova e violenta abordagem sobre as relações entre humanos e mutantes, muito diferente da ideologia ensinada na escola. Esta é finalmente aberta ao público (incluindo pela primeira vez humanos), mas a Gangue Ômega de Kid Ômega está dominando (literalmente) o instituto. Para complicar a situação, uma das irmãs Stepford sofre com a rebelião e as irmãs perdem a confiança na tutora Emma Frost.
O arco principal da Gangue Ômega e a subtrama Ciclope/Jean/Emma se fundem e geram direta e seguidamente três edições com o arco Assassinato na Mansão Xavier. Como o título aponta, um assassinato acontece dentro da Mansão X e dois membros de X-Treme X-Men, Bishop e Sábia, chegam para tentar solucionar o caso, que parece ter vários suspeitos. Particularmente gosto dos dois arcos e acho que o segundo tem mais qualidade, porém depende do primeiro totalmente.


No Brasil: X-Men #26-33 (2004, Panini); Novos X-Men: Rebelião No Instituto Xavier (2011, Panini).

Gostou? Por favor aguarde pela continuação com a segunda de três partes com as mais importantes HQs dos X-Men dos anos 2000. A postagem foi publicada aqui.

Todas as postagens anteriores: confira as melhores sagas dos X-Men nas histórias em quadrinhos, por década:

5 comentários

  1. Quando tentei iniciar a história dos x-men, achei muito ruim, eram tantas histórias e títulos que não conseguir. Tudo o que eu sabia era baseado nas series animadas, que, embora são boas não iam de encontro com a história cânone. Queria me aprofundar e foi ai q encontrei o site mais completo das hqs iniciais e principais dos x-men. Não precisei ler os 544 quadrinhos kkkk, peguei os principais eventos citados aqui e me deliciei. Muito obrigado pelo seu trabalho, não podia deixar de comentar pq imagino como é bom ter um reconhecimento pelo trabalho. Hj já estou nas revistas atuais mas não pude deixar de ler seu novo artigo. PARABÉNS.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ash, muito obrigada por dedicar tempo para comentar aqui. Este foi um dos comentários mais legais já recebidos em 9 anos de blog. Muito obrigada mesmo, de coração! Fico feliz em ter te ajudado na leitura. Abraço.

      Excluir
    2. PS.: Às vezes, com as HQs dos X-Men, a pessoa só precisa começar. Só isso, só saber por onde começar, para então nunca mais parar de ler.

      Excluir

Os comentários são moderados, portanto, aguarde aprovação.
Comentários considerados spams, agressivos ou preconceituosos não serão publicados, assim como pedidos de ebooks ilegais.
Sua opinião é muito importante!
Se você tem um blog, retribuirei seu comentário assim que possível.

Parcerias